RSS contos eroticos

Conto Erotico Meus pais me ensinaram na prática.

Devia ter uns 9 ou 10 anos quando comecei a perceber quer algo entre minha mãe e meu pai não era uma coisa normal. Quando eles recebiam em casa um casal de amigos, sempre me mandavam ir dormir mais cedo do que o costume. Desconfiada; mesmo com muito medo, passei a sair do meu quarto e ficar escondida atrás de um móvel no corredor pra espiá-los na sala. Logo no primeiro dia notei que o homem do lado da minha mãe ficava passando a mão em suas pernas e meu pai tão próximo da outra mulher que parecia que a ia beijá-la... Corri pro meu quarto e continuando a olhar apenas por uma fresta vi minha mãe indo para um quarto com o homem enquanto meu pai foi pro outro com a mulher. Passei sempre a ficar acordada e no dia quando os quatro foram pra apenas um dos quartos, sorrateiramente fui até a porta e com o ouvido colado na madeira fiquei ouvindo... Ouvi coisas que; mesmo com minha pouca idade, sabia exatamente que ali rolava uma troca de casais com o homem trepando na minha mãe e meu pai comendo a mulher do amigo; e até, como naquele dia, os quatro na mesma cama fazendo sacanagem juntos. Eu que sempre ficava nua e via constantemente minha mãe também nua, gostava de ficar admirando seu corpo com aqueles grandes peitos; sua enorme bunda e suas coxas roliças desejando ser igual a ela quando crescesse. Com meus 14 anos, minha mãe começou a me fazer perguntas sobre um garoto que estava sempre comigo, e mesmo dizendo pra ela que era somente amizade um dia me perguntou: - Ele já mostrou o pinto pra você? - Que isso mãe? Nunca dei essa liberdade pra ele não!!! Ela sentada na minha cama e rindo, me puxou pra perto dela e acariciando minha bunda: - É que você está cada dia mais linda filha; vai ser normal os garotos começarem a querer fazer algumas besteirinhas com você! - Que besteirinhas mãe? - Passar a mão na sua bunda; na sua xoxota e principalmente nos seus peitinhos! - É mãe? E o que eu devo fazer? - Você só pode deixar se você gostar muito do garoto; não vai deixar todos não; combinado? Fui ouvindo as explicações de como deveria agir e até onde eu poderia deixar que, no dia em que eu estava em seu quarto enquanto ela trocava de roupas resolvi também ser bem direta nas minhas perguntas e fui falando sobre o que eu desconfiava sobre ela e meu pai com o casal que costumava freqüentar nossa casa. Minha mãe ainda nua sentou do meu lado e me olhando fixamente: - Não vou te enganar filha; é isso mesmo que você pensa... Aquele homem faz sexo comigo enquanto seu pai faz com a mulher dele! - Mas mãe??? Isso não é uma coisa errada? - Não quando fazemos com o consentimento do outro... Isso é apenas um modo diferente de fazer sexo! - E quando vocês ficam os quatro dentro do quarto; o que acontece? - Hahahahahaha! Acontece de tudo filha... Um dia você vai aprender e vai entender o que um homem fez com uma mulher na cama! - Ah mãe... Me explica vai? Minha mãe resolveu me explicar; primeiro me pedindo pra ficar peladinha... Comigo deitada, ela acariciando meus peitinhos começou a falar sobre o homem chupar peitos e fez botando a boca no meu... Ela lambendo: - Está vendo filha? Não é gostoso? - Muito gostoso mãe!!! Depois de alguns minutos chupando meus peitinhos; ela passando o dedo na minha xoxota foi falando de como era gostoso sentir o pinto do homem sendo enfiado ali: - O mais gostoso é aqui filha... O pinto do homem fica entrando e saindo até fazer a gente gozar! - Passa mais o dedo mãe... Isso é muito bom...! - Hummmm sua safadinha; está parecendo a mamãe quando está transando... Vem cá; vem... Chupa o peito da mamãe; chupa! Foi assim que, dias depois eu e minha mãe passamos a ficar peladinhas com uma acariciando a outra até que recebi sua língua na minha xoxotinha... Tive o meu primeiro e intenso orgasmo... Dois meses se passaram quando minha mãe me pediu pra que, quando saísse do banho fosse até o seu quarto, e ainda: - Não precisa se vestir filha, vai só com a toalha sobre o corpo; tá bom? Mesmo achando estranho devido meu pai estar em casa; mesmo assim obedeci. Ao entrar no quarto enrolada na toalha meu pai e minha mãe estavam deitados debaixo do lençol e ela me vendo: - Pode chegar aqui filha... Vem; sobe aqui no meio... Sobe! - Mas estou nua