RSS contos eroticos

Conto Erotico Minha esposa currada e esporrada jogo brasil

Olá amigos, como vão, já editei alguns contos aqui neste site que foram muito bem visitados, pois além das aventuras serem totalmente verídicas, procuro sempre ser fiel a todos os detalhes, sem ser fantasioso, pois acho que nós leitores merecemos toda consideração possível. nossa última aventura, editada neste site no dia 12/5/2006, rolou com um tatuador tarado e chamou-se “ele tatuou e esporrou na minha esposa”, recebendo mais de duas mil visitas, além dos diversos e-mails que recebi solicitando fotos de minha esposa. desde então não havia editado novas aventuras no site, pois não rolou nada de interessante para contar, até hoje 18/6, domingo. bem, para quem não leu nosso conto anterior vou nos apresentar: meu nome é alberto, 42 anos, 1,75mt, 82 kg, olhos verdes e em forma, minha esposa se chama lúcia 38 anos, 1,65mt, 52k, cabelos médios loiros, olhos mel, bunda durinha e seios médios e firmes com bicos rosados sempre apontados para cima. no começo não foi fácil convencer minha esposa a ser liberal, problema que a maioria de maridos, candidatos a corno, que conheço tem, mas ao longo destes quatro anos fui viciando-a em sexo com amigos e chefes e agora para meu orgulho e excitação posso dizer que ela deixou de ser apenas minha esposa putinha para tornar-se uma verdadeira prostituta mesmo, pois antes ela transava apenas para curtir, mas agora desde que ela transou com meu chefe e o filho dele, por mero interesse, minha vida profissional ficou mais confortável, assim como nossa vida social também, pois temos sido convidados para festas, eventos passeios diversos. chegamos à conclusão de que apesar do circulo de amizades liberais ser muito fechado é composto de pessoas especiais e de um ótimo nível social, sendo que depois que você é aceito no grupo as barreiras da hipocrisia moral são rompidas de vez. e foi assim, juntando o útil ao agradável, que rolou esta nossa aventura no domingo, dia 18/6/2006, no jogo do brasil, e que não se trata de uma seqüência das outras, mas sim conseqüência da prostituta que ela vem se tornando ao longo destes quatro anos. o diretor da empresa que trabalho meu chefe direto e o mesmo que comeu minha esposa na boate, como contei em “minha esposa dando para meu chefe e seu amigo” editado neste site no dia 25/04/2006, convidou-me e a alguns amigos para assistirmos o jogo da seleção e comer uns petiscos no apartamento do filho dele, que também já havida comido minha esposa, pois depois teria uma festinha por lá. agradeci e respondi a ele que assistiria em casa com a lúcia e ele imediatamente pegou o telefone e mandou que eu ligasse para ela convidando-a também, e atendendo ao pedido dele, liguei para minha esposa que topou na hora, pois não tínhamos nada de especial para fazer no domingo à tarde. conhecendo bem a figura do meu chefe, imaginei que a intenção dele não era apenas assistir ao jogo e comer petiscos, mas com o fogo que minha adorada esposa anda atualmente, iria no mínimo adorar qualquer brincadeira que por ventura viesse a rolar por lá. o jogo seria no domingo, então no sábado pedi para minha esposa ir a uma casa de esportes e comprar umas roupas para entrarmos no espírito da copa. para mim ela comprou um conjunto de short e camiseta ao estilo da seleção e que com meias e tênis completei meu visual que ficou até legal, pois ainda estou em forma, afinal posso ser corno, mais elegante. no domingo, por volta do meio, estava me vestindo para sair, coloquei meu uniforme e me penteava diante do espelho quando vejo o reflexo da minha putinha atrás de mim, já me deixando de pau duro, pois ela estava vestida com uma camiseta regata nas cores da seleção, a camiseta era curta na altura do umbigo, decotada e cavada dos lados, e dependo da posição em que se olhava, pelos lados ou por cima, proporcionava uma deliciosa visão dos peitos dela, mas ao mesmo tempo valorizava-os de maneira bonita e sensual, na parte de baixo usava