RSS contos eroticos

Conto Erotico Ele comprou minha virgindade

meu nome é márcia, tenho 27 anos, e vou contar uma história que aconteceu comigo quando tinha 13 anos. eu morava em uma cidade do interior com minha mãe, éramos muito pobres, quase não tínhamos o que comer. minha mãe trabalhava como empregada doméstica em uma casa de um cara muito rico, o nome dele era césar, ele tinha, na época, uns cinqüenta e sete anos. cada vez que ia à casa dele com minha mãe ele ficava me olhando de um jeito diferente, me olhava dos pés à cabeça, me comendo com os olhos.
um dia, ele perguntou onde eu estudava e eu falei. a partir daquele dia, percebi que toda vez que saía da escola, ao meio-dia, o carro dele estava parado na frente. fazia de conta que não o via e ia embora para casa. isso aconteceu durante quase uma semana. até que um dia, césar abriu o vidro do carro e me chamou. eu fui até ele, eu estava usando essas roupas de colegial, saia, camisa, meias compridas e sapato preto. ele me cumprimentou e disse que eu estava muito bonita com aquela roupa. eu agradeci. aí ele falou que gostaria de me dar um presente que ele havia comprado e me pediu para eu entrar no carro. estava meio receosa, mas entrei, ele me mostrou várias sacolas cheias de roupas que ele havia comprado para mim.
eu agradeci, disse que não precisava ele ter me dado aquele presente. então, césar falou que eu merecia e ele sabia que minha mãe não tinha condições de comprar essas coisas para mim. mas, ele falou que tinha pegado as roupas na condicional e que eu precisava experimentá-las porque ele tinha que devolver até as duas da tarde.
ele disse que me levaria até um apartamento de que ele era dono no centro da cidade e eu poderia experimentar as roupas tranqüilamente, depois ele me levaria para casa, disse também que eu chegaria em casa antes da minha mãe, que não era para me preocupar. eu estava com um pouco de medo, mas ao mesmo tempo, estava louca para ganhar aquele monte de roupas que nunca poderia comprar.
aceitei. subimos ao apartamento de césar, então ele me disse que eu poderia ficar à vontade para experimentar as roupas enquanto ele faria um drink para tomar. entrei em um quarto e comecei a olhar aquelas roupas lindas, uma mais bonita que a outra, também tinha lingerie, calçados, muita coisa. experimentei algumas e resolvi dizer a ele que tudo tinha servido.
então, ele me pediu que sentasse no sofá com ele. disse que me achava muito bonita, que eu poderia ficar surpresa com o que ele iria dizer, mas que ficava com muito tesão ao me olhar, principalmente com aquelas roupas de colegial.
realmente eu era muito bonita, com 13 anos já tinha seios grandes, muitas curvas, um cabelo negro encaracolado e comprido, minha bunda também era grande, ou seja, tinha corpo de mulher, mas com ar de menina, pois eu era totalmente inexperiente em se tratando de relacionamento com homens, não havia nem beijado ainda.
césar, então, abriu a carteira e puxou de lá muitas notas de dinheiro, colocou sobre uma mesinha de centro e disse que todas aquelas roupas e mais aquele dinheiro poderiam ser meus se eu deixasse ele me ver nua.
ao mesmo tempo, ele avançou para mim, colocou a mão no meu rosto, me puxou contra ele e me deu um beijo, eu senti um nojo imenso daquele velho, empurrei-o e saí correndo. só parei quando estava muitas quadras longe daquele prédio. parei e vomitei muito. me sentia muito mal, queria morrer.
eu não podia chegar em casa daquele jeito, entrei em uma lancheria e fui até um banheiro, lavei meu rosto, depois sentei uma meia hora para me recompor, aí fui para casa a pé. minha casa era muito longe dali. foi mais de uma hora de caminhada.
quando dobrei na rua de casa, vi o carro de césar estacionado à porta. ele e minha mãe conversavam, não podia mais voltar porque eles já tinham me visto. percebi que césar entregava dinheiro a minha mãe. e ela agradecia sorridente.
