RSS contos eroticos

Conto Erotico Lendo o diario da minha irmã

Me chamo Carlos, sou bombeiro no rio de janeiro e tiro serviço de salva vidas normalmente na praia de Ipanema, moro sozinho e por conta do destino recebi a visita inesperada de uma irmã mais velha que estava passando por um momento difícil no seu relacionamento com o marido que a havia traído. Tinha acabado de chegar do serviço por volta das 19 horas quando ela chegou no meu quarto e sala no bairro do Méier pedindo para ficar pois queria dar um tempo com o esposo dela e nem queria que os nossos pais soubessem onde ela estava. Minha irmã é uma negra linda, corpo sarado, passista da beija flor, já com os seus 36 anos mais com tudo no lugar, chegou com uma mala de rodinhas trazendo poucas roupas e alguns pertences e depois de um longo abraço e de vê-la chorar abraçada comigo peguei as suas coisas levei para o meu quarto e pedi que ficasse a vontade e o tempo que quisesse. Ela ficou possessa da vida, dizendo que achava um absurdo ela estar na minha casa me incomodando e ainda ficar no meu quarto e depois de muita briga a convenci a ficar a vontade no meu quarto. Lá pelas 9 da noite depois que arrumou as suas coisas, ela surge na sala com um shortinho branco totalmente enfiado na bunda colossal que ela tinha, deixando amostra um par de coxas grossas de pelos aloirados e um top sem sutiã que deixava os bicos dos seios pontudos me encarando e me desafiando. Coloquei uma almofada sobre o meu colo, porque logo o meu caralho começou a subir sem parar, sabia que era a minha irmã mas era muita carne amostra para agüentar quieto e para nós homens muitas das vezes queremos pensar com a cabeça de cima, mas parece que a debaixo algumas vezes tem autonomia própria. Fiquei vendo a TV a cabo e conversando com ela sobre tudo até que ela levantou do sofá curvou o corpo para alcançar o controle remoto que estava ao lado da TV de LCD que estava na estante, me dando uma visão espetacular do seu rabão e do shortinho socado na buça que tinha um volume de carne que eu nunca tinha visto, peguei mais uma almofada e coloquei rapidamente sobre o meu colo e fiquei suando frio de tesão pela minha irmã mais velha. Fomos dormir cada um no seu canto e lá pelas 01:00 da manha me levanto para tomar água e por estar muito mal acomodado no sofá de três lugares que eu tinha, tenho 1,89 de altura fica difícil me acomodar em lugares pequenos. Tomei a minha água e com a luz do banheiro acessa fui conferir se ela estava dormindo direito. Abri o restante da porta para que a luz do banheiro refletisse no quarto e logo vi a minha irmã deitada de bruços com uma das pernas dobrada e a outra esticada e sem o top só com o shortinho, que visão, fiquei sem ação, pelos menos eu, meu cacete subiu na hora, não tinha idéia o quanto ela era gostosa, chamei o seu nome duas vezes e não tive resposta fui vagarosamente me aproximando da cama e com as mãos tremulas toquei nas suas coxas, fui subindo vagarosamente até alcançar a sua bunda enorme e tesuda e com muito cuidado toquei na sua buceta por trás sentindo a sua umidade e os beiços grandes que ela tinha, olhei para todo o quarto e vi que ela tinha deixado sobre a cômoda do meu quarto o seu diário e uma caneta marcava o meio do diário. Levei para sala e comecei a folhear o seu diário onde ela contava varias passagens da sua vida mas onde estava marcado é que me chamou demais a atenção. - Querido diário, hoje cheguei na casa do meu irmão, que cuidou de mim, me acolheu na sua casa e me confortou nos seus braços, nossa e que braços são aqueles. Deixou que eu ficasse no seu quarto, cuidou da minha janta e ainda ficou desfilando aquele corpão de uma lado para o outro em um short curtíssimo mostrando aquelas coxas grossas que ele tem – ahhhhhhhhh se não fosse o meu irmão – já teria dado para ele e aquele corno do meu marido iria pagar por tudo que esta me fazendo – que peitos são aquelessssss hummmmm Voltei rapidamente para o quarto deixei o diário com a caneta na mesma posição e ainda fiquei olhando o quanto ela era tesuda e gostosa e sem agüentar mais peguei o meu caralho e toquei uma punheta gostosa olhando ela toda esticada na minha cama. No dia seguinte fui trabalhar totalmente desorientado e louco para chegar em casa para vê-la, as horas demoravam a passar dava 20:00 horas mas não dava 18:00 horas, lá pelas 17 horas acertei com um amigo que precisava sair mais cedo, fui para casa correndo e assim que cheguei tive a visão do inferno, ela trajava um saia preta curtíssima e estava com a parte de cima