RSS contos eroticos

Conto Erotico Aventuras sexuais na escola

no final do último conto disse que minha prima tinha vindo no meu quarto e me surpreendeu quando mostrou o resultado de ums exames médicos que ela tinha feito, ela disse que eu iria apanhar se o médico tivesse a mandado tirar a roupa e ela passasse o maior mico. o exame indicou um problema de saúde por causa do uso do cinto, claro o médico não percebeu que ela estava usando o cinto só com o exame de sangue, mas o fato é que eu teria de tirar o cinto de minha prima. fiz ela prometer que iria me dar sempre que eu quisesse ou voltaria pro cinto, ela concordou.e eu tirei o cinto dela, continuei comendo minha prima por muito tempo. mas a história não termina aqui:

na escola eu não era a pessoa mais popular, mais era amigo de tudo mundo: meus melhores amigos eram o ricardo, que parecia um maconheiro, o willian, que sempre se achava o bom, mas na verdade pegava menos mulher que eu, e o luis, cara que tudo mundo tinha certeza que é pegador mais na verdade não pegava ninguém. eles nunca ficaram sabendo do que tinha acontecido entre eu e minha prima, eles achavam que éramos primos normais, que tínhamos ficado uma vez ou outra por que ninguém é de ferro.
um dia o willian e o luis tavam discutindo quem tinha pegado mais mulher e ficavam falando que os dois tinham quase fudido umas guria num retiro de confirmandos da nossa igreja, aí o ricardo falou que quase conseguiu comer a priminha dele, que tem 13 anos. no começo fiquei com medo de contar o que tinha acontecido, mais a vontade de não ficar pra trás foi maior. contei sobre eu e minha prima e sobre o cinto de castidade, mas não contei sobre eu e meus primos e a cunhada da minha prima pois podia pegar mal :) claro que eles não acreditaram, aí falei que ia mostrar o cinto de castidade pra eles. então eles foram lá em casa e mostrei o cinto pra eles, no começo eles não queriam acreditar, mas acabaram se convencendo. aí um deles deu a idéia de coloca-lo numa guria lá da sala, todos riram, mas a idéia ficou nas nossas mentes, começamos a falar sobre isso na escola e acabamos ficando mais íntimos nesse assunto de sexo.
começamos a elaborar teorias para pegar umas gurias, era bem difícil a gente ficar com as gurias lah do colégio, entre outros motivos por que a gente era do 1º ano e as gurias da nossa sala tavam quase todas namorando com homens mais velhos.
bom mas como nem tudo está perdido, a mais ou menos 2 meses atrás tiramos sorte grande: resolvemos brincar de verdade ou conseqüência, minha brincadeira favorita :) chamamos a sala toda para jogar, mais no dia soh umas 10 pessoas apareceram. logo no começo tive de decidir a conseqüência pruma guria, pra anima o pessoal disse pra ela dar um beijo de língua no ricardo, mas aí essa guria e umas outras disseram que não iam dar beijo de lingua por que tinham namorados e saíram do jogo. sobrou soh eu, o ricardo o luis e o willian, a janice,a grazielli, a gressielle e a elaine. na minha opinião as melhores da sala. caiu o luis e a janice, por sorte ele pediu pra ela ficar comigo, estávamos todos sentados, aí ela levantou se sentou no meu colo e começamos a nos beijar, e em pouco tempo já estávamos nos agarrando no chão. os outros continuaram jogando, e em pouco tempo todos estavam se agarrando.
o ricardo pegou a grazielli, que eu acho a guria mais gostosa da sala, baixinha com uma bunda muito linda, cabelos escuros, ums peitos bem durinhos e uma barriguinha de babar, nesse quesito ela perdia da janice, que eu tava catando, bem magrinha, cabelos castanhos. com uma bundinha bem macia, peitinhos pequenos mais lindos. o luis tava catando a gressielle, os melhores peitos, magrinha também, mas não tanto que nem a janice, uma bundinha durinha e ums cabelos castanhos. e o willian acabou com a elaine, loira, bem vadiazona, tipo mulherão, com peitos grandes, bunda grande, e bem alta pra idade.
