RSS contos eroticos

Conto Erotico O NEGÃO ACHOU QUE EU ERA VIRGEM...

Olá. Me chamo Mirella e em meu último conto faleii do meu caso relâmpago com o zellador do prédio que moro. Más o que vou relatar hoje começou quando eu ainda era bem novinha, uns 15 aninhos... Eu morava com meus pais e sempre recebia minha priminha que é apenas um ano mais nova que eu. Para preservar sua identidade, a chamarei de Andy. Meu tio(pai de andy) é bem mais velho que sua mulher e se seu relacionamento anterior, veio Wil (ficctício) e mais 3 irmãos. Todos adulltos e com família formada. Wil, um negão maravilhoso,cerca de 30 anos sua pele de um marrom inconfundível, 193 cm (aproximadamente), forte, muito forte e com uma barriguinha proporcional ao seu corpo, (nada que o comprometesse), apesar de muito parecido com os irmãos, era de longe o mais gostoso. Voltando... Wil veio morar com sua esposa na quadra ao lado da minha, más raramente nos víamos, pois ele trabalhava muito e aos finais de semana ía visitar seus parentes no Goiás. Sempre que nos víamos na rua, ele me perguntava sobre a família e sobre sua irmã Andy, pois quase não se viam. Também por isso,(por só se encontrarem quando ela vem me visitar), que Wil nos tratou com relativa igualdade. No natal, Andy veio, como de costume para a festa aki em casa, ambas bebemos muito, e por não estarmos acostumadas com isso pela pouca idade, ficamos realmente "alegres". Minha família toda estava assim. Também, como de costume, Will passou em casa para para falar com seu pai, Andy e... a mim! Eu já havia descido so salto e estava dançando com minha priminha e assim que notei que aquele negão maravilhoso estava me olhando, comecei a provocar mais e mais... Dançava me esfregando de uma forma bem sensual com minha priminha, dando umas risadinhas sapecas para disfarçar. Más o que importa é que ele não prava de olhar para mim. Só para mim. Meu tio logo puxou conversa com Will e eu aproveitei a brecha para me recompor, afinal estava chamando a atenção de visinhos indesejados. Quando voltei da cozinha para o salão, Will tinha saído. Perguntei à Andy onde ele estava, e ela responndeu que a mulher dele tinha o levado, pois todos estavam esperando para o amigo secreto. Ao final da festa, continuei dançando, até que minha prima, como todos os convidados se rendeu ao sono. Só restaram meu pai e meu tio, bêbados, discutindo política, como sempre. Ouvi buzinas para a minha alegria, era o Wil. Eu o convidei pra entrar e disse todos estavam dormindo, más que eu podia lhe servir algo se quisesse, finalizando com um sorriso sapeca. Fui andando em direção a cozinha e assim que saímos da vista do meu pai e tio, ele começou a me abraçar por trás, beijando meu pescoço e levando sua grande mão até minha xota. Quando chegamos a cozinha e fomos surpreendidos pela minha prima chorando, pois havia discutido com seu namorado pelo telefone. Eu fiquei com muita vergonha, más Wil continuou me abraçando( de maneira mais comportada) enquanto consolava sua irmãzinha... Quando notou que ela não ía desgrudar tão fácil, Wil foi embora. Passou-se a virada de ano e não o vi novamente. Dias depois, o encontrei casualmente no mercado. Fiquei excitada na hora e ele percebeu, más depois da conversa formal de sempre sobre a família, Wil pediu desculpas por ter se portado daquela maneira comigo, usando a bebedeira como desculpa. Quem ele pensa que enganava? A bêbada ali era eu! Eu sei que Wil não bebe mais que uma cerveja, pois negou veementemente quando meu tio o ofereceu. Enfim, eu fingi que acreditei, disse que não tinha problema, más finalizei com uma:"Ah, a culpa foi minha, afinal, eu quiz te provocar", Wil ficou surpreso, e antes que ele dissésse algo, dei um de meus famosos sorrisos sapecas e saí. Continuei minha vida e apesar de ter uma tara enorme por akele negão, eu comecei a namorar e escondi isso dentro de mim. Terminado o namoro, eu quiz distrair minha mente e começei um cursinho no centro da cidade, nada muito longe... De vez em quando, Wil me dava uma carona, más Wil, sempre muikto gentil só perguntava da família, e eu, muito tímida, ficava vermelha com muita facilidade. Acho