de um dos seus biquínis que só tapava os bicos dos seios, o jantar estava pronto a mesa de centro estava posta para nós dois, ela veio até onde eu estava e me abraçou forte dizendo que estava com saudade, levantei o seu corpo e apertei ele contra o meu sentido os seus seios no meu peito, fui tomar um banho longo e demorado, fiz a barba me perfumei todo e sai apenas com uma sunga Box branca. Ela arregalou os olhos e sem esperar falou que eu estava querendo que ela fizesse uma besteira, eu na maior cara de pau perguntei por que? O que vc acha, estou a 15 dias sem transa com o filho da puta do seu cunhado e vc me aparece assim na minha frente vc esta querendo que eu faça uma besteira? Ou tudo ou nada, fui chegando bem perto dela, sabendo que a despertava em todos os sentidos e falando bem próximo da sua boca, estampando na minha testa – te quero também sua tesuda. O que esta esperando para fazer esta besteira, falei com os olhos bem fixos nos seus, que foram se fechando lentamente e logo as nossas bocas estavam grudadas eu já estava agarrando ela pela bunda onde encontrei uma calcinha que só tinha uma tirinha enfiada na bunda e de laçinho na frente, o meu caralho saia pela parte de cima da sunga Box, tudo tinha ido para o caralho, beijei a sua boca loucamente e fui arrancando o seu biquíni e tirando a sua calcinha que rasguei fácil as tiras laterias deixando ela com aquela mini saia que deixava ela mais tesuda. Usando toda a minha força virei o seu corpo sobre o meu ficando em pé segurando as suas coxas nos meus ombros e deixei a sua xoxota bem perto da minha boca enquanto ela já estava arriando a minha sunga e socava a boca inteira nos meus 20cm de cacete sem conseguir engolir ele totalmente, ficamos nesta posição até que virei o seu corpo e voltei a beijar muito a sua boca tesuda e carnuda deitei ela no sofá e pude contemplar a sua xoxota que era grande de lábios grossos e com um grelão que saltava entre os lábios a cada lambida que recebia e mais pontudo ficava parecendo um dedo de criança, nossa nunca tinha chupado uma buceta tão suculenta, ela melava o sofá de tanto que babava, mordi o seu grelo sem parar, virei ela de quatro no sofá e voltei a meter a língua na sua buceta por trás arrancando suspiros dela e logo enfiei a língua fundo no seu cuzinho fazendo ela gemer mais alto e pedir para que comesse o cuzinho dela com a língua que ela adorava dar o cú, o que me deixou mais louco ainda, fiz ela sentar no sofá e já sem a sunga boquetou o meu caralho gostoso, olhando nos meus olhos enquanto lambia o meu saco e o meu cacetão, mordia com um jeitinho tesudo a ponta da cabeça do meu pau me deixando louco. Sentei no sofá e puxei o seu corpo sobre o meu e ela pegando o meu caralho foi sentando até que o meu pau sumisse na xoxota suculenta dela voltamos a nos beijar e gemer ao mesmo tempo sentindo toda a minha carne invadindo as carnes dela, apertava o seu corpo junto ao meu, mordia o seu pescoço e logo voltava para sua boca, desci pelos seus seios mordendo os biquinhos e chupando cara aureola tesuda que ela tinha, enquanto ela gemia mais e mais e cavalgava o meu pau freneticamente e sem que esperasse soquei dois dedos no seu cuzinho fazendo ela jogar sua cabeça para trás e acabou gozando fartamente sobre o meu pau, que deliciaaaaaaaaaaaaaaaa como era tesuda a minha irmã e ainda com espasmos de um orgasmo alucinante, coloquei ela de quatro e mandei a vara na sua xoxota segurando ela pela sua cintura fininha e soquei fundo e rápido fazendo ela delirar e gemer sem parar quase desmaiando de tanto gozar e mais uma vez com o dedão da mão direita soquei sem dó no cuzinho dela e com as coxonas tremendo e mordendo uma das almofadas gozou mais uma vez melecando todo o meu pau e sem deixar ela tomar fôlego mirei o cacetão no seu cuzinho e fui empurrando até o talo fazendo ela gemer e chorar ao mesmo tempo, me chamando de malvado, que esta rasgando ela no meio, que ela agora seria a minha puta e que queria da um cu todas as vezes para mim. Acelerei os meus movimentos metendo cada vez mais e cada vez mais fundo até que sem agüentar mais gozei forte no seu rabo enchendo aquele cuzinho redondo de leite, cai sobre o seu corpo beijando as suas costas e mordendo o seu pescoço. Peguei ela no colo e fomos para o banheiro nos beijando sem parar, dei um banho gostoso nela lavando o seu cabelo e beijando a sua boca tesuda, fomos para a sala jantar e logo depois peguei ela de novo no colo e fomos para a minha cama onde dormimos agarradinhos a noite toda.



Gostou? Então Compartilhe!