RSS contos eroticos

Conto Erotico Minha Esposa, eu e um casal...

minha esposa e eu nos amamos muito. ela é 16 anos mais nova, tenho 48 e ela 32. nossa história é real e deve ser lida por pessoas o bem   que desejam variar. depois de um  certo tempo, uns dez anos de casados, começamos alguns brincadeiras... compramos roupas  sexy e brinquedos. tínhamos dois vibradores , para dizer a verdade eu tinha o sonho absurdo que ela me obrigasse a deixá-la introduzir em mim, mas logo me envergonhava só de  pensar nisto, pois sou hetero convicto. sonhava que ela dissesse assim: _ se você não deixar ao menos eu tentar enfiar em você, também não deixo mais você fazer em mim.. aí eu relutaria por um ano, para deixar claro que não é certo, e finalmente a deixasse por ao ter outra saída... certo dia ela simplesmente me lubrificou, me seduzi u e introduziu em mim... foi um tanto  desconfortável, mas foi muito excitante. hoje ela me possui a hora que deseja, e o que era um excitante desconfortável, ficou confortável e praticamos regularmente. acreditava que tínhamos atingido o auge da sacanagem, dentro do amor e o respeito... doce ilusão... nós sempre brincamos de imaginar coisas absurdas, que nunca vão acontecer. por isto mesmo escachamos nas besteiras, pois não somos admiradores de orgias e libertinagens, sendo vistos apenas em filmes eróticos. , também não somos santos. mas sabemos os limites. dentro de nossas fantasias dos momentos  íntimos, ela  sempre brinca, bem na hora que estou muito excitado, ela sugere estarmos com um belo casal, o homem a come na bunda, uma bela bunda por sinal, e nessa hora  ela adora e sorri com muito prazer pra mim...   ela descreve uma cena aonde a mulher faz oral comigo gostoso, e ela faz no homem. atinjo o gozo na mesma hora, é loucura.. tudo isto é irreal e  um tempero ótimo, simplesmente pela segurança nossa, protegidos em casa,  e por nos  amarmos e ter um lar sólido e três filhos. fomos passar um fim  de semana em uma cidade turística, fazia tempo que queríamos, mas a vida  não é fácil, somos classe média  padrão e o dinheiro ... à noite, a dona  da pequena pousada nos convidou para ficar na sala, onde havia uma tv e outro casal assistindo um filme.   nos conhecemos e conversamos muito. um casal legal, alegre e contamos os nossos dia a dia.  eles viajariam no dia seguinte. minha  esposa  e a esposa do mario (nome fictício) foram ao nosso quarto ver os bordados que ela tinha comprado e ficaram uma hora, mulheres e seus bordados... nos despedimos e voltamos ao nosso quarto. percebi minha mulher tensa  e ansiosa... ela desabafou que o outro casal se parecia muito conosco, inclusive brincavam de narrar cenas de swing como nós. fiquei comum vazio na hora, um grande desconforto e fui para cama. ficamos deitado em silêncio. minha cabeça fervilhava, quando ela disse que ambas estavam dispostas a se reunir  e ver o que rolava.   mulheres...   mario era simpático e boa pinta,  heleny (nome fictício) era um tesão tipo pequena . regulavam 40 anos de idade. tive uma idéia: sugeri um encontro apenas para uma troca de assunto sobre swing. minha mulher aprovou   ligou para eles vir ao nosso quarto dentro de  20 minutos. fomos tomar banho e minha esposa me questionou porque estávamos tomando banho de novo!? era só para papear  rs. eles chegaram, começamos a conversar sem medos, dividir nossas fantasias... foi mito prazeroso, pois eles também nunca se propuseram a fazer, como nós, os mesmos medos, os mesmos desejos e as mesmas curiosidades... na brincadeira nos elogiamos, elogiei a heleny, disse que ela era sensual e deveria sem prazeroso transar com ela... minha esposa aproveitou e disse o que talvez quisesse  dizer desde o primeiro momento: - a é assim, então saiba que deve ser bom demais dar  para o mário “se dirigindo a ele” . todos sorrimos, porque não havia clima de perversidade e comecei relaxar.   na hora de nos despedir, brinquei:   o que fazemos agora?   todos riram baixinho e minha mulher sugeriu:   -vamos apagar a luz!   ficou tudo escuro,  e quando  foi se formando a silhuetas no quarto notei minha esposa e mario se tocando, foi estranho mas logo comecei  beijar heleny,   por algum tempo tentei me concentrar no que estava  acontecendo, fique tenso, ela percebeu e disse que se sentia assim também e comecei a retomar o clima.   