RSS contos eroticos

Conto Erotico O começo aos 10

oi, resolvi contar as coisas que aconteceram comigo, vou começar pelo inicio, qdo eu tinha 10 anos e descobri o sexo com muita intensidade. em 1987 eu e minha mãe moravamos num pedio no centro de sao paulo, meu pai morava em outra cidade. não tinha muitas crianças la, mas eu tinha muita amizade com o Rafael, ele tinha 13 anos, quase 14, e a gente brincava muito pelas escadas, garagem e outros lugares do predio, que não tinha um local pra atividades infantis. eu tinha 10 anos, branco, levemente moreno, cabelo castanho bem claro e meio cumprido, não era magro mas tambem não era gordinho, tinha o corpo bem lisinho e bem torneado. algumas vezes o Rafael se escondia e logo eu descobri que era pra bater punheta, qdo eu o encontrava ele parava, ficava com vergonha e eu sempre querendo saber o que ele tava fazendo. mas com o tempo ele começou a deixar eu ver ele se masturbar, achei aquilo o maximo, ele tinha pelos em volta do pinto, que era muito maior que o meu, hoje eu calculo que não passava de uns 14 cm. mas pra mim era enorme e grosso, e logo eu achei interessante, afinal eu ficava com meu pinto duro tambem, mas tinha vergonha de tirar e ele ver que era tão pequeno, mas em casa eu batia punheta tambem, só que não gozava. eu curtia ver quando ele gozava, aquele leite branco em varios jatos, um dia ele gozou e saiu, eu fiquei por ali e pessei o dedo no gozo na escada, era diferente, senti o cheiro e achei bom, sempre que ele gozava e saia eu passava o dedo pra sentir aquele cheiro outra vez. mas eleera malandro e ficava me espiando, ele mesmo me disse isso depois. lembro que um dia a gente tava escondido nas escadas do predio e ele disse uqe queria bater punheta, até ai normal, mas ele veio com um papo que tava com dor na mão e que não conseguia bater com a outra mão, até me convencer a bater pra ele,eu lembro bem quando ele foi gozar, sento o pau dele tremer na minha mão e ele mandava eu não parar, até gozar bastante. Nessa gozada ele sujou minha mão, eu queria sentir o cheiro mas não ia fazer isso na frente dele. foi ai que ele perguntou se eu não ia cheirar, como eu fazia das outras vezes. Meio com vergonha eu cherei mas ele começou a insistir pra eu esperimentar, por na boca, eu senti nojo, mas dou vontade de fazer, como ele insistiu muito eu resolvi esperimentar e passei a mão suja de porra nos labios tocando com a ponta da lingua. Não gostei muito na hora, achei estranho o gosto e fiquei cuspindo no chão. num outro dia o Rafael foi alem, disse que tinha um jeito mais gostoso de gozar e que ia gozar muito mais, eu logo fiquei interessado e ele me convenceu a chupalo, comecei com um poco de resistencia e muito sem jeito, mas fui melhorando e ele não avisou que ia gozar, quando percebi ele tava enchendo imnha boca de porra e eu fui logo cuspindo, aquele gosto ficou um bom tempo e ele ficou bravo,dizia que eu tinha que engolir mas eu não tinha coragem. dessedia em diante eu o chupava sempre e sempre falava pra ele não gozar na minha boca, mas ele sempre gozava. Até que fui me acostumando, mas ainda não tinha coragem de engolir. minha mãe trabalhava e deixava algumas coisas pra eu comer, tinha um vizinho muito legal, tinha uns 35 anos e sempre me ensinava as coisas da escola, na verdade ele e minha mãe ja tinham namorado e ficaram muito amigos, ele trabalhava a noite e ficava o dia inteiro em casa e sempre que eu precisava de alguma coisa ele dava um jeito, ele era o pai que eu não tinha. um dia eu cheguei, almoce e desci pra encontrar o Rafael mas ele não tava, fui até o zelador, que tambem era porteiro pra seber se ele tinha visto o Rafael, ele me falou que o Rafael tinha saido com