depois da agarração básica tudo mundo voltou para o jogo, aí caiu a gressielle e a grazi, aí ela surprendeu tudo mundo: a grazi disse que todos os meninos deviam se masturbar e a gressiellle deveria beber toda a goza. aí começou a discussão, nós não queríamos nos masturbar na frente um do outro, e é claro ela não queria beber a goza, continuamos discutindo, aí a gressielle mudou o desafio: cada guria deveria masturbar seu ficante. o clima ficou ainda mais barra pesada, mais a janice, a guria que eu tava catando não tava falando nada, cheguei pertinho dela, passei a mão na buceta dela por cima da calça, lasquei um beijo e guiei sua mão até dentro do meu jeans. tudo mundo ficou em silencio observando a gente, e então os piás começaram a seguir a mesma estratégia.
a mão da janice tava geladinha, e era muito macia e delicada. sem duvida mulher sabe tocar punheta bem melhor que homem. ela parecia não tocar punheta direito, mas dentro do jeans é foda memo, facilitei o serviço pra ela abaixando minha calça. como estava de olhos fechados a beijando, nem vi o que os outros tavam fazendo, mas acho que eles também fizeram isso. comecei a descer com ela até o chão, quando me deitei, ela continuo me masturbando. depois ela começou a pegar o jeito, e ficou muito gostoso. quando eu gozei ela usou a mão pra levar minha goza ateh a boca da amiga dela, que jah tinha bebido a goza do ficante dela, o ricardo, e do willian, ela lambeu a goza da mão da janice, no começo ela fazia cara de nojo, mas assim que começou a lamber parecia não se importar mais. ela lambia a mão da minha ficante com uma cara de safadinha. soh que como eh possível imaginar esse técnica não eh muito eficiente, e a maior parte da goza fica no pau. aí em consenso obrigamos ela a lamber o pau de tudo mundo, pra deixar tudo bem limpinho. no começo ela não queria fazer isso, mas acho que era soh pra gente achar que ela era santa e não gostava. com um pouquinho de conversa ela já cedeu, e meteu aquela boquinha deliciosa em nossos paus.
nós jah tínhamos matado duas aulas, aew pra evitar que os diretores fossem atrás da gente voltamos pra sala de aula. o lugar onde estávamos ficava do lado do colégio, e pra chegar lah é necessário pular o murro. fica no meio de uma plantação de palmeiras. combinamos de ficar de novo no outro dia. as coisas rolaram normais o resto da semana. a idéia de botar um cinto de castidade numa delas começou a ficar mais aparente e agora parecia realizável. primeiro resolvemos fazer uma pesquisa pra descobrir qual delas era a mais siririqueira. conversamos sobre o assunto com elas, e depois de algumas “estrevistas” chegamos a conclusão que a gressielle era a mais viciada: como ficava a tarde toda sozinha em casa, sua média era de 7 por dia, e ela contou que muitas vezes se masturbava até na escola por que não se agüentava. colocar o cinto nela seria uma experiência inesquecível.

planejamos muito bem a tática para deixa-lá casta: enquanto o luis estivesse a beijando a gente chegaria na surdina a agarraria, tiraria sua calcinha e colocaríamos o cinto. no dia acabamos entregando o nosso plano: eu e o ricardo estávamos conversando sobre o plano, mais aí as nossas ficantes, a janice e a grazi tavam chegando perto pra puxar conversa e acabaram escutando tudo. aí não teve jeito: tivemos de contar o plano. qual não foi a nossa surpresa quando descobrimos que elas gostaram da idéia e resolveram nos ajudar. elas sempre acharam muito fora a gressielle ser assim viciada em masturbação. bom, seguimos mais ou menos o plano original: o luis pediu pra ficar com a gressielle e ela claro aceitou, fomos eu e o ricardo também pra moita com nossas ficantes. o willian não foi com a ficante dele pois ela tinha faltado naquele dia. fingimos ir para o lugar onde cada um de nós sempre ficava, mas nos escondemos num lugar que dava pra ver o luis no amasso com a gressielle. ver eles se beijando acabou deixando todos nós excitados, estava segurando a mão da janice, levei a mão dela até bem perto de sua bucetinha, ela então colocou minha mão dentro da calça dela, comecei a beija-la, e pude sentir aquela bucetinha virgem bem molhadinha, com ums pelinhos que me surpreenderam pois não eram crespos, eram lisinhos, apontando pra bucetinha dela. o ricardo também tava na maior agarração.

