RSS contos eroticos

Conto Erotico Como eu conheci minha vizinha...

Março de 1995, lembro muito bem, era sábado de um verão chuvoso, ou de um inverno tropical, já que as temperaturas nessa época do ano são bem mais amenas no norte do país, eu tinha acabado de acordar e como de costume, após um banho gostoso, fiz uma vitaminada com diversos ingredientes, dentre eles alguns fortificantes e afrodisíacos, como o caso do amendoim... ...tomei aos goles e fui fazer meu exercício matinal. Coloquei um short de malhação, abri a varanda da sala, liguei o som e me dediquei intensamente a tornear os músculos, embora meu objetivo sempre fora garantir e manter uma boa saúde. Já estava na terceira série do segundo exercício, suado e muito disposto, quando ela apareceu na varanda com seu pijaminha de seda, não tinha dúvida que ela fazia aquilo apenas para me provocar. Sentou na sua famosa espreguiçadeira e se esticou, levantando os braços e encolhendo um pouco as pernas, o suficiente para mostrar sua calcinha vermelha. Não me contive, perdi completamente a concentração, nesse momento minhas repetições já não eram tão importantes e a única parte do meu corpo que trabalhava arduamente era a mente... ...como ela era linda, olhos azuis, pele branquinha como leite, seios deliciosos e fartos, os quais eram retocados com pequenos sinais charmosos e de enlouquecer qualquer homem, sem falar nas torneadas e maravilhosas pernas que ela tinha... ...como eu desejava aquela mulher, como eu queria sentir seu corpo, tocar seus cabelos, ora loiros, ora ruivos, ora negros... ...Fazia muito tempo que ela mexia comigo, me olhava de canto de olho, esboçava um sorrisinho bobo e convidativo e logo baixava o rosto, demonstrando um ar de tímida e recatada... ...eu só queria descobrir o que estava escondido por trás daquele anjo branquinho e de bochechas rosadas... ...a varanda era o seu local preferido, a maioria das vezes ela estava lá, executiva quando chegava do trabalho, à vontade falando ao telefone depois do banho, de noite com um de seus pijamas de dormir... ...eu adorava os de seda, caiam como uma luva em seu corpo, eu podia decifrá-lo, ver suas curvas insinuosas, suas coxas grossas e seu bumbum arrebitado... ...quando estava ventando então... ...eu aproveitava... ...na maioria de suas aparições lá estava eu a observá-la, a desejá-la, sonhando acordado e imaginando o quanto de prazer ela poderia me proporcionar, o quanto que eu gostaria de tocar seu corpo e senti-la em meus braços... Não suportava mais aquela tortura, tudo parecia tão ensaiado, por diversas vezes pude ver suas costas nuas por entre a janela do seu quarto, depois do trabalho, quando ela tirava lentamente sua blusa e me deixava cada vez mais enlouquecido... ...confesso que já havia passado horas no banho, com muito tesão, pensando nela e imaginando que tocava sua pele quente com meu pênis... ...a verdade é que meu corpo reagia rapidamente ao percebê-la ou simplesmente senti-la perto de mim... Eu estava disposto a avançar um pouco mais naquele dia, nós já nos conhecíamos há algum tempo, até o nome dela eu já sabia... ... “Beatriz”... ...embora todos a chamassem de “Bia”... até mesmo aquele “babaquinha” que de vez em quando ia visitá-la e fazia questão de chamá-la alto pelo nome, tinha um ciúme danado daquele “mané’ e inveja por ele já ter tido a chance de entrar naquele apartamento.... Outra característica que me chamava bastante atenção era o seu celular, ela não o largava por nada, e nessa manhã estava com ele em suas mãos a digitar... ...tive vontade de ligar... ...o número eu já tinha, depois de ter lutado e convencido um dos porteiros do condomínio a me passar. Peguei meu iphone, digitei a senha e para minha surpresa uma mensagem havia acabado de chegar, olhei imediatamente para ela, com o desejo e a expectativa de que aquela mensagem tivesse saído de seu smartphone... ...infelizmente era apenas a operadora, oferecendo mais um de seus diversos serviços imprestáveis, tenho que trocar esse chip, pensei... ...mal tive tempo de praguejar a operadora e eu recebo outro alerta, dessa vez era Ela, foi apenas um “Oi” tímido e específico, pouco para uma mensagem, mas que dizia tudo que eu queria saber... ...novamente a fitei com meu olhar de tarado... ...e com um simples gesto das mãos disse que gostaria de falar com ela... ...novamente um som dispara em meu celular... ...