RSS contos eroticos

Conto Erotico Freira no confessionario


Freira no Confessionário (Autora: Carla Zéfira)
---------------------------------------------- (Conto com Video link no final)
.
Meu pai Carlos Zéfiro tinha fantasias constantes e escrevia regularmente
contos com desenhos envolvendo padres e freiras.
Anos após sua morte descobri uma irmã por parte de pai que era
filha de uma colombiana, e havia se tornado freira num convento
em Puerto Cabello. Entramos em contato e ela me enviou um video
e partes do relato de uma de suas experiencias.
.
No convento em que vivia havia uma igreja que era frequentada pela
comunidade local, e nela trabalhava Padre Julio, um padre negro de
origem cubana, e que algumas colegas de convento já haviam comentado
terem visto através da janela do basculante, urinando no banheiro e
sendo o dito padre possuidor de uma enorme e grossa cobra mulata.
Todas nós após esta conversa tinhamos ficado muito excitadas e
tivemos que pagar grandes penitências por nossos pensamentos
libidinosos. A madre superiora inclusive nos recomendou que não
frequentassemos a igreja, e que nos mantivessemos em total
clausura, mas aquilo se tornou um martírio para mim.
.
Nos recolhiamos cedo, após o lanche das 18 horas, mas eu não
conseguia dormir, e sabia que Padre Julio rezava a ultima missa
das 6 da noite e ficava ainda por 1 ou 2 horas confessando alguns
retardatários. Vesti novamente meu hábito, porém, Deus me perdoe,
sem a grande calçola que eramos obrigadas a usar como servas de
Deus, e desci até a Igreja, encontrando Padre Julio contrito em suas
rezas sentado dentro do confessionário. Me ajoelhei junto a tela
de separação da cabine do padre e lhe sussurrei que necessitava
confidenciar meus pecados a Deus.
.
Padre Julio gentilmente me disse que abrisse meu coração, mas
não só o coração, como minha xoxota desandaram a piscar
aceleradamente com a voz grave daquele padre quarentão.
- Padre, me perdoe porque pequei, e o pior é que continuo pecando..
- Diga irmã, diga os seus pecados..
- Toda noite meu corpo arde em desejo pelos homens. Acordo no
meio da noite nadando no meu suor e com as narinas tomadas
pelo cheiro do meu proprio sexo. Necessito urgentemente sentir
um homem dentro de mim.
- Filha de Deus, lembre-se dos seus votos de catisdade..
- Eu sei padre, e é por isso que gostaria de minimizar meu pecado
sentindo no ventre a pica de um padre e não de um homem comum.
..
- Que isso irmã. Como poderia eu tambem romper meus votos ?
- Pode padre, fariamos isso e nos perdoariamos um ao outro frente
a Deus...
E falando isso, não aguentei, levantei meu hábito e comecei a me
masturbar lentamente.
Padre Julio sonhava em devaneios com os olhos semi-fechados
quando os abrindo se deparou pela tela separatória, com um de
meus dedos entuxados em minha xana, já completamente babada.
.
Lentamente Padre Julio foi se levantando, olhou ao redor para
garantir a inexistência de outras pessoas na igreja e levantou
tambem sua batina, finalmente liberando aquele enorme membro
negro que eu tanto queria ver...
Iniciando uma punheta de curso longo, encostou a chapeleta do
caralho contra a tela e pude vê-lo em sua plenitude. Era um
mastro grande, grosso, marron reluzente, e já brotava um pingo
de porra do orificio no alto de sua cabeça. Minha xoxota nessa
hora vazava meu mel copiosamente, e meu corpo estava quente,
quente como nunca tinha estado antes. Eu precisava daquele
pau, precisava tê-lo nem que fosse um pouquinho em minha
boca, depois eu iria para o meu retiro e me siriricaria até morrer..
.

.
Dei a volta no confessionário e me ajoelhei em frente ao meu
padre confessor, tomando-lhe gentilmente a vara nas mãos
para a seguir senti-la com meus lábios molhados.
Como era gostoso chupar a vara de um homem daquele porte.
Padre Julio gemia baixinho e orava pra compensar o pecado
que estava cometendo.
.
. .
.
Pedi que voltasse a se sentar e de costas assestei aquela
linda chapeleta na entrada da minha gruta molhada arriando
lentamente meu corpo para a entrada triunfal do poste no
âmago do meu ser. Que pau gigantesco... Me tocava o útero.
Coloquei meus pés sobre seus joelhos e passei a fuder o
pobre homem com movimentos lentos e rítmicos, fazendo
aquele cacete aflorar até a cabeça e depois mergulhar fundo
no interior dos meus labios inferiores.
.
- Será que algum dia seremos perdoados, irmã ?
- Sim padre, pois é um desejo real de dois servos de Deus.
Meta mais fundo e mais rápido, meu confessor gostoso.
E Padre Julio gemia em transe.
De repente retirei todo o cacête da buceta e lhe pedi
encarecidamente:
- Padre, me tome pelo cú...!
- Pelo cú, irmã ? Isso é sodomia... É um pecado ainda
mais grave..
- Padre.. fodida, fodida e meia.. Fique quietinho e me
deixe pagar meu pecado.
Mirei a cabeça da pica bem no olho do meu cú de freira
e sentei com o cú na vara negra. Caraaaalho como doeu.
Era muuuuito grande e muuuuito grosso para o meu
anelzinho virgem de irmã de convento.
.
Até aquele dia eu só tinha usado meu furinho posterior
para saida, mas aquele trem me entrando ao contrário,
me rasgando as pregas, fervendo, pulsando reto a dentro
me levou à loucura em segundos. Como que podia, eu
uma freira tão contrita, ciente dos meus votos, estar agora
completamente empalada, com o ânus completamente
arrombado e ainda por cima por uma piroca eclesiastica.
.
. .
.
Padre Julio agora entrava em delirio e me segurava pelas
ancas forçando ainda mais a entrada de seu falo em
meu cú, até que olhei e dele só restava de fora aquele
saco negro e pesado com as bolas grandes. O saco
pesado e o homem com quem eu estava me deram uma
mensagem divina e imediata ao cérebro. Ali haveria de
ter muuuuuito leite guardado. E não deu outra, senti
padre Julio gemer no momento em que contrái meu
esfíncter do prenúncio de um aleitamento e aquele
trem negro vazou uma tonelada de leite dentro dos meus
intestinos. Sentia ele latejar, pulsar dentro da minha
bunda e minhas pregas alagarem.
.
Lentamente aquela jibóia negra foi escorregando pra fora
e um jatinho de porra branca esguichou do meu ânus no
chão puro da igreja.
Corri a limpa-lo com minhas proprias vestes e ainda ouvi
padre Julio se afastando e dizendo:
- Vá em paz irmã.. e não peques mais (até que tenha
vontade de novo)...
.
Agora curtam o video que pode ser acessado clicando no
link abaixo:
.
http://www.xvideos.com/video1163712/freira_no_confessionario
.