mãe! - Não tem problema filha... Pode vir e entrar aqui debaixo do lençol; vem! Ela descobriu o próprio corpo pra que eu pudesse entrar também debaixo do lençol e vendo-a pelada já comecei a desconfiar de que algo estava pra acontecer. Ela mesma, tirando a tolha do meu corpo: - Papai vai te abraçar; tudo bem? Eu de costas pra ele, disse que sim e logo senti que também estava pelado e que me encostava algo bem duro na minha bundinha... Minha mãe levando a mão no meu peitinho e acariciando: - A partir de hoje, eu você e papai vamos sempre poder ficar assim peladinhos um perto do outro! Meu pai me abraçando mais forte e ajeitando aquela coisa; que só podia ser seu pinto entre minhas pernas, me beijando no pescoço; orelha e rosto: - Papai só quer ver você feliz filha... Está gostando de ficar peladinha junto com o papai? Eu que já tinha aprendido muita coisa com minha mãe; estava me deliciando com meu corpo nu entre os braços do meu pai: - Estou sim pai... Estou gostando muito!... Logo sua mão estava na minha xoxotinha e seus dedos na minha racha me fazendo ficar molhadinha... E minha mãe: - Quer ver o pinto do papai. Quer? Balancei a cabeça afirmamente e ele tirando todo o lençol deixando nós três expostos, ajoelhou na minha frente com seu pinto que pra mim era descomunal; mas que só tinha uns 18 cms e uns 6 de diâmetro: - Noooosssa... É muito grande mãe! - Hahahahaha! Não é não filha... Você é que não está acostumada... Pode botar a mão; vai! Meu pai teve que me ajudar pegando minha mãozinha e me fazendo segurar aquela coisa grossa e muito dura... Eu sorria toda satisfeita e minha mãe me pedindo pra deitar: - Hoje vai ser seu pai que vai te chupar! Toda serelepe, me deitei a fui abrindo minhas pernas pra receber aquela novidade que era a língua do meu pai... Foi uma loucura com meu pai chupando minha bucetinha enquanto minha mãe chupava gostoso meus peitinhos... Gemi; gritei; urrei até ter meu corpo vibrando num incrível e delicioso orgasmo. Ainda me recuperava quando vi minha mãe ficando de quatro e meu pai indo pra ela com aquele seu enorme pinto duro: - Fica olhando filha... Fica olhando papai meter na mamãe! De joelhos do lado dos dois e muito curiosa vi quando meu pai foi ajeitando seu pinto na entrada da buceta da minha mãe e em seguida ir enfiando lentamente... Minha mãe rebolava e gemia. Adorei ver meu pai gozando dentro da buceta da minha mãe. Passei a ficar constantemente com eles na cama, onde eu era chupada pelos dois e também aprendi; além de chupar minha mãe, chupar o pinto duro do meu pai e muitas vezes receber todo seu leitinho pra beber. Até que, meu pai no sofá da sala, me fez ficar peladinha e sentar no seu colo com ele colocando seu pau duro entre minhas pernas e encostado na minha xoxota. Depois de me fazer esfregar muito minha xoxota no seu pinto e de alisá-la com seu dedo deixando-a bastante molhada: - Tem vontade de deixar o papai comer sua bucetinha? - Muito... Sempre que eu vejo você metendo na minha mãe! - Quer ir lá pra cama comigo? - Você deixa a mãe ficar perto de mim? - Claro filha; ela já deve estar lá no quarto esperando por nós! Realmente, chegamos no quarto e ela deitada nua na cama e sorrindo: - Vai deixar o papai fazer sexo em você filha? - Vou sim... Mas será que vai caber o pinto dele na minha xoxota mãe? - Vai sim filhinha... Só vai doer um pouquinho na primeira vez; está bem? Depois de ele me dar algumas lambidas, fiquei de quatro devido minha mãe dizer que naquela posição seria muito mais fácil pro meu pai conseguir enfiar na minha bucetinha, e logo senti ele forçando seu pinto... Quando senti algo rasgando na minha bucetinha soltei um grito e minha mãe acariciando meu braço: - Calma filha... Calma que é assim mesmo; logo essa dor vai passar...! Fiquei chiando ainda por alguns minutos só sentindo aquela trolha grossa parada com apenas alguns centímetros dentro da minha ardida bucetinha... Ele também acariciando minhas nádegas: - Papai vai empurrar mais um pouquinho; ok? - Oooook pai... Vai... Aaaaaiiiiii... Para... Para pai!... Puxei um pouco de ar para meus pulmões e me enchendo de coragem: - Continua pai... Vai... Empurra tudo... Tuuuuudoooooooooo! Por alguns segundos tive a impressão de que meu pai estava me rasgando ao meio. Mas, quando ele começou a