enquanto nos beijávamos, continuamos olhando o luis ficando, pudemos ver que ele estava com as duas mão por baixo do jeans dela, apertando sua bundinha. ele abaixou sua calça, facilitando o nosso serviço: parei de beijar a janice e falei baixinho para realizarmos o plano. o luis vio que estavamos nos movendo e encostou ela numa árvore, segurando os braços dela para trás. saímos da moita e ajudamos ele a segura-la. ela tentou sair e ficava perguntando direto o que estávamos fazendo. o willian baixou a calcinha dela e deixou aquela buceta linda mostra, com pelinhos bem ralinhos, parecia aparada. a janice foi escalada para passar a cola para fixar o cinto de castidade. até estranhei a naturalidade com que ela botou a mão no clitóris da amiga. enquanto ela passava a cola, era possível ver que a geessielle estava gostando muito, apesar de continuar muito assustada. a janice passou a cola no grelhinho da amiga dela e por toda sua bucetinha. a gressielle achava que aquilo era lubrificante, e achou que iríamos estrupa-la. então o willian trouxe o cinto de castidade, e a gresielle ficava perguntando o que era aquilo e implorava para não colocarmos isso nela. eu e o ricardo levantamos suas pernas e a grazi passou o cinto de castidade pelos seus pé e o levou até o lugar certo. fechamos o cadeado e colocamos as roupas de novo na gressielle. o cinto ficou muito bem preso e não sairia dali sem o antídoto ou sem arrancar boa parte da pele da sua querida bucetinha. logo pra começar aproveitei que o luis tava se esfregando com a janice pra me vingar, comecei a beijar a gressiele, adoro sua boca, ela tem um dos melhores beijos que eu já experimentei: bem molhadinho, coloca bastante língua e beija muito bem. depois que terminei de beija-la era possível ver no seu olhar que ela continuava sem entender o que estava acontecendo. daquele dia em diante ela seria nosso brinquedinho sexual. tirei o luis de cima da janice e comecei um amasso gostoso com ela, mas antes que o luis voltasse a ficar com a gressiele, o willy começou a beija-la, o luis, então, sem opção, se aproximou da grazi, que nesse momento estava ficando com o ricardo só de calcinha, ele começou a apalpa-la mesmo assim, abaixou sua calcinha e começou a encoxa-la por trás, ela tentou impedir, mas o ricardo puxou ela pra pertinho dele e começou a beija-la com mais vigor. sei que é feio, mas com tantas coisas acontecendo era impossível beijar minha guria com os olhos fechados. percebi que a janice queria algo mais, comecei a descer, beijando seus peitinhos por cima da blusa, seu umbiguinho e sua bariguinha, até onde a calça permitia, ela então deu bandeira branca, abaixou sua calça e sua calcinha deixando a bucetinha mais bonita que eu já vi na vida a mostra: aquele lindo v de cabelinhos lisos aparecendo, visivelmente molhadinha em toda sua extensão. claro que não pensei 2 vezes e cai de boca. ela porém não sabe ser discreta e começou a gemer bem alto, não me importei muito no começo, pois aquilo era indicio que ela estava gostando muito.

mas então escutamos o diretor da nossa escola gritando quem é que esta aí? bom, aquela sensação de “fudeu” invadiu todos nós, ainda mais quando começamos a escutar o barulho dele vindo atrás de nós pelas folhagens. saímos correndo como estávamos, a janice deixou sua calcinha lah jogada e a grazi saiu só de calcinha, corremos até o final da plantação e saímos numa rua, que dava bem no centro da cidade, demos um jeito de passar despercebidos e fomos até atrás da escola, que fica do lado de outra plantação de palmitos, nunca tem ninguém lá. pretendíamos pegar o buzão lá. claro que as gurias não queriam pegar o buzão daquele jeito, e então pensamos e fariamos o seguinte: a janice usaria a minha jaqueta para se tampar, porém ainda tínhamos a grazi, que estava só de calcinha, eu, o ricardo, o luis e o willian pulamos o murro e corremos pra sala catar nosso material, o das gurias e minha jaqueta. o lugar em que pularíamos o murro ficava do lado do vestiário, então resolvemos dar uma olhada lah dentro, por que tem um monte de roupas que as pessoas “esqueceram”. a única roupa usável que achamos foi uma saia preta pra uma guria de mais ou menos 12 anos, porém a grazi tinha 15 e ficaria super minúscula nela. sem opção pulamos o muro e voltamos pra lá, mostrei a saia pra ela, no começo ela não queria usa-lá, mais como não queria ir de calcinha foi com aquilo mesmo. sua calcinha era preta com uma parte transparente na frente bem no lugar certo :) , a bucetinha dela é rapadinha.

