RSS contos eroticos

Conto Erotico Vovô, mamãe e eu...

Esta história aconteceu quando eu estava com meus 17 para 18 anos. A casa em que fui criada com meus pais ficava em um terreno cedido pelo meu avô materno onde ele residia... De uma casa na outra bastava dar meia dúzia de passos. Quando minha avó se foi, vovô ficou extremamente triste... Apesar de ele ter seus quase 58 anos, era super carinhoso com ela. Mamãe passou a ficar preocupada quando percebeu que vovô ficava praticamente o dia inteiro sentado numa cadeira de balanço na varanda sem se alimentar direito e sem se interessar em nem tomar um banho. Papai começou a reclamar quando minha mãe passou a ficar muito tempo na casa do vovô... Notei que os dois começaram a discutir. Mamãe passou a cuidar do vovô somente no período em que meu pai estava trabalhando, e nos finais de semana ela apenas lhe levava almoço e o jantar. Sabia que mamãe estava na casa do meu avô, e encontrando a porta da cozinha aberta fui entrando... Parei na sala vendo que minha mãe estava dando banho em meu avô sentado em uma cadeira. O corpo de mamãe atrapalhava de eu ver direito; mas, mesmo que por alguns segundos tive a impressão de ter visto algo extremamente anormal no colo do vovô: parecia que ele estava de pau duro... Saí de fininho e voltei pra casa. Dias depois, resolvi contar pra minha mãe que tinha visto dando banho no meu avô e ela fez-me entender que meu pai não podia ficar sabendo... Perguntei-lhe dos finais de semana em que ela só lhe levava comida e ela me explicou que ele às vezes tomava banho sozinho; mas que normalmente ficava sujo até na segunda-feira. Num domingo, minha mãe ia sair com meu pai e deixou o almoço pra que eu levasse pro meu avô. Onze horas; dei uma esquentada na comida e fui levar... Entrei pela cozinha e após dar um beijo no meu avô: - Pô vovô; você já tomou seu banho?... Ele deu desculpa que tomaria mais tarde: - Acho que mamãe lhe deixou muito mal acostumado lhe dando banho!... Ele me olhou surpreso: - Ué; como você sabe que ela me dá banho?... : - Eu já vi vovô; mas acho que você ainda está bem forte pra precisar sentar numa cadeira e alguém lhe lavar!... Ele abriu um sorriso: - Você é que não sabe como é bom ter alguém pra lhe esfregar todo seu corpo durante um banho!... : - Não sabia que você fosse tão sem vergonha assim vovô!... : - Não sou não meu anjo! Só acho que na minha idade preciso aproveitar qualquer momento que possa vir a me dar prazer!... : - Tá bom! Tá bom vovô; mas vai tomar um banho, vai!... Ele concordou, mas fez uma simples observação: - Adoraria se você me ajudasse a tomar meu banho!... : - Que isso vovô? Fazer uma proposta indecente dessa pra sua netinha ainda tão inocente?... Ele caminhando pro banheiro: - Hummmm! Acho que você não é tão inocente assim; não é?... Fui atrás dele adorando aquele jogo de palavras: - Porque você está falando isso?... Ele já no meio do banheiro e eu na porta: - Você com um corpinho lindo desse, já deve ter algum namoradinho lhe dando alguns esfregas; acertei?... Curiosa pra saber se ele ia ter coragem pra tirar toda roupa comigo ali parada na porta: - Ué vovô; faço o que as meninas da minha idade fazem!... Ele arriou a bermuda: - E o que as meninas da sua idade fazem?... Quando o vi segurando sua cueca samba-canção pensei em me afastar, mas permaneci parada querendo justamente ver: - Hahahahaha! Isso é coisa que a gente não fala pra ninguém vovô!... Fiquei um pouco assustada ao ver a mandioca do vovô que mesmo mole era maior do que o pinto do meu namorado: - Mas pra mim pode falar o que quiser; você sabe que jamais vou contar pra sua mãe; certo?... Ele debaixo do chuveiro foi me deixando abismada ao ver que apesar da idade avançada, sua pica começou a crescer e a ficar cada vez mais dura: - Eu sei vovô; mas mesmo assim não dá pra contar!... Ele fechando o chuveiro e fazendo sinal com a mão pra