um short feminino azul, como das jogadoras de vôlei, bem justo e curto realçando suas coxas e bunda, uma bandana na estampa da camiseta enfeitava sua cabeça ao mesmo tempo em que prendia de leve os cabelos loiros, maquiagem e batom no tom terra, unhas longas de pontas quadradas, esmalte transparente e pontas brancas, completavam o visual de torcedora sexy dela, sabia que ela estava um escândalo, pois dava para ver a marca da sua calcinha, um misto de fio dental e asa delta, marcando sua bunda, mas final é melhor ser alvo dos comentários dos amigos por ter uma esposa sem vergonha do que por ter uma esposa feia. coloquei meu tênis e meias, ela um sensual tamanco branco alto e estávamos uniformizados e prontos para o jogo. chegamos ao apartamento quase no começo do jogo, tocamos o interfone e subimos, ele já nos esperava na porta e assim que nos viu mediu minha esposa dos pés a cabeça e disse que ela estava um tesão e rindo cumprimentaram-se com beijos. no apartamento já havia várias pessoas, uns conhecidos e outros não, a proporção homem/mulher estava equilibrada e todas indecentemente vestidas, como minha esposa, era um verdadeiro arco íris verde amarelo, colírio para os olhos. minha gostosa esposa com seus quase 39 anos estava da média para cima entre as putas presentes, falo isto, pois aposto que a maioria daquelas delicias seminuas devia estar ali acompanhando alguém ou a pedido do anfitrião mesmo. o apartamento era grande, bem decorado e com um bonito terraço. logo o filho do meu chefe veio falar com a gente, cumprimentou-me e arrastou minha esposa para o lado para apresentar a um amigo, deles recebeu um selinho nos lábios. o rapaz serviu uma bebida para minha esposa, enquanto isto na sala de tv o jogo já tinha iniciado, eles foram sentar-se no terraço, ficando ela no meio, com o rapaz de um lado e o filho do meu chefe de outro, ambos eram bem novos na faixa dos 30 anos, e ficaram no maior papo, a conversa começou a ficar descontraída, e o rapaz, às vezes esbarrava a mão na coxa da lúcia, até que em determinado momento ele pôs novamente sua mão e não mais retirou, e começou a fazer uns movimentos de caricia. o outro percebendo o que estava acontecendo, fez o mesmo em sua outra perna, então o filho do meu chefe puxou a cabeça da lúcia e começou a beijá-la na boca, que retribuiu, o rapaz que estava do outro lado, por sua vez, começou a acariciar suas coxas e buceta por cima do short, nisto meu chefe aparece no terraço e acaricia seus peitos por trás do banco, força ela levantar-se e começa a encoxar sua bunda. daí começa um outro jogo do lado de fora, uma disputa para achar um jeito de acariciar ou encoxar minha esposa, enquanto ela tentava dar atenção e satisfazer a todos, eu estava bem ali atrás observando a cena de pau totalmente duro. meu chefe mais safado de todos baixou as alças da camiseta dela, mostrando a todos aqueles deliciosos peitos macios e durinhos, que foram disputados pelas três línguas ávidas a mamá-los, encostados numa parede no terraço a céu aberto, a uma altura equivalente a seis andares, eu era a única testemunhas do que rolava ali. agora encostada no gradil do terraço, seu short estava sendo tirado mostrando a todos aquela bela bunda, e uma linda calcinha de cor bege, toda enfiada no seu rabo, agora ela estava nuazinha entre eles, então a pegaram no colo, e a levaram em direção a sala de jantar, passando por trás da sala de tv aonde os convidados assistiam ao jogo, era lá que pretendiam devora-la, eu os segui. suas roupas haviam ficado espalhadas no terraço, então tiraram à calcinha dela e deixaram apenas de tamanco, a colocaram apoiada de costas na mesa, e então vi a primeira rola ser enterrada na buceta da minha esposa, só não consegui ver de quem era, e se a conheço bem sei que deveria estar totalmente molhada e ávida por rola. nesta altura todos já estavam pelados e os outros dois, ficavam com suas rolas na frente da lúcia, e ela ficava masturbando uma, e mamando a outra, revezando entre elas