esperamos mais ums 10 minutos até que os buzões chegassem e disfarçadamente entramos. a janice e a grazi iam juntos no meu buzão, e seguimos a tática.
não conseguimos entrar a tempo de pegar um lugar sentado e tivemos de ficar em pé, e os caras começaram a se esfregar nas gurias. o meu casaco não era muito comprido, e se a janice se inclinasse era possível ver sua bucetinha, me alojei na sua bundinha, de forma que ela pudesse se inclinar pra esconder sua buceta. não deu outra, acabei ficando excitado, abaixei um pouco minhas calças e enfiei no rabinho dela, ela não estava excitada com tudo isso, mas logo que eu enfiei a zona começou, coloquei a mão em sua xaninha linda e comecei a masturba-lá, tudo isso em quanto a grazi era assediada por ums 7 rapazes. o ônibus estava bem lotado aquele dia, e era possível fazer zueira lá dentro sem que ninguém percebesse. antes que eu gozasse, já haviam menos pessoas no ônibus, e então eu e a janice finalmente pudemos sentar. ela estava muito aflita, quase chorando por ter de passar por tudo isso, passei a mão em seus cabelos, afaguei ela e comecei a beija-la. depois que terminei percebi que a grazi estava sentada com 2 malas no banco de trás ao meu, sendo que o banco só é pra duas pessoas, eles a beijavam, passavam a mão nela contra a sua vontade, ela já estava chorando. a janice cochichou no meu ouvido pra eu ir lah. levantei, tirei um deles de cima dela, e disse pra ele parar, ele disse que eu não mandava na vida dele, e nisso o outro e mais alguns começaram a chegar pra cima, enquanto outros colegas meus, também se levantaram, e umas gurias tentavam impedir a briga. não deu certo. ele tentou me dar um soco, segurei seu punho e lhe dei uma joelhada no estômago, os outros tentaram ir pra cima, empurei ums três no chão, e antes que eles pudessem revidar, fui pra trás, aí a galera foi pra cima deles, mas os cara eram ums negão fortão e não seriam segurados por muito tempo. peguei as gurias, e fui pra uma das janelas do meu buzão que ta quebrada, e pulei fora com as duas, se quebramo todo no chão, por sorte o ônibus tava numa subida andando bem devagar, caímos em cima de uns mato. na hora que a janice pulou todos viram que ela tava sem roupa por baixo da jaqueta, depois quando caímos no chão dava pra escutar os cara falando “tu viu? ela tava sem calcinha!”e ums outro gritando pra fora do buzão “que bucetão hein!” “bundinha linda ce tem, né!” e outras variantes. então lá estávamos nós três, numa rua deserta que eu nem sabia onde ficava, ensopados e cheios de lama, a alguns quilômetros de casa, ás 10:20 da noite. não podíamos ficar andando assim, pois eu e a grazi trabalhamos, e não podíamos pegar um resfriado.

a solução encontrada foi uma das idéias mais insanas da minha vida. tirar a roupa, e andarmos os três pelados. a idéia não era tão impraticável assim, a minha cidade fecha as 9 horas, e o único veículo que passa nessa rua depois que escurece é o ônibus da escola. até chegarmos à civilização faltava mais de um quilometro. éramos adolescentes meio loucos mesmo, e aquele dia tinha sido um dos mais emocionantes e estranhos da minha vida até então. a janice não via problema algum em eu vela nua, até porque eu e ela estávamos ficando, e também não tinha receio em ficar pelada na frente de outras gurias. eu como homem nunca tive problema algum em me despir. a grazi foi a que mais pensou, porém, ela sempre foi do tipo com amigo pode. estudo com as duas desde o pré, e tínhamos descobrido a sexualidade juntos, ela me mostrou a bucetinha dela quando começaram a crescer os pêlos e antes disso, quando aprendi a gozar ela foi a primeira a ficar sabendo, e também me viu gozando e eu ensinei as duas a tocar punheta em homem. tinha perdido o bv com a janice, e quase tínhamos fudido na quarta série. por essa e outras sabia que a janice era virgem, e que a grazi só tinha dado uma vez. uma vez que éramos tão colegas assim, ela acabou aceitando a idéia de tirar a roupa. a janice já estava praticamente nua, só tirou o casaco. colocamos as roupas nas nossas mochilas e continuamos andando, nós três peladinhos.

