RSS contos eroticos

Conto Erotico Com 12 anos no quartel parte2

meu nome é maurício e conto aqui minha primeira experiência ocorrida aos 12 anos.minha família sempre foi composta por militares e com isso era uma família muito repressora, nessa época já sentia atração pelos meus coleguinhas mas ainda ñ tinha experimentado nada.era inocente mesmo.nas férias de dezembro meu pai me matriculou na colônia de férias de um quartel da marinha aqui no rio de janeiro na avenida brasil onde meu tio, marido da irmã dele trabalhava como enfermeiro.fui matriculado junto com o filho desse tio q tb tinha 12 anos como eu.meu pai achava q seria bom pq eu e meu primo poderíamos passar mais tempo juntos e como meu tio levaria e buscaria a gente todo dia ñ teria problemas... e assim lá fui eu pra colônia de férias só de meninos!!q beleza...tomar banho junto com um monte de garotos era muito bom...mas ñ foi com nenhum moleque q aconteceu minha primeira experiência.cada turma tinha um monitor, q era um sargento ou um cabo responsável por comandar as atividades que faríamos naquele dia.na nossa turma o responsável era um cabo chamado barreiros.barreiros era um negro alto magro q usava uma farda com calça azul e camisa de malha branca.tinha braços fortes e pela calça dava pra ver um volume enorme.sempre q tinha atividades de piscina ele aparecia com uma sunga preta q deixava ver um pau imenso.eu ficava sempre olhando o volume dele e acho q ele percebeu, pois um dia numa partida de futebol onde fiquei como reserva ele me pediu pra ajudar a pegar as garrafas dagua no vestiário.fui com ele e lá onde estavam as garrafas senti q o barreiro ficou coçando o pau como se estivesse exibindo.é claro q eu olhava sem parar até q ele perguntou: quer ver? eu disse quero...abriu a calça, arriou a cueca e me mostrou a piroca preta ainda mole.era muito grande e grossa.com muito custo ele me convenceu a chupar, pois eu ñ sabia q pica se colocava na boca e ajoelhei pra mamar...lembro até hoje do cheiro da piroca...a cueca estava suada e tinha cheiro de mijo.o pau tb estava suado.tive nojo mas ele forçou minha cabeça contra os pentelhos enroladinhos e ñ tive outra chance a ñ ser mamar a verga.
ele me ensinou como fazia pra ñ machucar o cacete e assim eu chupei.era salgado o gosto do piru por causa do suor e depois de duro ficou muito grosso.a cabeça da pica era roxa e muito grande e chegava a machucar minha boca pois ele colocava com muita força.depois de algum tempo mamando ele tirou o pau da minha boca e punhetou gozando na parede.eu fiquei surpreso pois ñ conhecia porra ainda.assim durante alguns dias ele sempre arrumava um pretexto pra me levar a algum lugar escondido pra mamar na pica.com o passar dos dias ele começou a gozar na minha boca e depois de uma semana pediu pra comer meu cu no vestiario.foi no chuveiro com muito sabonete no olho do cu q levei a tora preta do negão no rabo.doeu muito fiquei todo ardido e depois tive febre e tudo.como ñ estava bem fui levado na enfermaria do quartel onde meu tio veio me atender.me examinou a garganta e viu q minha garganta tava muito inflamada.talvez pela pica grossona q o negão socava e pela quantidade de porra q ele gozava na minha goela e me obrigava a engolir todo dia.meu tio ficou meio desconfiado, mas ñ falou nada.
esse meu tio era um cara moreno muito gordo tinha mais de 100 k e era um cara muito marrento.ele ficou me infernizando com essa história durante um tempão até q um dia ele disse q tinha descoberto tudo e ia contar pro meu pai.eu como era inocente chorei muito e pedi a ele pra ñ contar q eu ia apanhar e nunca mais ia fazer aquilo.ele ñ sabia de nada apenas jogou aquela pra eu cair assim como aconteceu.chamou o barreiro pra conversar já q eu tinha confessado q era ele o culpado.o barreiro falou q eu é q tinha pedido pra mamar e q pedi pra ele comer meu cu porque eu já tinha dado pra um monte de amiguinhos meus.
porra, meu tio ficou puto, me batia e me chamava de viadinho, até q por fim abriu a calça e botou pra fora uma rolinha pequenininha e grossona e me obrigou a mamar tb.
chupei a rola do meu tio enquanto o barreiro botava o dedo no meu cuzinho.meu tio me levantou, me colocou deitado na maca da enfermaria e colocou a piroquinha no meu cuzinho enquanto eu chupava a benga fedida do barreiro.fui fudido pelos dois ali na enfermaria por um bom tempo até q gozaram na minha boca.depois do horário da colonia de ferias tinhamos q esperar meu tio trocar a farda pra poder voltar pra casa.nesse dia eu e meu primo fomos com ele a um alojamento onde tinha um montão de armarios e um banheiro enorme vazio.meu tio falou q era pra gente tomar banho antes de vir embora e fomos os três eu ele e meu primo pro chuveiro.no meio do banho meu tio mandou eu me abaixar e chupar o piru dele.eu fiz.meu primo ficou assustado mas o pai disse vem cá filho, bota o pinto pra esse viadinho chupar.virei pro meu primo com o pintinho durinho ainda quase sem pentelhos e botei o cacetinho na boca.meu tio agachou e coimeçou a botar a caceta grossa no meu cu inchado.fui fudido de novo no chuveiro por ele enquanto mamava o caralhinho duro do meu primo.depois invertemos a posição e meu primo botou no meu rabinho pro pai poder gozar na minha boca.meu tio era sacana e muito marrento, gostava de me humilhar me chamando de bicha, de viadinho, essas coisas.depois de gozar minha cara e ainda no chuveiro, me segurou pelos cabelos e mijou minha boca pra mostrar q ele era macho.durante muito tempo fui escravo desse meu tio e do meu primo para evitar q eles contassem ao meu pai q eu gostava de dar cú.hoje em dia sou militar tb e dentro do quartel ainda faço muitas putarias q depois conto.