enquanto era comida pela terceira. pouco depois o segundo toma o lugar do primeiro na buceta de minha esposa, e todos trocam de posição, eles conversavam e riam entre eles, inclusive minha esposa parecia falar de suas preferências sexuais. mudei de posição e pude ver que agora quem fodia minha esposa era meu chefe, o terceiro a experimentar sua buceta naquela hora. ela sorriu e percebi que combinavam algo, foi quando meu chefe passou cuspe na cabeça da rola e no cú dela, começou a fode-lo, quando por instantes minha esposa fez cara de dor, mas apenas reduziu os movimentos nas outras rolas que mamava e continuou a receber a terceira em seu rabo. começaram os movimentos de vai e vem, e minha esposa se revelou a prostituta que se tornou, curtindo cada centímetro de rola levado no seu cú. vendo o desempenho de lúcia os três começaram a revezar em seu rabo, eu já estava preocupado achando que ela não agüentaria aquela curra, mas vi perplexo um após o outro arrombar seu cú, já quase acabando o primeiro tempo do jogo, como toda puta que se preze, minha esposa se ajoelhou entre os três, e pediu para beber toda a porra deles, e de novo começou, um após o outro a gozar no lindo rostinho da minha esposa, ela ficou tão melada do sêmen daqueles caras, que seus cabelos, rosto e seios eram pura porra. final do primeiro tempo na sala de tv e a levaram a suíte do apartamento para que tomasse um banho, e percebi pelos gestos que já deixaram marcado o segundo tempo para daí a quinze minutos. no terraço encontrei sua camiseta, e short, apenas a calcinha e o tamanco haviam ficado nela. peguei tudo que havia dela no terraço, guardei num canto e fui para a sala de tv como se nada soubesse e até bebi com meus falsos amigos que pareciam muito satisfeitos com minha esposa em campo. conhecendo melhor o apartamento e plano de retorno deles ao mesmo local consegui antecipar-me e achei um lugar de onde podia ver e ouvi-los sem ser notado. assim que o jogo recomeçou os três safados voltaram à sala de jantar encontraram minha esposa, que se não fosse uma vagabunda poderia ter ido embora depois da curra anal que levara, mas ao invés disto estava enrolada em uma toalha a espera de seus estupradores, vendo a cena eles rapidamente se livraram das roupas e partiram para cima dela, arrancando-lhe a toalha e expondo seu corpo nu começaram nova disputa com carícias diversas as parte do seu macio corpo o filho do meu chefe começou a chupar sua buceta que estava deliciosamente depilada, então finalmente pude ouvir a conversa deles com ela, perguntaram e ela já tinha provado uma dupla penetração, ela riu e disse que sim, que seu marido, eu no caso, adorava, com esta resposta o filho do meu chefe deitou-se no chão e lúcia sentou em sua rola cavalgando-o com sua buceta, enquanto o outro rapaz posicionou-se atrás dela, e foi enfiando a rola no seu cú já arrombado. minha esposa gemia e curtia cada minuto da enrabada, com muito tesão e com um leve sorriso no rosto sentia as duas rolas encontrarem-se dentro dela. aproveitando o rebolado dela, eles metiam e fodiam com força, enfiando e tirando suas rolas duras e grossas de dentro da minha deliciosa esposa, ela gozou uma, duas vezes e na terceira eles anunciaram que também iriam gozar, ela implorou que não gozassem dentro dela, pois não estava tomando nenhum tipo de anticoncepcional, o que é verdade desde que eu fiz vasectomia, ela não se preocupou mais com isto, mas não adiantou e só serviu para eles aumentaram o ritmo das estocadas e em segundos ela teve sua buceta e seu cú inundados de porra e conseqüentemente espermas em grande quantidade. ainda com o corpo adormecido, resultado dos vários orgasmos que teve e ainda com as coxas meladas com a porra deles que escorria, foi à vez do meu chefe aproveitar-se de minha putinha, colocando-a de pé e encostada numa poltrona, abraçou-a de frente e beijou-a na boca, depois enfiou de vez a rola em sua buceta, a porra dentro dela servia como lubrificante fazendo a rola dele, que