que eu me aproximasse: - Dá pra você esfregar minhas costas?... Peguei a bucha e fui passando: - Qual o problema de você me contar que já faz sexo com seu namorado?... Fiquei calada e ele virando: - Quer lavar ele pra mim? Não precisa da bucha; só suas mãos!... Como fiquei indecisa, ele mesmo pegou minha mão e fez com que eu segurasse sua enorme e grossa pica. Estava tão excitada que não resisti... Fiquei alisando, mesmo com o chuveiro fechado: - Você já mamou seu namorado?... Rapidamente analisei o tamanho daquele cacete em relação à minha boca: - Ainda não vovô!... pensei: sempre tive vontade, mas meu namorado parecia ser contra o sexo oral: - Quer chupar o vovô?... : - Será que eu consigo? É muito grande!... Ele segurando minha cabeça e fazendo descer meu corpo até chegar com minha boca perto da sua piroca: - Você consegue; tenta pra você ver!... Abri minha boca ao máximo e consegui envolver a cabeçorra: - Iiiisssoooo meu anjo! Agora vai, mexe com a língua: asssssimmmm!... Minha buceta estava encharcada que sentia o líquido escorrendo pelas minhas coxas. Pra mim estava sendo uma novidade muito gostosa chupar um cacetão como do vovô que por pouco não gozou dentro da minha boca... Vovô fez-me abrir a boca e virando a pica para um canto do box foi soltando uma quantidade enorme de porra. Eu estava tão feliz que deixei ir tirando minhas roupas: - Vou te dar um banho e levar você pra cama!... Fiquei toda arrepiada com ele apalpando meus dois seios antes de acabar de tirar toda minha roupa: - Puta que pariu Carla; você está tão gostosa quanto sua mãe!... Vovô estava tirando minha calcinha, e, com aquelas suas palavras comecei a ter quase certeza que ele andava fazendo algum tipo de sacanagem com minha mãe – Será que ele está trepando com ela?... Pensei. Vovô já tinha me colocado debaixo do chuveiro e esfregava todo meu corpo me fazendo voltar a pensar: - Será que ele vai querer me comer? Será que ele vai conseguir ficar de pau duro de novo?... Ele lavando minha bucetinha é que fui saber que não seria daquela vez que ele ia querer me comer: - Vamos lá pra cama que eu quero sentir o gostinho da sua bucetinha!... Ansiosa e sem um pingo de vergonha do meu avô fui com ele pro quarto e ele ao me fazer deitar de costas sobre a cama, abriu minhas pernas e começou a lamber minha buceta. Nunca poderia imaginar que ter uma língua sendo esfregada na buceta fosse tão prazeroso: - Ahhh! Ahhh! Que delicia vovô! Enfia a língua! Enfia a língua na minha buceta! Oooooh! Ooooooh! Vou gozar! Vou gozaaarrrrr!... Nunca tinha gozado tanto na minha vida: - Vovô!!?? Você faz essas coisas com a mamãe?... Ele deitado do meu lado acariciando meus peitinhos: - Porque você está me perguntando?... : - Se você me contar, eu conto tudo o que eu faço com meu namorado!... Ele beijando meus peitinhos: - Primeiro você me conta; depois eu conto sobre eu e sua mãe; combinado?... Mas foi vovô quem foi direcionando nossa conversa: - Você gosta de dar a bucetinha pro seu namorado?... : - Hihihihi! Claro né vovô! O difícil foi deixar a primeira vez; mas depois passei a gostar!... : - Você só deixa na frente; ou deixa botar na sua bundinha também?... Olhando pra cara do meu avô; sorri já imaginando o que passava naquela cabeça de velho safado: - Deixo sim; parece que ele gosta mais da minha bundinha do que da minha xoxota!... Ele me fazendo virar meio de lado e passando a mão nas minhas nádegas: - Também, com uma bundinha gostosa dessa; até eu!!!... : - Mas e a mamãe; você vai me contar?... : - Você promete que vai guardar segredo?... Praticamente ele estava me confessando que tinha algo com minha mãe: - Prometo vovô, você guarda meu segredo que eu guardo o seu!... Foi minha vez de ir lhe fazendo perguntas e ele me respondendo. Fiquei sabendo que ele e minha mãe faziam de tudo; ela só não deixava na bundinha. Pra eu e vovô voltarmos a fazer mais