RSS contos eroticos

Conto Erotico Viagem de fim de semana ii

Viagem de fim de semana ii (continuação do conto num 16851)
depois daquela viagem maravilhosa com a maa no meu carro onde aconteceram cenas inesquecíveis, no sábado pela manha,já na nossa chácara recebemos um telefonema e era para marido da maa, amiga de minha mulher. como ele trabalha com serviços terceirizados tinha de ir atender um problema grave e tinha de voltar para sp. discutiu-se dali e daqui e conclui- se ( com minha imparcial ajuda....) que ele voltaria e maa deveria ficar para aproveitar o fim de semana, com a gente.
assim ficamos mais à vontade e a todo momento que dava uma brecha eu não perdoava e lascava um beijo ou uma passada de mão na maa. por sorte meus filhos resolveram ir dormir na casa das tias, onde poderiam se divertir mais com meus sobrinhos.
a noite, fomos para o quiosque queimar um churrasquinho e começou a rolar o whisky, caipirinha, etc e tal.elas não paravam de reclamaram do calor e maa provocou a situação abrindo sua blusa o que acompanhou minha mulher, e sutilmente eu via tantos os seios de minha mulher qto de maa que ficavam a amostra. bebíamos a vontade e percebi que já estavam ficando bem alegres . estava ótimo!
a conversa girava em todos os assuntos, sendo que de repente surgiu a idéia da minha mulher de tiramos fotos imaginarias como se fossemos modelos e lá fui eu buscar a máquina fotográfica, que na realidade estava municiada, mas fiquei na minha..
minha mulher começou fazendo a primeira posse, encostada no beiral do quiosque, colocou-se de forma exuberante mostrando as pernas e seus seios ficavam amostra e tirei sua foto.colocando-se no mesmo lugar a nossa amiga maa fez a mesma pose porem para a foto ficar mais insinuante e provocante abriu o zíper do short o que deixou a mostra a parte de baixo e isto provocou minha mulher que alem de repetir a posse, cada vez se tornava mais ousada e dali para a frente as posições começaram a se evoluir, a ponto de tirarem fotos se abraçando e depois se beijando e chamaram-me para tirar foto ora beijando minha mulher , ora beijando a maa o que para mim era uma maravilha. as posses foram chegando a tal ponto que no final estavam tirando as roupas ficando nuas, ora uma beijando a outra, ate que chegaram as posses de uma ficar chupando os seios da outra ...
a excitação estava geral e eu não estava entendendo minha mulher se posicionar daquela forma.. e eu que havia me esforçado tanto durante a viagem para ter o prazer de sentir a maa, ainda fazendo mil malabarismos para que minha mulher não visse nada. as cenas continuaram cada vez mais provocantes e começaram a se tocar na buceta e perceberam o qto meu pau estava duro de tesão.minha mulher não resistiu. de pé na beira do quiosque puxou a maa para sua frente, dando um beijo em sua boca, forçou para baixo de forma que pudesse ficar na frente da sua buceta, a qual ela estava abrindo com as mãos e maa prontamente passou a chupa-lá.eu fiquei louco de tesão. era a primeira vez que via uma cena daquela e sendo feita pela minha mulher. não dava para resistir.
- isto amor, lambe tudo, devagar, bem devagar, com todo carinho que vc sabe como deve ser. sempre quis ser chupada por uma mulher, dizia minha
mulher!.
a cena era fantástica. eu me posicionei abaixado atrás de maa e comecei a passar a mão em sua buceta e com toda a vontade e tara que eu tinha por aquilo enfiei os dedos lá no fundo.
- gostosa, dizia eu. vou te fuder também .
trocamos de posição, maa ficou de pe e minha mulher começou a chupa-lá e eu me coloquei atrás da sua bunda e comecei a chupar aquele cu maravilhoso.
deitei na mesa do quiosque e de pau duro as duas começaram a chupar meu cacete, ora se beijavam na boca e se acariciavam e me acariciavam..
minha mulher veio deitar na mesa e abrindo as pernas ofereceu sua buceta para nossa amiga que foi chegando por cima e foi colocando sua buceta na buceta da minha mulher que abria a mesma com as mãos. ficaram se fudendo. era a coisa mais linda que eu tinha visto. ambas bucetas, de leve, com muito carinho se tocavam e seus clitóris pareciam que iam saltar para fora....se tocavam nos seios, se beijava, se acariciavam.fui me colocando por traz da maa que estava sobre minha mulher e coloquei minha vara entre suas bucetas e ai os gritos e gemidos foram imagináveis.estávamos masturbando em um movimento carinhoso, delicado, com toda leveza que era possível...com minha mulher deitada na mesa de pernas bem aberta e com suas mãos abrindo tudo que podia da sua buceta, maa encostava a sua e suas mãos acariciava todo corpo da minha mulher e ainda se beijavam. eu por traz, enfiava o pau entre suas bucetas....
