RSS contos eroticos

Conto Erotico Como minha esposa virou minha putona parte 2

Como minha esposa virou uma putona parte 2. Olá, voltei para continuar a contar a vocês minhas novas aventuras com a putona com quem estou vivendo nestes últimos meses (sugiro leitura do mesmo conto parte 1, para que saibam por que agora sou o cara mais feliz no mundo) e nossas novas descobertas a respeito de nossa vida sexual e que descoberta cara! Gostaria de dizer a vocês que estes são nossos primeiríssimos contos e pensamos bastante em contar nossas safadezas, mas, olhe tudo está cada vez melhor. Deixe nos apresentar direito, pois na primeira parte do conto nos afobamos e como esta é a primeira vez que fazemos isto perdemos meio que o jeito e fomos ao finalmente antes mesmo de contar como realmente chegamos até aqui. Eu sou Junior Fontes estou com 55 anos, aposentado, mas ainda faço algumas coisas estilo homework alguns dias na semana, nada que me tire muitas horas nem me atrapalhe nesta nossa Nova jornada. Minha esposinha é a Solimar (sol) tem 47 anos ( não aparenta mesmo todos dizem que tem menos de 40) e antes de nos casarmos era professora primária e assim que engravidou decidiu que não trabalharia mais que sua prioridade seria cuidar da família que formou. Como disse antes nosso casamento sempre foi bom, tínhamos uma vida financeira boa, bela casa, filho sapeca e assim por incrível que parece se passaram 22 anos rapidinhos. Então quando meu filho resolveu morar sozinho e segundo a Sol suas prioridades seriam outras, ela queria primeiro fazer uma lipo tirar algumas gordurinhas que a incomodavam nada que realmente fosse demais e acabou aparecendo com um par de peito novo (como ela mesma costuma dizer 46 justo) antes era 44 meios murchos (juro é exagero dela) ela injetou a banha da perna na bunda e ficou maior e mais dura ( bem maior e mais dura que já era, delicia de lamber). Como nós nos cuidávamos um pouco sempre achei que para nossa idade estávamos muito bem e que tudo iria ser mais calmo eu me aposentando, mudamos para interior, faço algumas coisinhas por fora ganho mais algum dinheirinho, aproveitamos a liberdade viajamos por ai e assim até que a morte nos separe certo? NÃO! Acontece que os planos de minha putona eram outros, muito, muito diferentes. Primeiro logo depois da plástica ela resolveu que queria ser piranha, não só uma piranha de vez em quando não, isto não servia, ela queria ser puta todos os dias e assim que mudamos de casa, pode crer foi isto que aconteceu. Ela me contou que levou mais de um ano para desenvolver toda ideia e executá-la e eu nunca nem percebi nada, fiquei surpreso de ter feito a plástica, lipo, fez um rejuvenescimento na cara e tantas outras coisas que naquele tempo achei que era para se ocupar agora que teve sua rotina toda mudada. Não notei nada até o dia seguinte da mudança (isto podem conferir na parte 1). Então foi assim, eu a segui até a sala sem nem pensar direito e ao chegar lá ela resolveu que precisava lavar a janela e que em quanto ela fazia isto poderíamos seguir conversando. Numa cestinha rosa no chão, havia um limpa vidros, espanador pequeno, um spray com água dentro. Próximo do vitro acima do sofá de dois lugares que tinha algumas almofadas ajeitadas ela colocou a cestinha e se ajeitou em cima do encosto do sofá ajoelhando com as pernas abertas empinando bem a bunda virou pra mim e falou - qual a duvida amor? Antes mesmo de responder ela começa a procurar alguma coisa na cestinha e diz em voz alta- esqueci o meu paninho... tudo bem dou um jeito, fica em pé em cima do sofá, levanta a saia e tira a minúscula calcinha e fica por alguns momentos como se realmente estivesse vendo se aquilo serviria para o que ela queria e eu com os olhos arregalados olhando a buceta dela que estava somente com um chumacinho de pelinho ruivo em formato de uma bolinha peluda logo acima da rachinha, eu não conseguia sequer piscar e ela olhava e olhava e não abaixava a saia (acho que esqueceu... tadinha... pilantrinha...). Acho que ela viu que eu estava hipnotizado por sua xana nova e demorou mais do que precisava então se ajeitou e ajoelhou com as pernas mais abertas ainda e empinou mais a bunda para trás que agora estava toda a mostra, pois a parte de trás da saia não havia voltado ao lugar. Com aquela abertura toda é claro que a sua bucetona ficou aparente e ela bancando a dona de casa exemplar começou a passar a calcinha para limpar o vidro, fez isto ora empinando mais a bunda, ora se inclinando mais para frente abrindo mais a buceta, ora para colocar as tetas para dentro do decote (sem mentira, quando o peito pulava pra fora ela o deixava por alguns