sacanagem, foi uma dificuldade. Durante a semana eu via minha mãe indo pra casa do vovô e ficava imaginando ela sendo fodida por aquela deliciosa piroca. E nos finais de semana ficava com medo de ir e ser flagrada. Mas, aí veio uma notícia que me deixou feliz e minha mãe triste; meu pai estava saindo de férias e queria viajar por alguns dias pra visitar seus pais (meus avós paternos) que moravam em outro estado. Ao ver minha mãe tentando arrumar uma pessoa pra cuidar do meu avô, e como eu não poderia ir com eles devido aos meus estudos: - Pode ir tranqüila; eu cuido do vovô!... Ela franziu a testa: - Você sabe que pro seu avô, não é só alimentação, tem o problema do banho!...: - Você disse que quando ele quer; ele toma banho sozinho, eu faço ele tomar ué!!!... : - Não é simples assim filha; você não imagina como seu avô anda teimoso!... Sabendo das safadezas que ela fazia com meu avô, resolvi deixa-la com a pulga atrás da orelha: - Se for preciso eu dou banho dele; qual o problema?... : - De jeito nenhum que uma menina como você vai se sujeitar a ver um velho daquele nú!... : - Ih mamãe!!! Larga de ser boba; não está vendo que sua filhinha já cresceu?... Acho que minha mãe percebeu o que eu falei, e: - Tudo bem filha; mas cuidado que seu avô ainda tem certos desejos!... Tive que me segurar pra não rir: - Desejos sexuais mamãe?... Ela começou a gaguejar, e acho que terminei a discussão: - Pode ficar tranqüila que eu vou contornar esse problema do mesmo jeito que você faz!... Acordei no sábado com minha mãe e meu pai indo ao meu quarto se despedirem de mim. Olhei pela janela e vi meu avô sentado na varanda. Trajando uma camisola curtinha fui até a porta e o chamei pra tomar café comigo. Eu preparando o café, vovô levantou da cadeira e veio me agarrando por trás: - Sabe que sua mãe me fez prometer que não vou abusar de você?... Ele suspendendo minha camisola com a nítida intenção de tirá-la de sobre meu corpo: - E você prometeu vovô?... Tirou minha camisola e arriou minha calcinha até o meio das minhas coxas: - Prometi e vou cumprir!... Quando ele segurou-me por trás segurando meus dois peitinhos (estava sem sultiã): - Ué vovô? Mas o sr. já está me deixando pelada!!??... Senti que ele tinha arriado sua bermuda e encostava seu pau na minha bunda: - Só estou fazendo um pouco de carinho!... Deixei a máquina fazendo o café e levei a mão pra trás segurando sua mandioca: - Tem certeza que o Sr. vai conseguir ficar sem abusar de mim?... Ele deixou uma das mãos no meu peito e a outra ele levou pra minha bucetinha: - Você já foi abusada pelo seu namorado; não foi? Eu só vou aproveitar que o buraco já está aberto!... Eu o punhetando enquanto ele socava dois dedos na minha buceta: - Você é um grande safado vovô!... Ele me puxando, sentando em uma cadeira e me ajeitando sobre suas pernas: - Você deve ter puxado pelo seu avô não é? Pelo que estou vendo você também adora uma sacanagem!... Hummm! Adoro vovô! Ainda mais depois que conheci essa pirocona gostosa!... Ávida pra sentir aquela tora me fudendo, eu mesma fui me posicionando de frente pro meu avô que já estava com a pica bastante dura. Nas pontas dos pés consegui botar minha pequena bucetinha sobre a ponta daquela tora e somente quando tentei descer é que fui perceber que não ia ser fácil... Aquela piroca três vezes mais grossa do que a do meu namorado fez todos meus pêlos ficarem arrepiados quando meus lábios vaginais envolveram a ponta que era a parte ainda mais grossa: - Ufa! Ufa! Ufa! Puta-que-pariu vovô! Aiiii! Aiiiiiiii!... Devo ter feito uma careta bastante feia até conseguir sentar no colo do meu avô. Com a sensação de ter sentado num cano de ferro e já com meus pés apoiados no chão, comecei lentamente a subir e a descer minha buceta naquele grosso cano. Ele me ajudando com as mãos debaixo da minha bunda: - Que delícia meu anjo; vai! Vaiiiiiiii! Que bucetinha gostosa