os pais e voltaria tarde. eu ja ia saindo qdo ele me chamou, mandou eu ntrar na guarita, era uma especie de balcão grande com vidro e tinha uma salinha com mesa e cadeira e uns materiais, pra entrar no predio as pessoas tocavam a campainha e ele abria dali e pra sair o elevador era barulhento e dava pra saber se alguem tava descendo. Eu só sabia o que ele queria. Ele mandou eu sentar na cadeira da salinha e ja foi falando co um jeito meio bravo: -Eu to de olhe em vc e no seu amigo, eu sei o vcs tão fazendo! eu fiquei apavorado e não sabia o que falar, elecomeçou a ameaçar de contar pra minha mãe epros pais do Rafael, ficava cada vez mais bravo e falou tudo que a gente fazia. ele tava em pé, encostado na porta da salinha e eu la dentro sentado, não tinha como sair. Ele tinha como ver a porta do predio eo elevador mas quem passace ali não ia me ver na salinha pq o balcão era alto. eu comecei a chorar meio contido, ele falava que não adianteva eu chorar, que ia contar pra minha mãe e até que ia me dar uma surra. ele mandou eu pora a cadeira perto da porta, bem perto dele e sentar, achei que eu ia apanhar, mas ele abriu o ziper da calça e colocou o pau pra fora. ai eu vi o que era um pau grande, tava meio mole e melado, acho que tinha uns 17 ou 18 cm. ainda muito bravo ele mandou eu parar de chorar e chupar o pau dele, eu tava morrendo de medo e comecei a chupar mas ele ficou mais bravo e mandou eu chupar direito, foi falando pra passar a lingua e pra enfiar tudo na boca, por varias vezes ele forçou e eu engasguei, ele falava que eu nem sabia chupar um cacete direito e segurava minha cabeça fodendo minha boca, foi uma eternidade. até que ele falou que ia gozar e que se caisse uma gotinha no chão eu ia limpar com lingua. Qdo ele gozou era diferente, mais denso e com gosto mais forte, mas pela primeia vez eu engoli a porra, toda ela, o que escorreu no meu roste ele mandou eu limpar com o dedo e por na boca, engolindo tudo mesmo. Depois de tudo, ainda mandou eu limpar a cabeça do pau dele com a lingua. eu fui pra casa apavorado e chorei muito, mas ele deixou bem claro que era a condição pra não me entregar pra minha mãe, então dei um jeito dela não perceber nada. depois daqueledia eu sempre chegava da escola e tinha que passar pela salinha do zelador pra engolir a porra dele e ele sempre falava que ia comer o meu cuzinho. Ele ja não era mais tão bravo, as sempre falava firme comigo e qdo tinha alguem perto ele éra bem dócil. eu fui me acostumando a mamar a rola dele e engolir a porra toda e em alguns diaseu tambem brincava com o Rafael e comecei a engolir a porra dele tambem. eu achava interessante a diferença do tamanho dos paus e da porra e sempre perguntava se o Rafael ja tinha feito com mais alguem, mas ele sempre negou. Eu queria saber se o zelador tinha pegado ele tambem, mas isso eu nunca soube. teve um dia que o zelador me encontrou no predio e avisou que tava de folga, que era pra eudisfarçar e ir no apartamento dele. eu fui, e chegando la ele trancou a porta e as janelas tavam com as cortinas fechadas. ele me mndou tirar a roupa e ficar pelado e fez o mesmo. ele tinha uns 40 anos, era troncudo e peludo, um pouco baixo e com barriga. Ficou sentado num sofa com as pernas abertas e mandou eu chupar seu pau e o saco tambem, eram duas bolas grandes e um saco muito peludo. Naquele dia ele disse que não ia gozar na minha boca, mas ia gozar no meu cuzinho. depois que eu chupei bastante e ele tava com o pau bem duro ele foi na cozinha e pegou um pote de margarina, me colocou deitado de bruço com o quadril no braço do sofa pra eu ficar com a bunda bem alta. Abriu bem minhas pernas e lambusou meu rego com a margarina. quando ele esfregou