“quando quiser...”... Quando quiser? Não consegui disfarçar minha emoção, afinal, a mulher dos meus desejos, após um longo período de troca de olhares e esbarrões pelo corredor, finalmente me dava oportunidade de aproximação... ...nunca fui muito bom nesse jogo da sedução. Mas foi o que fiz... ...aproveitei a chance e me aproximei... ...passamos a trocar mensagens, falar sobre nossos sonhos, desejos e vontades, o clima foi ficando cada vez mais quente... ...até que um dia resolvi ligar... ...coincidência ou não, era um sábado chuvoso... ...finalzinho de tarde e que prometia uma noite maravilhosa... ...ela me atendeu com uma suave e delicada voz... ...“Oi”, exatamente o mesmo Oi que havia recebido há uma semana... ...conversamos, falamos sobre o livro que ela estava lendo... ...mais um ponto em comum, ela lia o mesmo autor que eu, o misterioso e enigmático “Carlos Luiz Zafon”... Eu estava tentando achar uma maneira de ficar mais perto dela, de ir ao seu apartamento, mas não conseguia achar o melhor jeito... ...foi quando novamente ela tomou a iniciativa... “Não gosto muito de ficar falando ao telefone e você está tão perto de mim, não quer vir aqui para que possamos continuar nossa conversa sobre o Zafon?”... ...não é todos os dias que recebemos convites como esses, não titubiei, fui ao encontro do meu anjo... ...não sem antes tomar um belo banho, passar um hidratante no corpo e me perfumar com o “CK One”, o cheiro daquele perfume me remetia a ela e todas as vezes que me pegava sonhando, sentia aquele cheiro inexplicavelmente... ...eu já estava duro, teso, doido para arrancar sua roupa e possuí-la de forma selvagem... Desci a escada trêmulo, pensando o que poderia acontecer conosco naquele instante... ...olhei rapidamente o relógio, já era quase 8 da noite, cheguei ao seu apartamento e toquei a campainha, ela abriu com um sorriso no rosto, só lembro que uma gota de suor escorreu lateralmente em minha face, motivada pelo meu nervosismo... ...ela, percebendo isso, pediu que eu entrasse e me recebeu com um forte abraço, o qual me arrepiou completamente... ...quando então ela falou... “que perfume gostoso... adorei teu cheiro!”.... ...foi o suficiente para que, como de costume, meu corpo reagisse, fiquei um pouco envergonhado, pois “ele” estava em uma posição que não havia como notar o volume que se formou e minha calça... ...ainda bem que ela agiu discretamente... ...eu aproveitei o momento em que ela trancava a porta para deixar as coisas em ordem... “você gosta de U2? Estava vendo um show quando você me ligou...” – disse ela - ...detalhe, ela me recebeu com um vestido coladinho do São Paulo Futebol Clube... Agora me diz, ela tinha ou não intenção de me provocar? Muitas das minhas paixões reunidas num só lugar, Ela, o São Paulo e o U2... ... Ela me ofereceu um vinho, chardonay ou algo do gênero, parecia conhecer bem a arte de saborear um bom e velho vinho... e mais... ... ela sabia muito bem como virar a cabeça de um bom e educado menino.... A conversa estava fluindo bem e eu tentava ao máximo fazê-la sorrir, segundo os livro especializado isso era primordial para conquistar uma mulher... ... como não era um expert, recorri a vários textos para aprender um pouco como seduzir e conquistar o sexo oposto... De repente, o U2 começou a tocar “One”... ... após uns dois copos de álcool, eu já estava desinibido o suficiente para lhe oferecer uma dança... Ela se levantou e lentamente se uniu ao meu corpo, eu quase entrei em êxtase, senti que o fluxo de sangue do meu corpo tinha parado na superfície e um intenso calor evaporava de minha pele... ...mexi em seus cabelos, toquei seu pescoço, deslizei minha mão em suas costas... ...eu estava completamente molhado, resposta à incontrolável excitação que aquela mulher me dava... Meu corpo reagiu instantaneamente e eu não estava nem um pouco interessado em esconder o desejo que sentia por ela, apenas deixei que o ambiente, a música e minha libido fizesse o trabalho de convencê-la de que não precisávamos esconder nada de ninguém.... ...nos olhamos e meu rosto foi ao encontro do dela... ...toquei de leve meus lábios em sua bochecha rosada e deixei que seu perfume tomasse conta de mim e me envolvesse... ...fui novamente