minha mãe disse que césar tinha vindo ali reclamar de mim, dizer que eu tinha sido ingrata com ele porque ele tinha me dado um presente e eu não quis. ela disse que eu deveria ser bondosa com ele, que ele nos ajudava muito e que eu deveria voltar com ele para experimentar as roupas. eu não podia acreditar, minha mãe estava me vendendo. já não conseguia mais entender o que ela dizia só escutei coisas do tipo..."vamos, entre no carro com seu césar"..."não se preocupe seu césar, ela vai lhe obedecer"... "não precisa ter hora pra trazer ela de volta"... "vá com ele márcia"...
entrei no carro e vi césar sorrindo para mim, ele disse que conseguia tudo o que queria e que agora eu seria dele, toda dele. fomos em direção ao apartamento, ele foi falando muitas coisas para mim, que não me faltaria mais nada, que tudo o que eu quisesse ele iria comprar para mim, eu não respondia nada.
chegando no apartamento, césar me mandou tomar um banho e vestir a mesma roupa que eu estava, eu obedeci, pois não havia mais nada que eu pudesse fazer. tomei um banho demorado, pus minha roupa de colegial novamente, penteei meus cabelos compridos e fiquei à espera dele no quarto que tinha uma cama imensa, com uma colcha branca lindíssima.
césar entrou no quarto e me mandou sentar na cama, sentou-se ao meu lado e me mandou virar de frente para ele, ele estava suado e com cheiro de bebida. ele me perguntou se eu já havia transado, eu disse que não. ele disse que imaginava. aí me contou que havia comprado minha virgindade dando dinheiro a minha mãe, mas se eu não fosse virgem ele pegaria o dinheiro de volta.
então, ele puxou meu queixo e me deu um beijo de língua, bem molhado, depois abriu botão por botão da minha camisa, tirando-a. abriu os ganchos do meu sutiã e deixou meus seios de fora. seus olhos brilharam ao ver meus peitos, pois eles eram bem grandes. percebi que seu pênis havia ficado ereto por sob a calça.
mandou que eu ficasse em pé e tirou minha saia de colegial e minha calcinha, bem devagar, quase babando ao olhar meu corpo, tirou minhas meias, sapato e mandou que eu sentasse novamente na cama.
aí, pôs as mãos nos meus seios e apertou muito, com muita força, senti muita dor nos mamilos, ele respirava alto... desceu as mãos até minhas coxas e passou as mãos nelas. depois, levantou e tirou toda sua roupa, peça por peça. eu pude ver o corpo dele nu, ele era barrigudo, cheio de cabelos brancos e seu pênis era enorme.
então ele me mandou abrir a boca e enfiou seu pênis nela, de início bem devagar e depois bem forte, me mandou mamar nele e eu mamei, quando eu fazia algo errado ele me chacoalhava ou puxava meus cabelos. ele gemia muito e me chamava de anjo. por várias vezes quase vomitei quando aquele pau enconstava na minha garganta, pois minha boca era mujto pequena.
aí ele me mandou deitar na cama e abrir bem as pernas, o máximo que eu conseguisse, obedeci, mas minhas pernas estavam tremendo, ele se aproximou da minha bucetinha e a abriu com os dedos olhando bem lá para dentro. então ele disse que eu era realmente uma virgem e ia ser descabaçada. abriu uma gaveta ao lado da cama e puxou um pano branco que colocou debaixo da minha bunda. disse que seria uma lembrança que ele iria guardar depois da transa.
começou a me chupar, me lamber, eu quase não tinha pêlos na buceta e ela era bem rosadinha, ele cheirava minha buceta e rosnava com um bicho, dizia que meu mel era maravilhoso.
