RSS contos eroticos

Conto Erotico SURUBA, ENTRE CASAL DE AMIGOS E TRAVESTI.

SURUBA, ENTRE CASAL DE AMIGOS E TRAVESTI Meu nome é Antonio, mas alguns amigos me chamam de Tony, tenho 32 anos e sou separado, fui casado por mais de 7 anos com uma mulher bonita, pode- se dizer , Ana é nome dela também com 32 anos, nos separamos pois ela conheceu um outro cara , ai houve a traição e o casamento acabou, por mim poderíamos continuar casado, pois aceitariam bem o caso dela, mas ela achou melhor cada um seguir seu caminho, bom mas não é este o relato que vou contar pra vocês leitores amigos. Quando ainda era casado, eu minha esposa conhecemos um casal de amigos, vindos de São Paulo, Marcos e Luana, transferidos da matriz de nossa empresa, por motivos de sigilo não vou mencionar o nome, chegando a nossa cidade interior de São Paulo, não é uma cidade pequena, mas, as fofocas se espalham bem rápido, eles eram diferentes- se destacavam em relação ás outras pessoas, um casal lindo, eu rapidinho fiquei com um enorme tesão pelo casal, já que com freqüência fazíamos festinhas na piscina , e eles colocavam biquínis e sunga bem apertado no corpo, Luana tinha belos seios e pernas bunda um tesão, já Marcos possuía um corpo de dar inveja, barriga tanquinho, e um pau que parecia que ia sair fora da sunga, grande e grosso. Um belo domingo marcos que havia bebido um pouco demais confidenciou que ele e Luana praticava o swingue, e que ele adorava ver sua esposa sendo comida por outro(s), ao mesmo tempo, e que ela estava com maior tesão por mim e pela Ana, como eu conhecia bem minha esposa já me adiantei, falando pro Marcos que ela jamais faria isso, já no meu caso era diferente, se fosse pra ser sigiloso eu adoraria enrrabar aquela bunda gostosa da mulher dele, mas tinha uma condição, como ele me revelou seu segredo, eu iria contar o meu, pois eu era bi-sexual, minha mulher não sabia, quando eu viajava a serviço, pra São Paulo ou outra capital, sempre procura companhia de um garoto de programa ou uma travesti, pois tenho o maior prazer em chupar um belo cacete, e se transformar em mulherzinha deles, por incrível que pareça Marcos já algum tempo, palavras dele, tava louco de vontade de comer minha bundinha, como malho bastante e também pratico luta, eu tinha o corpo bem definido, e uma bunda de dar inveja, depois das revelações de ambos, combinamos um encontro pro dia seguinte na casa do Marcos, pois neste dia Ana estaria de plantão no hospital ela é enfermeira num dos hospital da cidade. Quando chegou o dia combinado, parecia que a hora não passava, foi longo o dia e as tarefas diárias parecia intermináveis. Quando caiu a noite cheguei em casa Ana já havia saído pro trabalho, seria doze horas de plantão, tomei banho, me troquei e fui rápido ao meu encontro, nem percebi o caminho passar, quando vi já estava na frente da casa de meus amigos, toquei a campainha Luana veio me atender, vestida em um minúsculo e lindo vestido, desta vez o comprimento foi diferente ela logo me deu um gostoso beijo de língua, que eu quase tive um treco, me mandou entrar e ficar a vontade que ela estava preparando umas bebidas na cozinha, e que logo Marcos ia descer, quando ela foi a cozinha percebi conversas dela com uma outra pessoa que não era o marido, achei meio estranho pois imaginei que seria somente nos três, após alguns segundos, Marcos desce a escada só de shorts de ginástica, sem a camisa e descalço, se aproxima de mim com um sorriso de boas vindas e me abraça forte, momento que eu pude sentir o quanto o seu pau era grosso e grande, e já estava firme, pois a sensação foi muito sentir aquele mastro contra o meu corpo, no momento do abraço ele já quebrou o gelo, foi logo me beijando igual ou melhor que sua mulher, o gosto da sua boca e seus lábios era delicioso, já neste momento fiquei de pau duro. Sentamos e começamos a conversar sobre um assunto que na verdade eu nem estava prestando atenção, só percebi quando ele se aproximou de mim, e nos começamos a nos enrolar no sofá num maio, que eu nunca imaginei, foi quando entra pela sala Luana e uma amiga de nome Pámela, que eu já conhecia era uma travesti conhecida da cidade, ela costumava a fazer programas.Luana disse que era pra esperar as duas pois elas queriam participar, não demorou todos já estavam nus, eu já chupava o pau do Marcos que confirmou todas as expectativas, era realmente lindo aquele pau, 23 cm por 5 mais ou menos, fiquei com um pouco de medo de não agüentar aquele cacete no meu cu. Enquanto eu chupava o Marcos Luana também chupava a Pámela que me chupava era uma cena linda, quando percebi, Luana já estava lubrificando meu cu, e o Marcos já colocava a camisinha, os dois me colocaram deitado e o Marcos me penetrou, no inicio foi um pouco difícil, mas depois que entrou a cabeça, o resto foi moleza, as estocadas foram ficando cada vez mais acelerada, eu só sentia quando seu abdômen batia contra minha costa, que delicia sentir aquele corpo contra ao meu, e pra melhorar Pámela continuava a chupar meu pau, só parou porque a Ana começou a chupar ela. Logo troquei, eu comecei a comer Ana e o Marcos começou a comer a bunda da Pámela, num dado momento Ana pediu que eu comece seu cu, pois ele estava até latejando de vontade de receber um pau, lambuzei de lubrificante e enfiei com cuidado pois não queria ser agressivo, quando estava penetrando a Ana deu um golpe que o meu pau entrou até o talo, começou num frenesi, que tava vendo que não agüentar por muito tempo, neste momento eu percebo que a Pámela vem por traz e me penetra, começa uma vai e vem , eu comendo ANA a Pámela me comendo, vem o marcos e começa a comer a buceta da Ana, depois de alguns minutos neste trenzinho, eu já não agüentava mais ia gozar, os três começaram a punhetar, Ana implorava que queria leitinho, foi um jarro de porra na cara dela Pámela também começou a beijar e lamber a porra que escorria pelo rosto e corpo da Ana, que suruba deliciosa não esqueço ate hoje, SAUDADES dos meus amigos, logo depois que me separei eu fui transferido pra capital, e Já faz um tempo que não os vejo. TONY FELIX
Não permitimos pedofilia neste site! Ajude-nos a identificar.