ao seu encontro, dando um leve beijo no canto de sua boca, sua reação foi imediata... ...eu só senti suas unhas passando pelo meu pescoço e deslizando em minhas costas... ...ato incontido, eu a envolvi em meus braços, puxei seu corpo ao encontro do meu e lhe dei um beijo intenso, quente e molhado... ...percebi que naquela hora, era seu corpo que ardia e emitia um forte calor, tão notório que senti seu perfume exalar pela sala... Comecei a beijar seu pescoço, seu ombro e desci minhas mãos em direção à suas coxas, que por causa do vestido, estavam todas de fora... ...foi possível sentir bem a textura de sua pele... Não havia mais dúvidas, nós faríamos amor aquela noite, eu tirei lentamente sua roupa e fiquei encantado com sua peça íntima, uma renda bem trabalhada, num vermelho paixão... que combinava completamente com nosso momento... Ela desabotoou minha bermuda e abriu o zíper, deixando que a gravidade fizesse o resto... ...só tive o trabalho de levantar uma perna e com a outra jogar minha roupa de lado... ...suas mãos já estavam sobre meu peito e, em um movimento, minha camisa, no chão, fazendo companhia para minha bermuda e o seu vestido tricolor... Eu a deitei sobre o sofá... e comecei a beijar cada pedacinho do seu corpo, explorando todos os pontos que considerava erógenos... ...ela respondia com uma respiração cada vez mais forte... ...e seu corpo tremia em cada toque de minhas mãos... ...eu estava incrivelmente excitado, aproveitei para acariciar e beijar sua barriga, subindo vagarosamente até encontrar seus seios... ...tive um pouco de dificuldade para tirar seu sutiã, mas ela percebendo isso, me ajudou a removê-los, que seios lindos ela tinha, mamilos e aréolas rosadas, com pelos bem fininhos e textura aveludada... ...incrível... ...eu os toquei com muita intensidade e passei a beijá-los descontroladamente... ...ela pedia que eu os mordesse e na primeira ação de minha boca, um gemido intenso de prazer foi liberado de sua garganta... ...que preliminares estávamos tendo, delirávamos de prazer... ... e depois de ter passeado completamente pelo seu corpo, resolvi afastar um pouco sua calcinha e colocar dois dedinhos em sua bucetinha e um no seu cuzinho... ...tirei o resto de roupa dela que ainda restava... ...e para minha surpresa, ela estava completamente encharcada, pude notar que aquele líquido escorria por entre suas pernas, vindo da parte mais quente de seu corpo... ...aproveitei para sentir seu gosto, delicioso, excitante, envolvente... ...aquilo me deixava de tal forma, que já não controlava a água em minha boca, é como se eu desejasse demasiadamente aquela comida para saciar a fome que tinha de bebê-la e comê-la... Eu comecei a beijar ao redor de sua bucetinha, branquinha por fora e rosadinha por dentro... ...senti aquele aroma característico que me deixava enlouquecido... ...minha boca e minha língua buscavam cada pedacinho daquela área, e fui notando os vários reflexos que ela tinha com aquele exercício... ...ela saltava gritos de prazer... e me presenteava com pequenos e intensos orgasmos... Eu usava minhas mãos, minha língua e meus lábios para acariciar cada detalhe de sua parte íntima... ...investi intensamente sobre seu clitóris e ela respondia com gemidos fortes e quentes, seu corpo tremia, ela só pedia que eu fizesse com mais intensidade, mais força... com cada vez mais força... ...até que de repente, ela implorava para que eu não parasse... só ouvia: “não para, não para agora que eu vou gozar de novo”...respeitando suas ordens, eu passei a chupar, morder e a massagear sua vagina, e ela então saltou um grito intenso... ...aquilo era como música para meus ouvidos... E ela só me pediu: “Eu quero te sentir dentro de mim, vem? Vem pra mim... me fode bem gostoso, vem me dar prazer, por favor, eu quero sentir teu pau dentro de mim”... ela levanta e arranca com força o resto de minha roupa, meu pênis se revela duro como uma pedra, o líquido lubrificante pinga no chão e ela rapidamente começa a beijá-lo... ...