RSS contos eroticos

Conto Erotico FUI OLHAR MEUS PAIS FUDENDO E ACABEI DANDO PRA ELE

Eu tinha uns quinze anos quando isso aconteceu, uma vez levantei de noite para mijar e vagando pelo quarto dos meus pais ouvi uns gemidos bem alto da minha mãe. Colei o ouvido na porta e ouvi o meu pai falando "goza, sua puta goza agora que eu vou encher a tua buceta de porra" então eu ouvi ela falar que estava gozando "vai meu macho me arrebenta com esse caralhão" Eu já estava com o pau duro na mão e devia ter ido para o banheiro bater uma mas continuei ouvindo ele falar pra ela limpar o cacete dele com a língua, e ele gemendo de tesão "assim sua puta, lambe tem e fica chupando pra ele ficar duro e eu fuder o teu cu" Quando ele acabou de falar eu não aguentei mais acabei gozando e esporrando na porta. Então eu corri no banheiro e peguei um pano molhado e voltei para limpar a porta enquanto eles estavam na putaria e não iam perceber. Fiquei ouvindo mais um bocado ate o meu pai gozar então fui para o meu quarto dormir, Como a minha mãe é costureira de fabrica, ela sai bem cedinho e o meu pai vai trabalhar lá pelas nove horas. Na hora que eu levantei fui direto pro banheiro mijar e fazer a minha higiene. A minha aula é de tarde de modo que a parte da manha eu nem visto roupa, boto só um shortinho sem cueca. Então fui pra sala tomar café e meu pai estava lá sentado lendo o jornal. Quando eu acabei o café meu pai me chamou "vem cá Bruno eu quero falar com você" eu fui e sentei do lado dele então ele fez uma cara feia e perguntou "ha. quanto tempo você fica ouvindo eu meter na tua mãe?" Então eu jurei que foi a primeira vez e que eu tinha passado ali e ouvi eles falando sacanagem então fiquei ouvindo "e depois esporrou na porta seu sacana" Eu comecei a pedir desculpa mas ele falou "deixa pra lá é normal na tua idade. O que foi que te deu mais tesão?" "foi na hora que você botou no cu da mamãe e ela disse que estava doendo, eu fiquei pensando nela de bunda pra cima e você metendo o caralhão nela" "como você sabe que o meu caralho é grande? você já me viu nu?" Eu disse que não, mas imaginei que era do jeito que a mamãe gemia devia doer mesmo, então devia ser grande. Então ele mandou eu baixar o short pra ver o meu. Eu obedeci e ele falou "já é bem grandinho, deixa eu ver ele duro" então começou a passar a mão no meu saco e depois começou a mexe no meu pau. Nunca ninguém tinha feito isso e eu achei muito mais gostoso do que a punheta com a minha mão. Então ele falou "eu quero que você jure que não vai falar disso com ninguém nem mesmo com a sua mãe" eu jurei e ele me abraçou pelas costas e continuou a me punhetar. Eu senti o pau dele duro mesmo por baixo da calça e da cueca e ia pedir pra ele botar pra fora mas tive medo, então fiquei só esfregando a bunda nele e sentindo o pau dele cada vez maior. "Ta gostando moleque? eu também, alem de pau você tem uma bundinha muito gostosa. Agora vê se goza logo que eu tenho que trabalhar." Então ele começou a punhetar com mais força e eu logo gozei no soalho da sala. Ele mandou eu pegar um pano pra limpar aquela porcariada, eu fui e quando voltei na sala ele já tinha saído. De noite jantamos e parecia tudo normal, papai perguntou como foi a aula, nem parecia que tinha acontecido aquilo de manhã. Depois da novela ele chamou a mamãe pra dormir, eu pensei que ia ver a sacanagem de novo mas ele trancou a porta. Então eu bati uma punheta no banheiro e fui dormir nu do jeito que sempre dormia quando estava calor. Mais tarde eu acordei assustado, tinha alguém me agarrando e eu vi que era o meu pai. Ele tapou a minha boca e só disse "quieto, moleque", eu fiz que sim com a cabeça e ele soltou a minha boca e começou a lamber a minha orelha e a me punhetar, estava muito gostoso. Eu senti o caralho dele se esfregando na minha bunda, depois ele botou no meio das minhas coxas então eu abri um pouco as pernas e peguei no cacete dele, ele falou no meu ouvido "assim putinho brinca bem com o meu caralho" e saiu de trás de mim e falou "vamos ver se você me chupa gostoso como a puta da tua mãe faz" e enfiou o cacetão na minha boca, no começo eu até fiquei sem ar mas depois acostumei e lambi e chupei com vontade ate que ele gozou na minha boca, agarrou a minha cabeça e tapou o meu nariz, então eu tive que engolir a porra toda dele. Quando eu pensei que acabou, ele mandou eu continuar a lamber o pau dele que estava praticamente duro, eu estava começando a gostar de chupar aquele caralhão enquanto ele me xingava "vamos viadinho eu gostei de gozar na tua boca, agora engole o meu caralho e deixa ele bem durinho pra eu arrancar as tuas pregas". Quando eu ouvi aquilo entendi que ele pretendia meter no meu cu e quis dizer que não mas a mão dele fazia pressão na minha cabeça e eu tinha que deixar ele continuar a fuder a minha boca, eu fiz força pra ver se ele gozava em vez de arrombar o meu cuzinho virgem e caprichei bem na mamada, ele gemia mas nada de gozar. Então ele tirou o pau da minha boca e mandou eu ficar de quatro e ficou por trás de mim roçando o pau no meu rego. Ao mesmo tempo que eu estava com medo também sentia tesão de sentir aquele caralhão roçando em mim, as vezes ele parava e encostava no buraco do meu cu virgem. Então ele disse "agora eu vou te fuder, imagina que eu estou metendo no cu da tua mãe, do jeito que você viu" Então foi empurrando a pica no meu cu, foi uma dor horrível mas ele falou "aguenta putinho, se eu gozar bastante depois eu deixo você me ver com a tua mãe, bem de perto, você vai pra cama com nós dois". Eu disse "ta bem, pode me fuder à vontade, mas promete que amanhã eu vou dormir com vocês" então ele enfiou o pirocão de uma vez que eu pensei que ia morrer de tanta dor. Ele nem deixou eu me acostumar, foi logo socando, metendo e puxando pra fora, dizendo "hoje eu garanto que voce fica sem nem uma preguinha nesse cu gostoso" e logo eu senti ele esporrando dentro de mim "rebola, putinho faz teu pai gozar bastante". Depois ele tirou o cacete e me fez chupar de novo e quando estava bem duro me botou de frango assado e fudeu até gozar. Naquela noite ele ainda me arrombou mais duas vezes. Eu passei o dia seguinte com o cu ardendo e sem tesão pra nada, mas de noite ja estava quase dormindo quando ele entrou e disse "levanta, Bruno que eu vou cumprir a minha promessa, hoje voce vai me ver fuder a vagabunda da tua mãe bem de perto