o cacete no meu rego, lambusou o pau dele tambem e foi logo forçando. Na primeira forçada aponta da cabeça abriu meu cuzinho e doeu muito. eu escapei e falei que tinha doído demais. ele mandou eu ficar calmo e tentou denovo, mas doia muito, cada forçada. ele tava meio nervoso e eu ja tava quase chorando, mas ele continuou tentando e falava que ia por só a cabeça, mas não dava, o pau dele era grosso e doia muito. ele tava bravo e me jogou no sofa, mandou eu chupar o pau dele e eu tive que chuparo pau sujo de margarina, mas ele não gozou na minha boca, nesse dia ele tirou o pau de dentro da minha boca e gozou tudo no meu rosto. depois mandou eu passar a mão na porra e por na boca até limpar o rosto. le ainda mandou eu tomar um banho no banheiro dele e quando eu tava me lavando ele entrou e mandou eu sentar no chão, desligou o chuveiro e mijou em cima de mim, molhando todo meu corpo e meu rosto. quando terminou me mandou tomar o banho e ir embora. Naquela epoca eu comecei a ter pesadelos e minha mãe ficou preocupada, logo pediu ajuda pra o João, nosso vizinho e ex namorado dela, como eu gostava muito dele ele poderia descobrir o que tava acontecendo. o João começou a converçar comigo mas eu tinha medo de contar, mas eu confiava nele e ele era muito crinhoso comigo, eu sempre pensava que se fosse com ele seria mais gostoso. pra conquistar minha confiança ele prometeu que não contaria nada pra niguem se eu contasse o que tava acontecendo, mesmo assim eu tinha medo de contar mas um dia eu contei, acabei contando do Rafael e do zelador. eu disse que eu gostava de fazer aquilo com o Rafael e que tinha medo do zelador porque ele era muito bravo, mas que eu tambem gostava de fazercom ele. depois disso passaram uns dias sem o zelador me procurar, eu não sabia se o João tinha falado com ele e nesses dias eu só chupava o Rafael. um dia eu cheguei da escola e o zelador falou pra eu ir no apartamento dele, eu queria chupar ele mas tinha medo. uando eu entri no apartamento ele me mandou sentar no sofa e começou a me pedir desculpa, falou que gostava muito de mim e que queria ser meu amigo, que nunca mais ia se estupido comigo e que só ia fazer o que eu quizesse. eu achei o maximo, fiquei muito contente e ele perguntou se eu queria chupar, eu balancei a cabeça qie sim, ele ficou em pé na minha frente e baixou a calça dando o pau pra eu chupar, ficou fazendo carinho no meu cabelo e falando que eu era gostoso e bonito. quando ele ia gozar perguntou se eu queria que ele gozasse na minha boca e eu quis, engoli toda a porra sem ser forçado. ele sentou do meu lado com o pau prafora e eu fiquei pegando enquanto ia amolecendo. ele começou a perguntar se eu ja tinha foito isso com o João e eu disse que não, ele quis saber se eu tinha vontade de fazer com o João e eu disse que sempre tive, contei que eu ja tinha tentado espiar o João tomando banho mas eu tnha medo dele ficar bravo comigo. Ele me disse que achava que o João tinha vontade de fazer aquilo comigo e que eu devia tentar, falou pra eu abraçar o João e se ele ficasse de pau duro era só baixar e começar a chupar. eu fui logo pro apartamento do João, ele tava de shorts e sem camisa, tinha um corpo bonito peito forte e com pelos curtos, pouca barriga e as pernas grossas. eu reclamei do calor e ele falou pra eu tirar a camiseta, fiquei de bermuda e a gente comçou a conversar. Enquanto ele ia ajeitando umas coisas eu ficava olhando o corpo dele,eçe era mais alto que o zelador e eu ficava imaginando se o pinto dele era maior tb. até que eu tomei coragem e perguntei se podia dar um abraço e ele disse que sim. abracei ele bem forte e fiquei sentindo o pau dele encostado pra cima da minha barriga. ele tb me