RSS contos eroticos

Conto Erotico Tia Kátia liberando geral...

Quando ainda um adolescente, eu era vidrado pelo corpo de minha tia Kátia (irmã de minha mãe) que era uma verdadeira boazuda: - Peitos volumosos; bundão redondo provocante e coxas atléticas... Só que era baixinha: 55 mts e talvez uns 42 kgs... Toquei muita punheta em sua homenagem vendo-a de shortinhos colantes e blusinhas apertadas que deixavam transparecer até os biquinhos dos seus seios. Cresci e fui obrigado a esquecer um pouco de tia Kátia pra me dedicar as meninas da minha idade (17/18 anos) que davam sopa e muitas já utilizavam o sexo como meio de divertimento. Estava com meus 23 anos e por quase uma obrigação tive que ir ao casamento do filho do sócio de meu pai em que ele e minha mãe seriam até padrinhos de casamento. Sem minha namorada que estava viajando; fiquei mais contente quando soube que tia Kátia viria pra nossa casa pra também ir ao casamento sem o chato de seu marido... Tia Kátia estava com uns 35 anos e ainda mantinha praticamente o mesmo corpo de anos atrás. No salão do clube onde foi a festa é que tive o prazer de ser praticamente a companhia pra tia Kátia... Bebidas à vontade; foi-nos servido whiskey e champagne. Houve o momento da valsa em que os convidados foram chamados pra participarem e tia Kátia me puxou. Dançamos e voltamos pra mesa onde serviram mais bebidas... Mais músicas e agarradinho com tia Kátia no meio do salão; ela bem mais grudada ao meu corpo: - Adoro champagne; só não posso abusar, sou fraca com bebida!... Tia Kátia estava com um vestido bastante decotado que me fazia imaginar minhas mãos apalpando aqueles apetitosos melões; joguei charminho: - Não se preocupe tia; se ver que está ficando bêbada eu te levo embora daqui!... Ela rindo: - Hahahahaha! Só espero que não precise me carregar no colo!... Continuamos a dançar e ela: - Ó! Se eu ficar muito bêbada não vai querer abusar de mim, heim?... Meio atrevido: - Do jeito que você está linda acho que não vou resistir!... Ela sorriu: - Isso quer dizer que vai abusar, é?... Arrisquei: - E se eu abusar tia?... Novo sorriso e: - Normalmente eu acordo no dia seguinte e não me lembro de nada de quando estou muito bêbada!... Dei-lhe um arroxo mais atrevido: - Vamos voltar pra mesa e beber mais um pouquinho?... Voltamos e ela tomou mais uma taça de champagne e minutos depois falando pra minha mãe: - A festa está ótima, mas, acho que vou chamar um táxi pra me levar pra casa!... Aí começou aquela coisa de: então vamos todos embora – não; eu vou sozinha e blá, blá, blá. Eu fingindo estar meio alheio a tudo: - Eu também estou a fim de ir embora; a tia pode ir comigo!... Minha mãe que sempre gostou de festas: - Isso filho; estão leva sua tia lá pra casa que já deixei o quarto de hospedes arrumado!... Tia Kátia levantando ainda virou um pouco mais de bebida. Entrou no meu carro: - Que ótimo você poder me levar; já estava começando sentir as paredes do salão começando a girar!... Não sei se era fingimento; mas quando cheguei em casa tia Kátia parecia estar dormindo no banco do carona. Coloquei o carro na garagem e depois de abrir a porta fui pra ajudá-la que apoiada no meu ombro chegou até o sofá. Tranquei o carro e a casa: - Vamos tia; vamos que eu te levo pro seu quarto!... Novamente, sem saber se fingia ou não, praticamente tive que leva-la no colo. Coloquei-a na cama e ela ficou toda esparramada como se realmente estivesse bêbada... Podia até estar um pouco altinha, mas a ponto de perder o juízo tinha certeza que não. Mesmo assim resolvi que era minha