segundos e depois antes de guardar elas o puxava bem para cima e passava a língua no biquinho, olhava pra mim bem vagabunda e falava que o produto podia fazer mal pra pele) notei que agora a sua buceta estava bem mais branquinha e seu reguinho também, deliciosos! Então olha novamente para mim com uma cara de puta ingênua e diz – o que você não concorda mesmo? Eu nem conseguia lembrar o que eu tinha dito direito somente ajeitava a cabeça conforme dava pra ver melhor a posição que ela estava fazendo. Lembro-me por alto que falei não concordar com o negócio de ela dar pra um de meus amigos e ela sem nem olhar pra mim deu uma empinada pra frente abriu bem as pernas na desculpa de limpar muretinha por fora da janela dizendo que isto veríamos depois e pediu para eu repetir toda a lista e assinar. Minha voz mal saia e entre olhar e ler item por item acabei assinando e ficamos de depois acertar melhor aquele acordo. Feito isto deixei o papel em cima da mesa de jantar e me sentei no sofá maior bem enfrente a minha safada que se dedicava a limpeza, acredito que tenha se passado uns dez minutos mais ou menos até que ela deu a limpeza por feita e desceu do sofá (que peninha...). abaixou de frente para mim arreganhando bem a buceta, ajeitou e ficou assim mexendo na sua cestinha até que pegou o sprayzinho e olhando para mim pediu um favorzinho (lembrem-se que ela ainda estava abaixada com as pernas arreganhadas) e eu respondi prontamente com um baita vozeirão – Hum, Hum!!! (gente eu estava até sem ar, meu pau parecia um ferro em brasa pulsando, dá um tempo) ela então se levantou e foi até uma mesinha de canto com um rebolado lindo... que bunda minha mulher tem, tem uma marquinha tão pequenina de fio dental que parece ser menor que a cabeça do meu pau (isto é recente minha esposa nunca gostou muito de praia, por isso nos mudamos para o campo) pegou uma caixinha de lenço de papel e voltou para mim tirando algumas folhas em quanto eu admirava um pedacinho da rachinha vermelhinha dela, aparente pela saia curta na frente. Quando chegou perto de mim se abaixou novamente quase encostando a bunda na minha cara, pegou o vidro de spray e os lencinhos e os entregou para mim que os segurei e fiquei esperando pela ordem (que prontamente obedeci... sou um cara muito bem mandado...). A vagabunda foi até o outro lado do sofá onde estava sentado e disse – Me faça um favor amor, passe este spray na minha buceta e enxuga por que ela tá muito suada, você pode fazer esse favorzinho? Assim que movimentei para chegar onde ela estava ela deitou com a cabeça apoiada no braço do sofá abriu as pernas e para minha surpresa levantou e ficou segurando as pernas abertas ao máximo pelas canelas e eu tremendo nem sabia o que fazer, quem é essa mulher ai porra, cadê a mulher que eu conhecia? Ele continuava com as pernas bem abertas como se nada tivesse acontecido e ainda sempre olhava meu pau duro, passando a língua pelos lábios, acho que ela notou meu espanto, pois resolveu dizer tudo o que deveria fazer – Amorzinho passa sprayzinho na minha xaninha, dê umas três ou quatro borrifadas e depois passe o lencinho com bastante jeito tá? Dei a primeira borrifada, ouço seu gritinho – ai geladinha... a minha buceta tá quente suou muito, ui outra geladinha, isso limpa bem devagarzinho... cheirinho bom do spray né?- e eu? respondi - Hum, hum! - Isto amor, ai que susto com este jato, agora espera um pouquinho... - ela largou as pernas no alto e com os dedos abriu bem a bucetona e deixou amostra seu grelhinho e pediu para mim – Limpeza completa... ui, ah que gostoso... estava precisando disto, tá muito calor e minha buceta fico suada com qualquer esforço, isto... faz mais um favorzinho... joga no meu reguinho também porque meu cuzinho também tá enlouquecido de calor... - E eu prontamente obedecendo, só que agora somente com uma das mãos a outra estava batendo uma punheta deliciosa. Ela muito esperta ajeitou uma almofadinha embaixo da bunda e abriu a bunda igualmente fez com buceta e eita nós borrifei, mais alguns gritinhos e então ela me perguntou se não tinha um cheirinho agradável o sprayzinho? e eu? respondi – Hum, hum... – é um oleozinho comestível para misturar na água para limpeza refrescante quer experimentar? Foi à dica cai de boca e enfiei logo a língua dentro da buceta dela que gritou com minha reação mais agressiva, também já fazia mais de duas horas que tinha gozado e pelo menos uma hora e meia ali com meu pau duro que chegava doer o que ela queria que gritasse, pra falar a verdade não estava nem ouvindo direito. Ajeitei-me no sofá e levantei suas pernas abertas até minha boca segurando pelos quadris