era bem grossa, deslizar suavemente para dentro e para fora, o filho do meu chefe parecia mais interessado no resultado do jogo, mas o outro já se masturbava e passava sua rola pelo corpo da lúcia para deixá-la dura de novo. meu chefe tarado dizia no ouvido dela que ela já estava cheia do sêmen do filho e que agora era a vez do pai enche-la, ela chorava e implorava que não, mas ao mesmo tempo continuava trepando agarrada a ele, que a segurava pela cintura. logo meu chefe, urrando de tesão, jorra à vontade dentro da buceta dela que chorava e gemia num misto de preocupação e tesão. eu como um bom corno já tinha gozado umas duas vezes na punheta, pois nunca havia visto a lúcia foder deste modo, sem limites. minha esposa sentou-se na poltrona para se recuperar, agora já eram duas rolas a inundar de porra sua buceta, e ainda faltava à terceira. na sala de tv o jogo do brasil já estava no fim, mas na sala de jantar a curra parecia não acabar nunca, pois o outro rapaz já estava passando a rola dura no rosto dela que começou a pagar um boquete junto com masturbação, daí eles invertem a posição, o rapaz senta-se na poltrona e minha esposa no colo dele com a rola enfiada até o talo, não acreditei no que estava vendo, minha adorada esposinha estava levando à terceira rola na buceta no espaço de meia hora, esta era a melhor posição da tarde, pois ao mesmo tempo em que levava a vara ela podia beijá-lo na boca e ter seus peitos mamados por ele, eu tinha a visão perfeita da rola dele entrando e saído da buceta da minha esposa, que era firmemente segura por ele pela cintura, apesar da trepada estar perfeita eles não poderiam demorar, pois o jogo já estava nos cinco minutos finais e quando acabasse o pessoal logo se espalharia pelo apartamento, não sei se pela posição ou situação, mas a verdade que foi só eu pensar no assunto, e o rapaz anunciou seu gozo e desta vez minha esposa já não implorou como das ultimas vezes, simplesmente relaxou, apertou os ombros dele com os dedos e fechando os olhos sentiu a porra dele bater em seu útero. ela ainda meio zonza foi levada novamente para a suíte a fim de se recompor, os homens vestiram-se rapidamente e foram para a sala de onde se ouviam as comemorações da vitória da seleção brasileira. estava terminada a curra, minha esposa foi estuprada e comida por uma hora e meia, teve seu cú e buceta arrombados e inundados de porra por três homens, sendo um deles meu chefe. sai do meu local privilegiado e fui até a suíte levar as roupas para minha esposa que estava no banho, disse a ela para me encontrar na sala após se vestir. fui para sala juntar-me aos outros e o clima de confraternização era geral, um dos estupradores, o dono do apartamento, veio falar comigo, perguntando pela lúcia e dizendo para nos servirmos dos comes e bebes que estavam sendo oferecidos. logo minha esposa chegou de banho tomado, cabelos molhados e uniformizada parecia um anjinho, nem de longe lembrava aquela vadia que eu assisti trepar com três caras ao mesmo tempo há minutos atrás. servimo-nos e fomos para o terraço apreciar a vista, ela com um sorriso malicioso no rosto perguntou-me se não havia sentido a falta dela e começou a contar-me o que tinha rolado com ela, interrompendo-a falei que tinha assistido a tudo de camarote e gozado duas vezes na punheta, ela não acreditando deu-me um beliscão no braço chamando-me de corno e tarado. ficamos até por volta de 16:00 hr por lá conversando com o pessoal, inclusive com os três tarados e depois fomos para casa aonde ainda deliciei-me com a buceta ensopada da minha esposa, que provavelmente durante todo o dia de hoje ainda continuará melada com a porra daquelas três rolas que levou ontem. esta com certeza foi uma das nossas mais ousadas aventuras, se não tiver sido a mais ousada delas, principalmente quando ela percebeu que fez aquela famosa posição sexual que está em moda nos filmes pornôs atualmente, chamada “ do cú para boca” pela primeira vez em sua vida.
alberto – albluci@bol.com.br