- que coisa linda.gostosa, amor, passa esta vara. maa passa esta bucetinha gostosa na minha. estou a pronto de explodir, gemia minha mulher!
- meu tesão como vc é gostosa, lisa. que vara maravilhosa tem seu macho. quero ser fudida por ele gritava a maa para minha pessoa.
- vou comer seu cu, maa, relaxa que estou enfiando,disse eu, retirando meu pau entre as bucetas e apontando para aquele cu que eu estava a ponto de explodir.fui enfiando a minha vara cada centímetro e sentindo como estava apertado, lubrifiquei meu pau com a porra que ambas soltavam de suas bucetas e fui enterrando muito de leve e de forma paciente, de maneira que minha vara entrava aos pouquinhos sem causar dor. eu não queria estragar aquele momento !!
-que coisa sublime,como sabe comer um cu! como fode. que vara dura e grossa!!. fode, fode dizia maa virando o rosto para o meu e colocando sua
boca de forma que eu a beijava.
- vou gozar, vou gozar, que cena maravilhosa. que tesão,ai,ai,ai. quero sua vara depois amor também no meu cuzinho.estou esporrando, gritava
minha mulher.
maa também não resistiu e gritou estou gozando, me fode.... abaixando-se em seguida, mantendo meu pau no seu rabo, passou a chupar minha mulher engolindo toda a porra que descia e ainda enfiava um dedo no seu cu da minha mulher e outro na sua buceta.
- que foda.que foda, que tesão, que gozo , que esporrada, dizia minha mulher..
maa tirou sua boca da buceta da minha mulher e foi se encostando na mesa.meu pau saiu do seu cu e ela deitou na mesa de frente, abrindo suas pernas ficando com aquele cu virado para meu pau sendo que desta vez estando ele todo lubrificado foi entrando naquele cu de uma só vês.
minha mulher começou beijar a maa e desceu ate sua buceta e começou a chupa- la e ela gritava .
- me fodem meus amores, minha putinha, meu garanhão; que satisfação ver minha minha tara, minha fantasia de prostituta....
- fode, dizia eu para maa, abre este cu! quero este cu! vou fuder este rabo sempre e depois da minha mulher,goza tesão, paixão.
eu dei uma esporrada total naquele cu.eu gozava , gemia, gritava e socava minha vara sem perdão naquele cu.
tirei o meu pau e só descia porra.minha mulher passava suas mãos pelo seu corpo. maa foi ate a toalete,seu cu esporrava...
deitei no chão do quiosque e minha mulher me acompanhou, olhando-me e dizendo...
- vc é um sacana, não perdoou nossa franqueza e foi nos fudendo sem constrangimento e sem saber da minha reação. já pensou se eu não
concordasse com os acontecimentos que foram surgindo e começasse um escândalo?
- amor, disse eu, ao que me parecesse vc realizou sua fantasia e eu a minha. eu sempre quis fuder sua amiga e não aquentava de tesão por ela. vc ao
meu ver desejava um sexo diferente, não sei se com outra mulher, mas aconteceu...
maa entrou na conversa.
- da minha parte sempre quis ter um programa diferente. aconteceu, melhor do que eu esperava... eu também queria ter uma aventura desta.
como vcs devem imaginar, outras ocorrências voltaram acontecer na chácara.lógico que depois do primeiro acontecimento, dali em diante eu não tive mais como ficar a sos com nenhuma dela e elas também não tiveram este privilegio. estávamos com ciúmes de sermos passado para trás um pelo outro, o que conversamos a respeito para que não viesse acontecer e pudéssemos sempre nos divertir a três...
volto a contar os outros acontecimentos, mas o que valeu foi este primeiro, já que eu estava louco para ter a maa e quem proporcionou isto foi minha mulher. estranho não. eu também achei e aos poucos a gente chega la... ate +.