encaixei sua buceta na minha boca e apertei bem , meti a língua na sua buceta, chupei seu grelhinho, chupava estalando, lambia toda a buceta, só um pedacinho, enfiava novamente dentro forçava, forçava, estalava novamente, esfregava a cara toda, e continuei assim por alguns minutos, já mais concentrado no que estava fazendo comecei a perceber que estava deixando a minha putona louca de prazer. Suas pernas se agitavam desgovernadas no ar, suas mãos ora me arranham as pernas, ora apertavam suas tetas, ora a lateral do sofá, conforme seus gritos eu mudava o que fazia e levantava um pouco a cabeça para ver sua reação, que só aumentava. Mas que o que mais me espantou foram seus gritos (gritos e palavrões eram quase proibidos em nossas transas os vizinhos ou o menino vão ouvir vocês tinham que ouvi-la agora, parecia uma puta rampeira com seu palavreado). Passei a sugar seu grelhinho muito mais forte e então as coisas foram para outro nível , com seu grito a puxei mais para cima deixando ela de cabeça para baixo e suas pernas ficaram estendidas para cima em quanto ela gritava, falava coisas e palavrões e me xingava de filho da puta para cima. Só pra vocês terem uma ideia do clima minha putona na fase de dona de casa dizia assim- vai, isso tá gostoso, continua não para isso vou gozar já, já,... ah, tô gozando... gozei, hum que gostoso e pronto. Minha putona fase rampeira vagabunda agora GRITA assim... mais ou menos.. - Caralho, que língua gostosa porra, enfia mais, chupa com gosto filho da puta, ai meu grelhinho, isso lambe forte, vai arrancar meu grelho seu desgraçado... mexe logo essa língua dura ai dentro seu cuzão, puta que pariu vou goza, não para que eu te mato, me faz gozar logo vai, vê se põe logo essa língua pra me fude seu porra do caralho, vai me arregaça mais vai quero ver se você consegue, caralho vou gozar judia mais, isso nossa é bom pra porra, caralhudo... e assim foram alguns minutos, menos de cinco com certeza pra ela me dizer que podia parar que ela tinha gozado. Então resolvi improvisar, a deitei mais no meio do sofá, fui até a outra ponta ajoelhei próximo a sua cabeça inclinei um pouco e encaixei seu rosto no meio de minhas coxas a mandando abrir a boca e caprichar num boquete ( e para esclarecer, nisso ela sempre foi ÓTIMA) ela prontamente mesmo ofegante aceitou meu pau duro dentro de sua boca, esperei ela chupar um pouco e descontrair então abaixei um pouco mais e segurei com força sua cabeça entre as minhas virilhas e enfiei todo o pau duro lá dentro ( ela já ficava na boa com meu pau duro na boca, por vários minutos e olha que são 17X4) aproveitei me joguei de frente e abocanhei novamente sua buceta toda vermelha dos meus chupões. Ela ficou louca embaixo de mim porque depois que ela gozava, eu não podia chegar mais perto da buceta dela ela tinha aflição ao toque depois do gozo. Pois bem agora eu estou por cima literalmente falando e mandei ver, ela gemia alto ( sua boca estava cheia) e sua cabeça quase não se movia, se contorcia me arranhou, me empurrou, bateu na minha bunda, mas, fui firme, mantive suas pernas abertas à força e meti a língua em sua buceta sem dó novamente e sem pressa nenhuma, lambia, chupava fodia, fazia o que queria ( por sorte ela não me mordeu, talvez porque quisesse usar mais tarde né?). Enquanto isto soquei sua boquinha com meu pau sem piedade e com força, sentia sua garganta em algumas bombadas, sentia minhas bolas baterem na cara dela e olhe foi uma luta de mais ou menos vinte minutos (valeram as aulas de jiu-jitsu) já não aguentando mais acelerei minhas chupadas deixei elas mais brutas ainda e ela gemendo se contorcendo, parei fiquei com a língua dentro da grutinha dela, abri sua bunda e atolei dois dedos secos dentro do cuzinho seco dela que gemeu mais auto ainda, assim, achei que já estava bom e é claro para falar a verdade estava nas últimas comecei a bombar mais forte e fundo até que senti que iria gozar, tirei meu pau e gozei em suas tetas, bati punheta e jorrei porra pelos dois peitos, tudo gozadinho e usado por mim, bucetinha, grelhinho, bunda, cuzinho, boca, língua, cara, e os tetões. Levantei-me, limpei meu pau com lenço de papel e fiquei esperando pela comida de rabo que iria levar, mas, para minha surpres ela só disse – Nossa amor agora vai ser assim é? – que delícia, você esfolou toda minha buceta espera ai que vou pegar o creminho pra você passar nela, de agora em diante esta será sua responsabilidade tá? E eu firme respondi – Hum, hum... - Ah sim vou pegar a pomadinha pro meu cuzinho também adorei, espera um pouquinho que já volto e sai andando apressada para o quarto. Continua...



Gostou? Então Compartilhe!