“Adoro teu pau!” – disse ela – “adoro chupá-lo, que picolé gostoso” – falava caindo de boca no meu pau gostoso e molhado... ...ela lambia minhas bolas... ...era impossível descrever o prazer que aquela mulher e sua boca estavam me proporcionando, ela tinha o jeito, o toque e uma língua que não dá para colocar em palavras... ...pude perceber sua dedicação àquele ato... e o quanto aquilo era bom... ...ela deslizava sua boca com destreza e agilidade, por várias vezes aquilo quase me fez gozar, tive que me conter e segurar um pouco o ímpeto... ...eu continuava usando meu dedinho explorador em sua bundinha, enquanto ela dedicava à arte de me chupar... ...cheguei a saltar um jato quente do meu leitinho em sua boca... ela engoliu tudo, saboreando e matando sua sede... ...tive vontade novamente de chupá-la, pedi que ela sentasse em minha boca... ... foi o que ela fez, sentou e entregou aquela bucetinha molhada para mim... ...em poucos minutos ela rebolava e gemia de prazer sem conseguir se controlar... naquele instante percebi que ela havia tido orgasmo externo, raro nas mulheres, mas totalmente possível, senti aquela calda de chocolate quente e derretido escorrendo em minha boca... Lembro que depois disso, ela me implorava para penetrá-la... eu a virei de costa, senti seu bumbum tocar em meu pênis e num só ato toquei lentamente sua xoxotinha... e a penetrei suavemente... ...difícil dizer exatamente o que senti... ...era mágico... químico... elétrico... forte... quente... úmido... excitante... enlouquecedor... ...o encontro de nossos órgãos foi o ápice de nossa relação... os movimentos mais pareciam uma dança envolvente de tão sincronizados e verdadeiros. Eu a penetrava com intensidade... ...e nos beijávamos com muito desejo.... Pedi então que ela ficasse de quatro, que visão maravilhosa, a porta do prazer se revelou para mim, comecei a tocar meu pau e acariciá-lo como se ele estivesse lá dentro... ...com ele completamente molhado enfiei com toda minha força... ....ela gritou de prazer... eu tirava... e metia com força... ela entrou em transe e disse que nunca havia tido tanto prazer... ...eu fiz isso diversas vezes...metia gostoso e com força em sua bucetinha... ela só gemia, gritava, uivava... ...e eu pingava de suor... ...o líquido do amor escorria de mim e dela... ...que gostoso... ...que tesão... ...que calor... ...eu aproveitava para falar sacanagem bem baixinho em seu ouvido.... “vai minha putinha gostosa... tu gosta do meu pau?”... ...Ela mal falava, respondia entre uns gemidos e uns unnrumm de afirmação... “quer mais? Quer sentir a cabecinha deslizando entre seus pequenos e grandes lábios? Quer que eu penetre no seu cuzinho, quer?”... ...ela se tremeu, gritou: “agora... mete agora... de quatro... vem bem gostoso...”... eu peguei minha cabecinha molhada... ...e esfreguei no seu cuzinho... ...que pulsava de desejo pelo meu pau... eu fiquei brincando com ela... ...só passando a cabecinha... ...não imaginava o desejo que ela estava de sentir meu pau todo dentro dela... fui surpreendido quando ela empurrou com toda força seu corpo para trás... e meu pau deslizou completamente para dentro do seu cuzinho.. ela saltou um grito forte e gozou novamente... Que de-lí-cia... Ela dizia: “sou tua putinha... na cama eu sempre serei... farei tudo que você quiser...” Transamos por várias horas e experimentamos diversas posições, eu gemia de prazer, ela gritava em resposta... ...pude contar ao menos cinco dos seus orgasmos enquanto me mexia em cima de seu corpo... ...para finalizar... ...eu a coloquei sobre a cama, fiquei por cima dela e, olhando em seus olhos, fui realizando movimentos intensos até chegarmos, juntos, a um veemente e forte orgasmos que nos fez cair exaustos sobre a cama, eu em seu colo... ...com a cabeça entre seus seios e ela, cansada e saciada, apenas acariciava minhas costas molhadas de suor... Nunca tinha vivido experiência como essa... ...passei a entender claramente o que significava a química dos corpos, a união da alma e o porquê de ser tão difícil para um casal sentir o que havíamos sentido... ...são vários fatores a influenciar... ...o cheiro dos nossos perfumes, a música agradável, a paixão incontrolável, a admiração mútua, o vinho que corria em nossas veias e o desejo enorme que sentíamos um pelo outro... ...descrevo aquele instante como intenso e exuberante... ...não moro mais no mesmo condomínio, mas ainda hoje, mesmo depois de tanto tempo, nos desejamos como se nunca tivesse havido uma primeira vez... e é assim que nos amamos... INTENSAMENTE!!!
Não permitimos pedofilia neste site! Ajude-nos a identificar.