que isso o intimidava. No meu aniversário de 16 anos, a cena do natal se repetiu, e novamente dancei para Wil. Más nada de mais aconteceu. No dia seguinte aconteceria a festinha do curso, o uniforme não era obrigatório, então usei um vestidinho cutinho, solto e com um belo decote que dava uma visão privilegiada dos meus seios já desenvolvidos. Sem calcinha, é claro. Na festa, bebemos vinho e isso me desinibiu um pouco, trenei um pouco o que estaria por vir com o meu professor, tentando seduzi-lo. Isso massageou o meu ego. Fui para a parada enquanto meus colegas de cursos iam para um bar (eu era a única menor de idade), más não tinha problema, pois minha festa seria em outro lugar. Fiquei um pouco a frente da multidão do ponto de ônibus e assim que vi o carro prata, meu coração disparou! Eu quis desistir, sair, me esconder, tomar qualquer ônibus, más não o fiz. Antes que minh mente se decidisse de como fugir, o carro parou na minha frente e a porta se abriu. Dentro dele estava o meu negão, com um sorriso. Eu me sentei rapidamente e coloquei o cinto de segurança. Quando me virei, Wil já não sorria. Estava mordendo o lábio inferior e olhando para o minhas pernas, agora descobertas pelo vestido que subiu. Eu não o ajeitei. Apenas sorri levemente e disse da maneira mais sensual que pude um "bom dia". Wil pareceu despertar da hipnose, me deu akele beijo no rosto de sempre enquanto retribuía minha saudação e tirou o carro dali. Eu sabia que o trajeto era curto demais para que eu tomasse uma atitude e dissse" Não! Não faça o retorno!" Wil me olhou surpreso, más obedeceu. Eu continuei-"Não vou direto pra casa hoje, tenho que ir ao plano... Se não puder me levar, vou entender, me deixe no próximo ponto de ônibus...". Wil sempre foi um perfeito cavalheiro e eu sabia que ele não ia se negar, pelo contrário... Pareceu muito satisfeito. Também escolhi este lugar poque passa pelo setor de postos e motéis, é claro. No caminho... O mes mo tom formal e delicado de sempre. Muito sensual, porém educado. Will perguntou sobre a família, escola e enfim... NAMORADOS! Eu fz de tudo pra prolongar o assunto e lhe contei sobre meu término recente. Wil pareceu solidário, como fora com sua irmã no natal e perguntou o motivo. Eu dei outro sorrisinho safado e disse algo como "Digamos que a mangueirinha dele não apagava o meu fogo". Tenho certeza que corei nesta hora, más não podia para a essa altura e completei enquanto tocava seu braço e peitoral "Nem todas tem a sorte de ter um negão assim" Wil, novamente surpreso, más aparentemente excitado pegou minha mão e levou até seu pau por cima da calça dizendo algo como "Vc está com a oportunidade". Seu pau durrísssimo e não dava pra ter noção exatante do tamanho, por ser jeans, más sabia que era grosso e só isso bastou pra minha buceta ficar mais úmida que já estava. Wil e eu seguimos em silencio (más sem tirar minha mão) por alguns segundos em silêncio, até que ele parou no acostamento e tirou sua rola pra fora. Parecia uma rocha de tão dura. Uns 23 cm, no mínimo, bem grosso e com a cabeça enorme, em ponto de bala. Quando não consegui mais me segurar, desci de boca ao encontro da sua vara, más fui interrompida pelas suas mãos enormes segurando meu rosto e o erguendo abruptamente. Isso me surpreendeu, más não tanto quanto a intensidade do beijo que ele me deu em seguida.Wil seguiu por um caminho diferente que eu já sabia onde nos levaria, então, tratei de retocar meu batom e antes que pudesse fazer isso, Wil já estava afastando a alça do meu vestido e tocando meus seios. Chegamos rapidamente a um motel e assim que entramos na garagem ele desligou o carro e tirou novamente a sua vara para que eu o chupasse. Eu nem conseguia colocar a metade do pau na boca, então segurava e batia uma punheta enquanto lambia tudo feito sorvete. Da mesma forma brutal, Wil me arrancou do seu pau, saiu do carro e só disse "pegue a chave". Ele não era o mesmo, más o tezão foi maior que qualquer receio. Wil fechou a cortina da garagem e seguiu silenciosamente até a porta e assim que entramos, a putaria começou. Wil me agarrou muito forte, me sentou sob a escada e arreganhou minhas