apesar do frio fazer força contra, era óbviu que eu ficaria excitado, não andamos 10 metros e eu já tinha ficado de pau duro. a grazi tava olhando meu pau ficar duro, aí ela falou “safadinho hein? não agüenta ficar 5 minuto de pau mole!” se maiores neuras já meti dois dedos na bucetinha dela, depois tirei e mostrei meu dedo todo ensopado pra ela: “safadinha hein? não pode ficar 5 minutos com a buceta seca!” todos rimos e continuamos andando. aí eu perguntei pra janice se ela tinha ficado com nojo de botar na mão na bucetinha da gressiele pra passar a cola, aí ela falou que entre amigas não tem nada a ver, e se eu e os rapazes já tínhamos masturbado um ao outro, respondi na hora “claro que não, tá fora guria? ela falou que já tinha se divertido muito assim. perguntei pra grazi se ela participava, e ela só fez uma cara de safadinha. pensei um pouco, tomei coragem e pedi pras duas se masturbarem enquanto andávamos, elas olharam pra mim de um jeito estranho, riram, e começaram a andar com as mãos dadas, logo elas atenderam o meu pedido, e começaram a se tocar, meu pau já estava a ponto de bala, e eu ainda não tinha conseguido conceber a idéia de que tudo aquilo era real e tinha acontecido num mesmo dia, enquanto eu estava boiando pensando nesse tipo de bobagem, a janice botou a mão no meu pau, e a grazi foi pra minha frente, me abraçou, aí a jani enfiou meu pau na bucetinha dela e começou a punhetar a parte que ficava fora da buceta. pra não deixa-la latejando, coloquei minha mão na bucetinha linda da janice e comecei a masturba-la, enquanto ela enfiava o dedo na bundinha da grazi, forçando ela na minha direção. andamos um bom tempo assim no bem bom, depois a janice e a grazi trocaram de lugar e continuamos andando.
depois de um certo tempo passamos em frente da casa da cunhada da minha prima, que eu freqüentei por um bom tempo. nós estávamos tão extasiados que nem notamos a casa, pois estava escuro e todas a luzes estavam apagadas, mas de repente as luzes ligaram, a querida cunhada da minha prima saiu pra fora de casa, com um pijaminha meio transparente, sei lah o que ela pretendia fazer, só sei que ela pego a gente no flagra. a gente fez o óbviu: nos tampamos com as mãos. aí a cunhada da minha prima falou: deixa de frescura john, já te vi pelado mais de cem vezes, não tem nada de novo aí, e vocês, não sou uma tarada, podem se mostrar. todos tiraram as mãos do lugares onde estavam. aí ela falou: melhor assim! a janice e a grazi não sabiam do meu caso com ela, mas começariam a saber agora. ela chego de boa e comprimentou nós três com um beijo de língua, elas não estavam acreditando no que estava acontecendo, enquanto ela as beijava passava a mão na bucetinha delas, acariciava suas bundas e passsava a mão na barriquinha das duas. em mim ela foi bem direta, catou meu pau e começou a punheta-lo. derepente o meu primo saiu da casa da minha prima-cunhada e viu agente, e na maior cara de pau convidou a gente pra entrar e participar de uma suruba que tava acontecendo lah dentro, então o meu outro primo, o primo do meu primo, os amigos deles, umas gurias e outros rapazes que eu nunca tinha visto na vida saíram lah de dentro. de repente a janice me chamou pro lado e cochichou no meu ouvido que era virgem e não queria perder a virgindade numa suruba. disse que deixaria pra outro dia, me despedi de todos e dei um beijo de língua de despedida na minha cunhada-prima, na frente do seu namorado, que não se importou nem um pouco, mas a janice estranhou muito e não conseguia entender o rolo em que eu estava metido, aém de ficar com ciúme dela. logo expliquei pra ela se acostumar, se quiser fazer parte dessa vida, deveria esquecer velhos valores e hábitos e se entregar a todos, pois teria a todos também. porém, antes disso, teria de ser inicada numa nova vida devassa e cheia de prazeres.