única chance de tentar alguma coisa; sacudindo-a: - Posso te ajudar a trocar de roupa tia?... : - Hããããã; quem tá aí?... Abri o fecho em suas costas e obrigando-a a ficar de pé, com muito custo fiz com que o vestido chegasse até sua cintura. Sentei-a e ficou mais fácil pra terminar de tirar seu vestido e descobrir que ela nem usava sultiã... Deixei com que seu corpo ficasse esticado sobre a cama e fui trêmulo tirando sua calcinha descobrindo que ela mantinha sua buceta raspadinha. Deitei ao lado do seu corpo e fui chupando seus suculentos seios e quando levei a mão em sua buceta descobri que estava bastante úmida: - Tia??!! Tia??!! Está me ouvindo?... : - Hããããã hããããã??... Parecia que ela queria continuar fingindo. Arriei minhas calças e de pau muito duro fui abrindo suas pernas até que consegui encostar na sua buceta... Mesmo de olhos fechados tia Kátia deu uma mexida com o corpo facilitando o início da penetração. Enterrei até o saco e quando comecei a socar ela não conseguiu segurar seu fingimento: - Aaaaah Aaaaah! Hummmm! Hummm! O que você está fazendo?... : - Pode abrir os olhos tia; sou eu Nélio, seu sobrinho!... Ela abriu e fingindo estar surpresa e sem parar de gemer: - Nélio????? O que está acontecendo?... Eu dando a melhor trepada da minha vida resolvi ser cínico: - Estou aproveitando que você está bêbada; amanhã você não vai se lembrar de nada, não é?... Ela me abraçando e levantando as pernas: - Aaaah, mete Nélio! Mete na sua tia bêbeda... Ohhh meu Deus, como é gostoso!... Estava tentando retardar meu orgasmo quando ela escandalosamente começou a se debater sobre a cama gritando pra que eu metesse com mais força que ela estava gozando... Meti bombando com todas minhas forças e ao mesmo tempo esporrando tudo em sua buceta. Ela voltou a fechar os olhos e eu dando alguns beijinhos nos bicos duros de seus seios: - Tia??!!! Vou sair pra você poder colocar sua roupa de dormir, tá bom? Boa noite!... Fui pro meu quarto e minutos depois ouvi barulho dela indo até o banheiro. Acordei e estava na cozinha fazendo um lanche quando ela apareceu trajando uma camisola e normalmente: - Bom dia Nélio!...: - Bom dia tia; dormiu bem?... : - Dormi como uma pedra!... Não falou mais nada e resolvi deixar com que ela continuasse a fingir de que nada tinha acontecido entre nos dois. Voltamos a nossa rotina e duas semanas ela ligou pro meu celular (eu estava no meu quarto): - Nélio; naquela noite aconteceu alguma coisa?... : - Aconteceu sim tia, você não se lembra?... : - Lembro como se estivesse sido um sonho!... : - Não foi sonho não tia; aconteceu de verdade e acho que você gostou!... : - Eeeeuuu? Como? Fique sabendo que eu nunca traí meu marido!... : - Tudo bem tia, mas naquela noite você bebeu um pouco!... : - E você abusou de mim, não foi?... : - Abusei sim e se tiver outra oportunidade vou abusar de novo!... Tive a impressão de que ela sorriu do outro lado da linha: - Não sabia que você era tão safado!... : - Quem mandou você ser uma tia tão gostosa?... Ela ficou em silêncio e resolvi arriscar: - Minha vontade é poder ficar com você num lugar bem tranqüilo!... Percebi que ela deu um suspiro longo: - Onde seria esse lugar?... : - Ué tia; teria que ser num motel!... : - Deus me livre; eu uma mulher casada num motel com um rapaz solteiro?... Ficamos conversando mais alguns minutos e como não chegávamos a um acordo: - Eu adoraria poder te beijar todinha tia: seus peitos; sua bunda gostosa e meter bastante nessa sua bucetinha raspadinha e inchada!... : - Noooossssa Nélio!!!! Como você tem coragem