aí ele ergueu meus quadris e guspiu bem na entrada da minha buceta que ficou toda melada. me ajeitou bem na cama e mandou que eu abrisse mais as pernas, eu disse que não conseguia abrir mais que aquilo, aí ele mesmo puxou minhas pernas e as abriu bem. depois tirou para o lado meus cabelos que estavam sobre os seios, chupou-os e mordeu-os por algum tempo e disse que tinha chegado a hora, eu fechei os olhos, então ele me deu um tapa no rosto e disse que era para eu ficar olhando. pegou seu pau, me mostrou e disse que em breve toda aquela rola estaria dentro de mim.
veio vindo pra cima de mim e esfregou o pau na minha buceta para cima e para baixo. depois, colocou o pau na entradinha da minha buceta e forçou para entrar, eu me contorci de dor, ele deu uma gargalhada, aí forçou mais uma vez e mais uma, disse que nunca tinha pegado uma bucetinha tão apertada quanto aquela, tirou o pau e guspiu nele, aí disse que agora eu ia sentir uma tora dentro de mim, mirou na entrada e meteu com toda força, com tanta força que seu pau entrou rasgando e meus seios chacoalharam.
ele disse que eu estava arrombada, já não era mais uma garotinha, era uma mulher, uma vadiazinha, só dele, uma vadiazinha pobre que ele ia comer todinha.
ai ele começou a mexer, pra dentro e pra fora, eu pedia pra ele ir mais devagar e aí é que o cachorro fazia cada vez mais forte, meus peitos subiam e desciam e ele olhava fascinado, quando eu fechava os olhos ganhava uma bofetada no rosto, ele dizia que era para eu olhar, não tirar os olhos dele, me dava beijos babados na boca enquanto metia todo o pau pra dentro, eu sentia a rola encostar no meu útero. doía muito.
depois, me mandou ficar de quatro, eu me atrapalhei um pouco com a posição e ganhei tapas fortes na bunda por causa disso. aí ele me ajeitou, puxou meus quadris e enfiou a pica, que senti quase no meu estômago, meteu muito naquela posição, enquanto guspia na minha buceta pra ela ficar molhada... enquanto me comia dizia que era o hobby dele comer menininhas virgens e que já tinha comido umas dez como eu... que todas ele conseguia pagando... que eu tinha sido a mais difícil...
aí me deitou novamente e se deitou por cima de mim, ele era muito pesado, eu era uma menininha e ele um homem, aí me disse que ia gozar e que ia ser tudo dentro de mim... que adorava encher de porra bucetinhas arrombadas e cheias de sangue... pedi que não, pois podia engravidar, mas ele me mandou calar a boca... vi que a expressão dele mudou, ficou muito vermelho e aí senti jatos fortes e quentes dentro de mim e césar caiu sobre meus peitos.
saiu de dentro de mim sem dizer nada, sem me fazer nenhum carinho... olhou para seu pau todo cheio de sangue e me mandou ficar de pernas abertas do jeito que eu estava... foi até o banheiro, tomou um banho e voltou.
aí ele veio até perto de mim e pegou aquele pano que ele tinha colocado embaixo da minha buceta antes de transarmos, o pano estava manchado de sangue. ele guardou o pando dentro de um saco transparente e colocou em uma gaveta. pude percber que haviam outros sacos como aquele na gaveta.
mandou eu me levantar e me vestir, eu estava toda melada, com porra e sangue vazando nas pernas, eu pedi para tomar um banho e ele disse que não, que eu fosse tomar banho em casa, que meu trabalho já estava feito e que eu era uma puta arrombada que não servia mais pra ele. eu achei melhor não discordar, me vesti com minha roupa de colegial, limpei minhas pernas com minhas meias e fui saindo em direção a porta. quando eu estava saindo ele disse que quanto ao fato de ele ter gozado dentro minha mãe já havia sido instruída para me dar um chá bem forte para que eu não pegasse barriga e se ela não cumprisse o trato eu que não viesse com golpe da barriga pra cima dele. jogou umas notas no chão pra eu pegar um táxi e eu saí.
no táxi, fui pensando que minha vida dali pra frente seria diferente, eu era uma mulher e tinha me tornado da maneira mais nojenta possível. hoje, sou uma prostituta, graças aquele homem que comprava o que queria com seu dinheiro.