abraçou e ficou acariciando meu cabelo, eu encostei a cabeça no peito dele mas prestava atenção no pau pra sentir se ficava duro. a gente ficou abraçado um tempão e eu senti que ele ficou com o pau maior. no começo tava de lado as foi mexendo devagar e subindo. Como o João era muito carinhoso comigo eu tive coragem, desci as mãos pelo quadril dele até pegar no elastico do shorts e baixei, deixando o pinto dele pra fora. era maior que o do zelador, só que era menos grosso, tinha um sacão bem grande e pocos pelos. antes dele sair eu abaixei e comecei a chupar, o pau dele ja tave meio dure e ficou muito duro quando eu comecei a chupar. ele deixou um pouco e me fez parar, disse que eu não podia fazer aquilo, fiquei com vergonha e ele ficou me olhando com o shorts abaixado e o pau duro pra fora. ele pensou um pouco e me perguntou se eu quria mesmo fazer aquilo , eu só balancei a cabeça que sim, ele chegou perto denovo e eu voltei a chupalo. O pau dele era muito mais gostoso que o do zelador e eu chupei como nunca tinha chupado. ele começou a avisar que ia gozar e eu continuei chupando até que ele não aguentou, foi tanta porra que eu não consegui engolir e deixei escorrer pela boca. a gente se limpou e ficou sentado no sofa, ele falava pouco e perguntou se eu ja tinha feito mais coisas, eu confirmei que o zelador tinha tentado colocar no meu cuzinho mas doeu muito e não rolou. ele quis saber se eu tinha vontade de sentir um pau no meu cuzinho e eu disse que só o dele. o pau del ja tava levantando denovo e ele me levou pro quarto, tirou toda minha roupa e pegou um potinho de gel. Me colocou deitado de barriga pra cima bem na beira da cama me deixando com as pernas pro alto e bem abertas. com uma mão ele segurava minhas pernas pro alto e com a outra ele começou a passar o gel pelo meu rego, quando passou no meu cuzinho ele enfiou um dedo, ficou mexendo o dedo e relaxando meu cuzinho, depois colocou dois dedos, doeu um pouquinho mas eu aguentei, até me acostumar, meu cu tava bem meldo e ele enfiou tres dedos, primeiro as pontas e depois foi enfiando mais e mais, até me dizer que eu tava pronto. ele passou gel no cacete e veio por traz de mim, segurou minha perna pra cima e aberta e posicionou a cabeça do pau na entradado meu cuzinho, foi forçando devagar, como tava bem melado a cabeça foi escorregando pra dentro e meu cuzinho foi se abrindo, com um pouco de dor, ele ia parando de forçar e depois mexia deixando entrar mais. ele tava calado, olhando o pau entrando no meu cuzinho e eu segurava firmeo lençol e ia aguentando a dorzinha, de vez em quando ele olhava pro meu rosto e sorria, eu tb sorria pra ele. ele começou a forçar e recuar, bem devagar e cada vez mais fundo, eu sentia o pinto dele escorregando dentro de mim e ele ia fodendo devagar, depois mais forte, as vezes eu sentia o saco dele batendo na minha bunda. assim ele me fudeu por um bom tempo, as vezes devagar, as vezes mais rapido, tentava enfiar tudo mas eu sentia a cabeça do pau abrindo la no fundo e ele recuava. eu olhava o rosto dele suado e acara de prazer e ele me olhava sorrindo, até que o pau dele começou a tremer dentro de mim e eu senti ele pulsar bem forte, uma, duas, varias vezes, ele parou de foder, ficou um tempo com o pau dentro de mim e foi tirando devagar, olhando o pau sair, qdo ele tirou o pau todo eu senti escorrer muita porra pelo meu rego, ele ficou olhando e sorriu satisfeito. Eu sentia meu cuzinho piscar e ainda escoria porra enquando ele me fazia carinho. ele pegou uma toalha e me limpou, me levou pro banheiro e me deu um banho carinhoso, mas qdo passou sabonete no meu cuzinho ardeu bastante. naquele dia eu fui pra casa um pouco estranho mas muito feliz.