de falar essas coisas comigo?... : - Eu sei que está gostando tia; sua buceta deve estar molhadinha, não está?... Alguns segundos: - Ai meu Deus do Céu; está sim, está bastante molhada!... Imaginando de que ela tinha colocado a mão em sua buceta: - Mexe seus dedos na sua buceta e fica imaginando meu pau duro entrando gostoso até o fundo!... : - Hummm... Estou mexendo Nélio... Quero seu pau todinho na minha buceta!... Adorando aquela sacanagem pelo telefone fui dando corda: - Enfia o dedo na buceta e fica socando até gozar tia!... Tá metendo o dedo tia???... : - Aaaiiiiii... Aaaaiiii! Estooouuuu... Ooooohhh! Como sou safada!... : - Você é uma safada deliciosa tia, você não imagina como meu pau está duro de vontade de te comer todinha!... Ela gemendo, parecendo que estava gozando realmente: - Aaaah! Aaaaah! Então me come; me vire do avesso; me faça sua escrava; quero virar uma puta!... Nessa conversa toda cheguei a conclusão de que meu tio não devia estar comendo minha tia a muito tempo e que ela estava a ponto de subir pelas paredes... Resolvi dar a cartada final: - Que hora que eu posso te apanhar amanhã tia?... Ela ainda ofegante: - Seu tio sai pra trabalhar as 8:00 horas; pode ser as 9:00 horas no ponto de ônibus perto de casa?... Acordei e sai normalmente como se fosse pra faculdade e fui direto (meia hora de carro) pra perto da casa de tia Kátia. De onde estava parado vi quando ela saiu de casa e foi caminhando para o ponto de ônibus que ficava a uns 200 metros. Esperei alguns minutos e parei ao lado do ponto abrindo a porta... Ela estava vestida discretamente; porem, linda e exalando aquele cheiro delicioso de fêmea que fez meu pau ficar duro na hora: - Nunca entrei num motel Nélio; não tem perigo de algum conhecido nos ver?... Ela amarrava um lenço no cabelo e tinha óculos grandes e escuros: - Claro que não tia; vou te levar num dos melhores e mais discretos!... Entrei no motel e colocando o carro na garagem do quarto percebi todo seu nervosismo. Abracei-a ainda no carro e lhe beijei a boca loucamente: - Vamos tia; vamos que estou louco pra te ver peladinha!... Nem bem tranquei a porta voltei a lhe beijar e a suspender seu vestido. Ela me ajudando a despi-la: - Meu coração parece que vai sair pela boca; estou muito nervosa, nunca fiz isso na minha vida!... : - Relaxa tia; esquece de tudo e só pense no que viemos fazer aqui no motel!... Ela tirando a última peça que era a calcinha; enquanto eu tirava minhas roupas, e jogando-a pro alto: - É mesmo; que se foda todo mundo... Já que nem marido me procura mais, revolvi que vou liberar geral e deixar você me ensinar a ser uma puta bem safada!... Fomos pra cama e depois de alguns minutos de beijos na boca e nos seus suculentos seios; ela começou a me surpreender ao segurar minha piroca e após examiná-la por alguns segundos deu alguns beijinhos da ponta: - Se quiser chupar; pode chupar tia!!!... Ela parou e me olhando: - Agora não; agora eu quero é sentir essa coisa dura toda dentro de mim!... Tia Kátia aproveitando minha posição sobre a cama, veio pra sobre meu corpo e descendo sua linda bunda foi se posicionando até que começou a fazer sua buceta engolir meu cacete: - Oooooh! Que delícia... Ahhhhhhh! Ahhhhhhhh!... Nem bem meu cacete desapareceu, ela começou a subir e descer fazendo meu pau bater lá no fundo do seu útero... Dois minutos, ela parou ofegante e eu comecei a socar de baixo pra cima: - Oh tia, tia! Que buceta maravilhosa!... Ela voltou a comandar o ritmo socando sua buceta em cima do meu pau até parar e urrando feito uma cadela