olha, foi muito estranho, ora me excitava e ora perdia o clima, mas heleny sussurrou para não demonstrarmos  o que rolava conosco  na hora, para não ficarmos por baixo, mesmo porque minha esposa parecia estar transando, sentada no colo dele, perguntei: - eles estão sem roupas? ela também não sabia, e nos beijamos para nem querer saber. mas queríamos saber... minha esposa sussurrava  do mesmo modo como fazia  comigo, já estariam sem roupas? ou estavam nas preliminares? na o queríamos ficar tentando olhar, pois estava escuro. nos levantamos e fomos tomar um vinha na sala ao lado. ascendemos o abarjour e começamos novamente. heleny começou a fazer oral em mim, my good, isto ela era mestre. nos descontraímos... creio que batemos sintonia no oral. minha esposa chegou nua bem lentamente, falou baixinho: - vim pegar o vinho, e voltou... ficamos ali uns dez minutos em cima do sofá e comecei a fazer oral nela – modéstia parte, é onde me sinto mais garantido, uma vez que meu pênis é tamanho médio e sei que elas se impressionam com isto. ela gostou, sei disso, tanto se que minha esposa e mario fizeram silêncio para ouvir os suspiros de heleny. demos uma pausa técnica, ele me beijou muito e gostou do carinho que fiz. me senti seguro.  voltamos para o quarto , porém deixamos o abarjour aceso para ver o que rolava. transamos bastante e pedia ela para fazer no bumbum. ela consentiu, só pediu que eu tivesse carinho , pois ela era miúda e delicada. enfiei na bunda dela gostoso, fiquei uns 10 minutos . a essa altura já dava para ver o quarto e o que rolava. para ver com detalhes não dava  muito bem. vi minha esposa fiar de 4 enquanto mario se ajeitava. não fiquei olhando fixo, mas percebi que ele estava com dificuldade para se posicionar, talvez , enquanto ela esperava com o rosto virado para o outro lado, acho que ela sabia que eu estava comendo a bunda da heleny... sei lá. minha mulher falava baixinho: - devagar... aí aí, devagar... heleny e eu começamos a transar de  lado, aí poderíamos ver bem nossos parceiros. definitivamente começaram a transar de 4, eu via  ele tirar e enfiar sem parar, até ouvia bater o pélvis dele contra a grande bunda dela  ela. heleny cochichou comigo que fazia anal com o mario pouquíssimas vezes, porque o pênis dele era muito grande. e não rolava mesmo, de vez em quando só brincavam. olhei fixamente e pude ver,não claramente o pintão dele entrando e saindo, mas não podia ser , era muito grande mesmo. deduzi que a minha fantasia de ver  minha mulher ser enrabada não seria dessa vez. ficaram transando por uns 15 minutos sem parar. ela gemia de um modo diferente ,certamente para me provocar... parecia uma égua. ele gozou nela, pois a hora que pararam eles se limparam. começamos a rir sem graça e constrangidos. de relance vi o pinto dele mole, era um animal, desproporcional. entendi o gemido dela, como era que ela agüentou... ela é  grandona. eles se retiraram carinhosamente, nos despediríamos  cedo. fomos tomar banho e conversar sobre. minha esposa pedi u um oral igual ao que fiz em helleny – mexi com a vaidade dela rsss fiz o que ela ordenou, ela disse que foi a melhor chupada da vida dela. (era o clima rs). ela me perguntou se minha fantasia foi bem realizada? eu disse que sim. ela afirmou que fez aquilo por mim. eu agradeci o esforço: - vi o pau  dele, imagina aquilo na bunda? a safada desabafou: _ amor, aonde acha que ele botou? o que??? deixa eu ver isto! coloquei ela de 4 e meti na bunda dela. estava literalmente arrombada, bem laçeado mesmo, como nos filmes pornô. devo admitir que foi tão excitante quanto estranho. ela me confessou que o mario é muito carinhoso , mas  também titubeou  bastante. todos nós vacilamos e houve um momento que  e ela queria sumir... e reaparecer.. foi tão natural que faz 6 meses. quando fazemos amor narramos detalhes do que houve... é delicioso. vamos nos encontrar em dezembro, vai ser melhor,. nosso amor está show, nos amamos muito mais. creio que tivemos sorte. pra nós, só se for como rolou, pois teve respeito e não libertinagem. vai de encontrar parceiros certos. paulo brent1@bol.com.br