fazer aquele movimento de vai-e-vem passei a adorar sentir aquela coisa grossa e dura indo e vindo dentro da minha bucetinha que, apesar da dor tive um delicioso e indescritível orgasmo antes dele tirar e gozar esfregando seu pinto nas minhas nádegas. Passei a dar constantemente pro meu pai e, junto com minha mãe a fazermos um trio dos mais pervertidos na cama... Só sofri muito quando meu pai resolveu comer meu cuzinho. Minha mãe avisou de que o casal viria naquele final de semana e eu já muito safadinha pedi se pelo menos podia ficar dentro do quarto assistindo... Meu pai não concordou, mas permitiu que após meia hora deles trancados dentro do quarto todos continuassem pelados andando pela casa. Reunidos na sala, ele me chamou e me perguntou se eu gostaria de ficar também pelada. Ele próprio foi me ajudando a tirar as roupas num provocante strip-tease visto pelo casal onde o homem (Sr. Jaime) rapidamente ficou de pau duro... Um pau maior do que o do meu pai; porém mais fino. Sentei no colo do meu pai toda satisfeita por estar sendo vista peladinha pelo casal e comecei a alisar a piroca que estava muito dura no meio das minhas pernas... Ele chupou um pouco meus peitinhos e no meu ouvido: - Quer dar pro papai na frente deles? Excitadíssima disse que sim, e ele: - Então senta na pica do papai; senta! Ele me ajudou a ficar de pé e me puxando de volta fez com que minha bucetinha encostasse na ponta do seu pau: - Isso filha... Assimmmmm... Vem... Vem e desce a bundinha; desce! Era a minha primeira vez naquela posição e adorei sentir minha bucetinha escorregando no pau do meu pai e da satisfação do casal nos vendo... Meu pai com as mãos foi me ajudando a subir e descer no seu pau por uns longos e deliciosos minutos que só parei gritando que estava gozando. Ele me fez tirar minha buceta e fez um sinal pra minha mãe que rapidamente veio engolindo seu pau que não demorou pra esporrar tudo em sua boca... Depois, o Sr. Jaime começou a meter na sua própria mulher fazendo elogios pro meus pais: - Que filha maravilhosa que vocês têm; como eu gostaria de ter uma pra poder fuder assim gostoso! Meu pai parecia não ser um cara normal; quase todo dia, além de meter na minha mãe ainda me pegava e socava por vários minutos seu pauzão na minha bucetinha ou na minha budinha. Em uma conversa com minha mãe falei da minha vontade que tinha de poder ter um outro homem pra transar além do meu pai; e ela: - Arruma um namorado sua bobinha... É só obrigar ele a usar camisinha! - Não é bem isso mãe... Gostaria que o pai me deixasse ir também com o Sr. Jaime! - Mas ele tem muito ciúmes de você filha! - Ué!... Se ele deixa você transar com o Sr. Jaime; porque ele também não me deixa? Apenas disse que era pra eu ter um pouco de calma e dois dias depois me chamou dizendo que o Sr. Jaime viria até nossa casa; sem a esposa, mas que meu pai não poderia ficar sabendo. Apenas alguns minutos de conversa na sala, minha mãe mandou tirar minha roupa enquanto ela ia abrindo as calças do Sr. Jaime... Eu peladinha, fiquei vendo minha mãe chupando o pau do Sr. Jaime; até que: - Quer chupar um pouco filha? Ajoelhei entre as pernas do Sr. Jaime e comecei a chupar aquele cacete enorme que parecia ir ficando cada vez mais duro... Minha mãe me passou um envelope com camisinha e já bastante experiente rapidamente vesti a pica e desesperada subi de joelhos sobre o sofá fazendo minha bucetinha começar e engolir desde a cabeça pontuda até chegar com minha bundinha sobre as coxas do Sr. Jaime... Soquei minha bucetinha sobre o pau do Sr. Jaime com tanta vontade que bastou um minuto pra eu ter meu escandaloso orgasmo. Sem deixar seu pau sair de dentro da minha buceta, ele levantou do sofá me segurando pela bunda e caminhando um pouco foi me fazendo deitar de costas sobre a mesa da sala e segurando-me pelas pernas deixando praticamente minha bundinha pairando no ar começou um vai-e-vem tão forte que eu sentia seu saco batendo na minha bunda. - Ai mãe... Ai mãe... Vou gozar de novo... De novo mãaaaaae!!!! Eu e minha mãe viramos cúmplices uma da outra que, por muitas vezes trepamos juntas com o Sr. Jaime sem que meu pai soubesse, e, quando arrumei o meu primeiro namoradinho, eu com 15 e ele com 20 anos, deixei minha mãe trepar com ele fingindo de que nada sabia.