no cio: - Ohhh! Ohhhh! Vouuuuuuu gooooooozaaaarrrrrrrrrr!... Empurrei seu corpo pra que ela deitasse na cama e sobre seu corpo dei mais algumas socadas e deixei meu pau inundar sua buceta com todo meu esperma. Meia hora de descanso é já estávamos no rala e rola novamente, e já que meu tio não estava usando resolvi dar umas lingüadas em sua buceta pra fazer com que ela também me desse uma mamada... Com nossos corpos lado a lado, e na posição de 69 com minha cara enviada no meio de suas pernas, comecei a lamber e mandei que ela também colocasse meu pau em sua boca... Mesmo sem ter experiência e muito sem jeito, tia Kátia me fez um divino boquete e ao sentir que ela gozava quase esmagando minha cabeça com suas grossas coxas, explodi dentro de sua boca... Ela engasgou; tossiu e depois com a cara mais lavada do mundo disse que tinha adorado o gosto da minha porra. Tia Kátia gostou de ir ao motel e cada vez que saíamos; passamos a ir a motéis diferentes... E em cada motel tia Kátia ia se tornando cada vez mais safada e pronta pra novas experiências sexuais; até dentro da garagem do motel com ela debruçada sobre o capô do carro fizemos sexo. Depois de termos conhecido praticamente todos motéis da redondeza, tia Kátia resolveu de que tínhamos que fazer sexo em sua casa e na cama em que ela dormia com o corno... Fiquei com receio e ao mesmo tempo excitado com aquela possibilidade. Foi uma das minhas mais excitantes trepadas sabendo da possibilidade de ser pego peladão na cama de outro homem e ainda por cima fodendo sua mulher. E foi em sua própria cama que tia Kátia me fez um pedido bem estranho: - Bate na minha cara e me chama de vagabunda!... Fiquei por alguns segundos sem entender direito e ela insistiu: - Gosto de sentir dor Nélio; quero que você judie bastante de mim... Vai Nélio; pode bater!... Dei-lhe um tapinha de leve no bochecha: - Mais forte Nélio; mais forte!... Dei mais dois tapas sem muita força; somente o suficiente pra estalar: - Oooooh que delícia! Bate mais! Mais!... Comecei a sentir prazer; mesmo não querendo machucá-la de verdade: - Toma! Toma puta sem vergonha! Vou te arrebentar de pancadas!... Achando de que não devia continuar a dar-lhe tapas no rosto, fiz com que ela ficasse de bruços e vendo aquelas nádegas volumosas dei-lhe um tapa forte que minha mão ficou marcada: - Aiiiiiiiiiiii! Aiiiiiiiiiiiiiiiiiii!... Minha excitação foi aumentando e sem parar de bater em sua bunda: - Fica de quatro cachorra! Fique de quatro que vou te arregaçar toda!... Como minha pica já estava bem molhada com seu líquido vaginal; ao colocar sobre seu cuzinho: - Ai não; ai não! Na minha bunda não! Por favor!... Ela reclamou, mas continuou ali rebolativa sabendo que eu estava pronto pra foder seu cú. Dei-lhe mais alguns tapas na bunda: - Cala a boca piranha! Cala a boca!... Fiz muita força pra conseguir colocar a cabeça da minha pica pra dentro: - Aaaaaiiiiii! Aaaaiiiiiii! Que delíiiiiicia... Enfia tudo! Tuuuuuudo!... Sabendo que a dor estava lhe dando prazer, fui com toda minha força até que fiquei com meu corpo grudado em sua bunda: - Mete! Mete! Mete! Aaaaaaah, como isso é gostoso!... Me fiz de um animal socando violentamente; enquanto puxava seus cabelos: - Tá gostando; tá gostando de dar o cú puta sem vergonha?... Tia Kátia até rebolava: - Estou adorando; me rasga toda! Vai! Vai!... Pra mim foi tão louco que gozei feito um jumento dentro do cú de minha tia. Um ano depois, tia Kátia largou do meu tio e foi morar com um outro homem... Mesmo assim de vez em quando me liga pra irmos a algum motel.