meu Deus!... Eu apoiando minhas mãos em seu ombro fui ficando descontrolada que pulava feito uma louca até ter um orgasmo que veio lá do fundo da minha alma: - Haaaaaaaa! Haaaaaaa! Hummmmmmmm!... Fiquei toda mole que se não você meu avô forçar meu corpo pra cima até minha buceta soltar sua pica; ele tinha gozado tudo dentro de mim. A noite, depois que minha mãe ligou pra saber se estava tudo bem, tranquei a casa e fui só com a camisola sobre o corpo pra dormir com meu avô. Peladinha na cama, tive meus peitinhos sugados e depois minha buceta sendo quase engolida por aquela enorme boca que me lambeu por vários minutos... Devido a sua idade, achava que íamos ficar somente na língua quando ele foi subindo pra cima do meu corpo procurando com a mão que segurava seu pinto a entrada da minha buceta. Levantei o máximo minhas pernas sentindo; toda arrepiada, aquele pau de jumento alargando minha buceta: - Vai vovô; enfia tudo! Tudo! Aiiii Jesus! Assimmmm vouuuuuu moooorrerrrrr! Aaaaaah!Aaaaaaah!... Uma dúzia de socadas eu já estava me derretendo num divino orgasmo. Vovô continuou me fudendo por mais alguns minutos antes de tirar pra gozar sobre meu corpo... Depois deitou do meu lado muito ofegante que tive medo dele ter um piripaque. Nos dois dias seguintes vovô não meteu em mim, ficamos somente nos carinhos e banho de língua. Do colégio, passei no restaurante pra pegar a nossa janta e ao entrar na casa do vovô o encontrei no banho... Despudorada, me despi rapidamente e entrei no box com a intenção de fazer aquela pica ficar bem dura pra me foder. Vovô me abraçava passando as mãos nas minhas costas e principalmente na minha bunda e eu segurando sua piroca... Quando senti que estava querendo adquirir vida, agachei e passei a mamar aquela mangueira: - Adoro essa sua safadeza minha netinha; chupa! Faz ficar bem duro pra entrar na sua bundinha!... Quando ele falou “bundinha”, involuntariamente travei meu ânus só de imaginar aquela enorme rola comendo minha bunda: - Mas vovô? Não quer deixar a bundinha pra outro dia?... Ele puxando meu rosto pra que eu continuasse mamando sua pica que já estava quase no tamanho ideal: - Ah meu anjo; vai negar sua bundinha igual sua mãe?... : - Tá bom vovô; então eu deixo!... Só não esperava que ele fosse querer ali mesmo dentro do banheiro. Vovô me fez reclinar o corpo e após pegar um vidro de óleo para o corpo e passar no seu bilau e sobre meu ânus: - Você tem uma bunda lindíssima meu anjo!... Apoiei minhas mãos na parede e vovô arqueando um pouco o corpo, colocou a pica e deu uma empurradinha fazendo entrar a cabeça... Parecia até que nunca tinha dado a bundinha antes: - Aaaaaaiiiiii! Aaaaaiiiiiii!... Meio que debaixo pra cima, vovô deu uma estocada que mais da metade da sua grossa piroca entrou pra dentro do meu rabo: - Puta-que-pariu vovô! Quer me matar é?... Ele segurando minha cintura com as duas mãos deu outra estocada que senti sua virilha bater na minha bunda. Minha impressão era de que seu pau ia me atravessar toda e sair pela minha boca quando ele começou a socar. Começou lento e de acordo com que eu ia diminuindo meus gritos ele ia aumentando a força das estocadas... Meu cuzinho já tinha se acostumado com aquela tora quando senti que ele segurou seu pau lá no fundo do meu rabo e despejou uma enorme quantidade de esperma. Quando mamãe voltou, a primeira coisa foi querer saber como tinha sido os dias com meu avô; e não demorou pra ela me perguntar se ele tinha tentado fazer alguma coisa comigo... Devolvi: - Porque mamãe? Ele tenta com você?... Ela ficou me olhando sem saber o que responder; resolvi abrir o jogo: - Pode falar mamãe! Do mesmo jeito que eu não consegui resistir; você também não, não é?... : - Do que você esta falando filha?... : - De sexo mamãe; vovô tem um belo pinto, não tem?... Ela sorriu meio sem jeito; e a partir daquele dia passamos a revezar com o vovô.