continuamos andando até chegarmos na área habitada, aí colocamos as nossa poucas roupas devolta e continuamos andando, quando chegamos na casa da janice, recebi uma das melhores noticias da minha vida: seus pais tinham saído e a casa estava liberada. olhei nos olhos da grazi, cheguei pertinho dela abraçando-a, e cochichei no seu ouvido: quer se divertir junto com nós dois? nem deixei a guria pensar, passeia a mão em sua bucetinha e peguei em sua mão, e também na mão da janice, entramos nós três com as mãos dadas la dentro. fomos direto pro quarto da janice, tiramos as poucas roupas que tínhamos e começamos a zona. beijava a janice passando a mão na grazi, depois beijava a grazi passando a mão na janice. logo eu e a grazi colocamos a janice na cama, comecei a segurar seus braços para que ela não pudesse fugir, enquanto a grazi abria suas pernas, logo ela começou a se aproximar para lamber a jani, aí a janice começou a gritar, chorar, pedir para que ela não fizesse isso por que ela sempre teve muito nojo de sexo oral lésbico. porém a grazi não se importou com seus apelos, e caiu de boca em sua bucetinha virgem. a janice se contorcia, gemia, tentando com todas suas forças não sentir prazer com aquilo, mas mesmo assim não conseguiu evitar, e após alguns minutos já estava a beira de um orgasmo, coloquei meu pau na portinha de sua buceta, e a grazi passou a chupa-lo e a chupar a bucetinha da amiguinha. enfiei devagarinha, explorando cada centímetro daquela buceta, enqunato ia ai deliria com a grazi me chupando feito uma doida. logo que terminei de enfiar, olhei pra janice e vi que ela estava com os olhos cheios de lagrimas, porem dava pra ver que ela estava no céu. a grazi começou a lamber os pelinhos dela, subiu pra bariiguinha e continuou, coulminando em um delicioso beijo apaixonado. nesse momento ela estava deitada em cima da janice, esfregando sua bucetinha com a da amiga. meti um dedo em sua buceta e outro em seu cuzinho, fazendo ela se esfregar ainda mais na janice. ficamos nisso ums 10 minutos quando o orgasmo da janice veio, um dos mais fortes que eu já testemunhei. sua bucetinha travou meu pau, ela abraçou a grazi com toda força contra sua buceta, e seu corpo estremeceu devagar, seu liquido era tanto que chegou a pingar no chão. não resit e gozei também, uma estocada depois. a única que continuava sem gozar era a grazi. como estava segurando ela pela buceta e pelo cu, com a mão em forma de “c”, puxei ela pra cima colocando a de 4. lubrifiquei seu cuzinho com seu liquido e mandei ver. a janice deveria lamber a grazi, mas continuava se recusando. fiquei muito bravo com aquela atitude. fui ao seu armário peguei algumas roupas pra usar como corda, enquanto a grazi a segurava na cama. amarramos ela ali, então a grazi começou a esfregar a buceta na janice, que não resistiu por muito tempo e começou a chupa-la. coloqei outra camisinha e comecei a foder aquela bucetinha deliciosa, quando estava quase gozando escutamo um barulho de carro, olhei pela janela e descobri que os pais da janice tinham acabado de chegar, então eu e a grazi nos desesperamos para soltar a grazi e colocar nossas roupas ao mesmo tempo, logo que soltamos ela ajudamos ela a colocar roupas enquando vestimos nossas ultimas peças, escutávamos seus pais subirem as escadas, no ultimo segundo pulamos lá de cima (estávamos no segundo andar) e caímos no gramado, por sorte caímos em pé e não nos machucamos muito. eu e grazi morávamos na mesma rua que a jani, mas mais para frente.continuamos andando e chegamos na minha casa, me despedi dela com um beijo de língua. poderia ter convidado ela para entrar, mas estavamos muito cansados e não aquentarimos mais uma foda :) dormi pensando em como a gressiele reagiria ao cinto de castidade. mas isso já é assunto pra segunda parte deste conto. desculpa aí galera pela enorme quantidade de eventos paralelos, mas esse foi um dos dias mais tumultuados da minha vida, e eu acho que eu tinha de contar tudo o que aconteceu. por sorte ninguém tem uma ida sexual tão tumultuada assim todos os dias, então no próximo conto tratarei só do assunto principal: a castidade da gressiele. se este conto receber muitos votos claro que vai dar muito mais vontade de fazer a continuação : ). desde já obrigado