RSS contos eroticos

Conto Erotico Descuido Indiscreto

Sábado de manhã estava levando minha namorada até o apartamento onde ela mora. Ela ia apenas pegar alguns materiais que ela usa no curso e logo sairimos denovo. Como era muito cedo, tentei não fazer barulho, pra não acordas as amigas que moram com ela. Encontrei uma revista na sala e começei a folea-la. Percebi alguém vindo da cozinha, quando vi, era a Jéssica segurando uma garrafinha de água mineral, só de blusinha. Quando ela me viu, deu um gritinho tampou a frente com as duas mãos e a garrafnha, e correu para o quarto dela. Ela teve que atravessar a sala toda, e não olhou pra trás deixando o bumbum ao vento pra eu olhar. Pela expressão dela percebi que estava bem envergonhada, mas correu de um jeito bem sapequinha. Tinha certeza que ela contaria pra Mari (minha namorada) o que ocorreu, então fui eu mesmo faze-lo. Entrei no quarto da Mari, e enquanto ela colocava o metarial no mochila, perguntei: - Nesse apartamento tão grande fico imaginando o que vocês ficam fazendo sozinhas, tipo aquelas brigas de travesseiro só de calcinha.- dizendo de forma bem ironica. - Hahaha, o máximo que você vai ver por aqui, é a Jessica andando sem calcinha pelo apê. - Humm, pois é, eu acabei de ver isso... - Você também viu a piritquita da Jessica, voando por ai?? -me perguntou séria. -Foi sem querer, mas vi. - Quando eu terminei de falar, ela saiu do quarto e correu para o quarto da Paula. - Acorda Paula! O Marcos acabou de ver a piriquita de Jéssica na sala! Hahaha! - as duas riam muito da amiga, que saiu do quarto, agora de shortinho. - A gente tá bom né já deu, eu sei que vocês me avisaram, mas é mania mesmo. A Mari, sempre foi bem moderna, e não ligou de eu ver a amiga dela andando sem calcinha no apê dela. A Jéssica é também muito bonita, e me proporcinou uma bela visão do seu corpo. A Paula, era a unica que recriminava essa liberdade da Jéssica. No tom de zuação falou varias vezes pra Jessica "eu avisei". Eu me dava bem com as colegas de apartamento da Mari. Levei-a ao curso e voltei pra casa. Alguns dias depois, fui buscar a Mari, e ela não tinha chegado, e niguém atendia o interfone. Quando virei para usar o celular, vi ela chegando. - Só vou subir tomar um banho e já saimos. Novamente, fiquei na sala esperando, assistindo jornal. Já estava acostumado aos banhos longos dela. Estava ali lembrando a Jéssica passando pela sala, com o bumbum de fora, a marquinha do bronzeado minúscula. Quando eu escuto a Mari me chamar. Mas eu ainda ouvia o som do chuveiro ligado. Logo imaginei que ela ia querer aproveitar que estavamos sozinhos ali. Um banho a dois seria excelente, e quando abri a porta do banheiro, dou de frente com a Paula, nua em pelo. Olhei ela toda nua de cima a baixo, perplexo, pedi desculpas e fechei a porta. Quando pedi desculpas ela abriu os olhos e me olhou. Acho que ela pensou que era a Mari, pois a porta do banheiro delas estava sem tranca. Fui ao quarto da Mari, e ela me perguntou que eu achava da roupa que ela tava escolhendo. Respondi, e depois disse, "Acabei de ver a Paula no Banho". Como o box delas e bem transparente, deu pra ver tudo. A Paula é a mais nervosinha, pedi pra ela se desculpar por mim, pois achei que estavamos sozinhos. Mari explicou que a Paula tá namorando com um rapaz do apartamento ao lado, e que entrou enquanto a gente ainda subia. Depois Paula só me olhava com aquela cara de "você me paga". A Mari ainda tirava onda das amigas, dizendo que eu já conhecia todas as periquitas da casa. Mas a amizade continuou, muitas vezes saimos juntos. Alguns dias depois, quando eu passei noite no apê das meninas, a Mari me convidou pra tomar banho com ela. Naquela altura, as amigas dela já tinha escutado nossas transas algumas vezes, e nós as delas. Tomamos um banho delicioso, me aproveitei de todo o corpo dela, e ela do meu. Quando já estavamos quase saindo tocou o celular da Mari. Ela se enrolou na toalha e saiu para atender. Eu terminei e sai, me enxuguei, como ela não voltou fui até o quarto de toalha. Entrei no quarto e me assustei, estavam Jéssica e Paula sentadas na cama de frente pra porta. Perguntei da Mari, e quando me aproximei mais delas senti o puxão na minha toalha, e vi minha namorada de toalha atras de mim. Logo ela jogou a toalha para a Paula, enquanto fechava a porta e se encostava contra ela. Fiquei parado diante das meninas sem nada. Só pude tampar com as mãos. Elas ficaram olhando fixamente para meu corpo. A Jéssica estava com as mãos juntas sobre os joelhos, fez um gesto abrindo as mãos. Então entendi o recado e abri as mãos e deixei elas olharem com liberdade. Elas abriram um enorme sorriso e riram até que a Paula disse "agora está desculpado". Então a Mari se aproximou e deu um tapa no meu bumbum dizendo. - Mas isso aqui é só meu viu! Nisso eu puxei a toalha dela também e joguei pra meninas. Coloquei o corpo dela na minha frente. - E a minha prefirida é essa daqui viu! Então elas sairam do quarto e nos deixaram. A Jéssica me deu um tapa no bumbum também sob protestos zuados da Mari. Só concordei com essa brincadeira porque confio em você viu - disse ela. Com isso a Paula me trata muito bem agora, e a Jéssica anda sem cacinha pela casa sem muito pudor, só um almofada da frente de vez em quando.
Não permitimos pedofilia neste site! Ajude-nos a identificar.