pernas. Minha bucetinha estava depilada, más com um retângulo bem fininho, como gosto. Aquele negão começou a me chupar muito gostoso e nem precisou se esforçar muito para me fazer gemer. Ele começou a esfregar meu grelinho e em pouquíssimos segundos gozei aos gritos. Terminamos de subir a escada e Wil me jogou com força em cima da cama, tirou toda a roupa e se deitou em cima de mim. Ficou passando a rola na entradinha da minha xota e me beijou intensamente, me mordendo e puxando meus cabelos. Eu esperava, que como os outros, ele colocasse tudo devagarzinho, com medo de me machucar, más em vez disso, ele socou tudo de uma vez. FILHO DA PUTA! Foi o que quis dizer, más só gritei. Apesar de estar com a xotinha encharcada de tezão, doeu muito. Eu tentei afastá-lo de mim, pedi pra parar, más isso só o atiçava mais. Enquanto puxava meu cabelo, Wil disse algo pareciso com "Esperei tanto pra comer seu cabacinho sua puta, você já deu muito,né, sua vadia?" Essas palavras me excitaram ainda mais e parei de resistir, pois estava amando aquela brutalidade toda. Comecei a pedir tapas e fui logo atendida. Nossa... Gozei outra vez equando Wil percebeu aumentou ainda mais a força e velocidade das bombadas. Ele socava até o talo, tanto que dava pra ouvir as estocadas. Não satisfeita, pedi pra que me pegasse de quatro. Nossa, como ele fodia!!! Me puxava pelo quadril com tanta força que eu não só gemia, quanto gritava pedindo mais e mais. Dava pra sentir a minha porra escorrendo pela buceta e pingando na cama. Wil parou para que eu me recuperasse, más eu o deitei na cama e começei a chupar muito gostoso e sentindo o gosto da minha porra. Wil continuava puxando o meu cabelo e me xingando enquanto eu tentava colcar ao menos metade de sua vara na boca enquato batia uma lenta e gostosa punheta. Wil novamente me puxou e me deitou de bruços. Passou a mão por todo o meu corpo, separou minhas pernas e começou a pincelar alternando entre a boceta e o cuzinho. Eu sabia que esse tarado queria meu cuzinho e isso eestava fora de cogitação, más estava tudo tão gostoso que não pedi pra parar. Wil sabia comer um rabinho, e como sabia... Separou bem minhas nádegas, passou um pouco de saliva na rola e se posicionou bem na entradinha do cu. Isso me arrepioru. Começou então a penetrar e aguentei enquanto pude mordendo o travesseiro. Quando passou a cabeça eu pedi pra parar, tentei sair, afastá-lo... Más Wil deitou em cima de mim de maneira que era quase impossível me mecher. Ele continuou colocando devagarzinho enquanto conduzia sua mão até meu grelinho por baixo, esfregando rapidamente me fazendo esquecer da dor e pedi mais, "Quero engolir tudo, mete,vai!" Wil gemia alto dizento "Que cu gostoso, se soubesse que você era tão gostosa teria te comido antes". Em pouco tempo, começou o vai e vem, a princípio devagar, e depois mais rápido, mais forte e eu não estava mais aguentando! Estava esfolada e meu rabinho estava sendo arrombado por uma pica enorme! Pedi, gritei "Goza no meu cu seu negão tarado" Fui atendida em segundos, más não antes de estocadas muito mais fortes e violentas, tapas na bunda e mordidas no pescoço. Não aguentei e apesar da dor, gozei junto com meu negão. Podia sentir os jatos de porra quente dentro de mim e os gemidos altos de Wil ao esporrar no meu rabinho. Ele manteve o pau dentro de mim enquanto nos recompomos. Eu me levantei e vi que tinha um pouco se sangue nos lençóis, e então quase corri( minhas pernas estavam bambas) até o banheiro e me lavei, Wil me seguiu e fez o mesmo. Me deu um banho completo, com direito a chupada nos seios e uma chupeta muto gostosa naquele mastro. Nos trocamos e saímos do motel. No caminho, chovia e eu pude chupar novamente Wil enquanto ele dirigia. Wil me deixou na esquina de casa e umas horas depois o vi com a mulher todo romântico. Não nos vimos por um tempo, más Andy falou que ele ia ser papai. Atualmente, só nos vemos na rua, casualmente, ou quando Andy vem me visitar, nos cumprimentamos normalmente, más ele sempr está com a mulher ouu fillhas... Tenho várias as coisas para contar, até a próxima! lola-615@hotmail.com Comentem e digam o que acharam,ok?