RSS contos eroticos

Conto Erotico Professor de uma matéria bem diferente

olá, meu nome é Paulo, tenho 19 anos, sou moreno claro, uso o cabelo bem raspado. tenho um corpo legal, barriga sarada, graças aos 3 anos de boxe e karatê que pratico. Essa história que eu vou contar é real, aconteceu recentemente. Tenho o hábito de trocar msn em forúm e murais. Uso os mais variados, desde animes até de coisas relacionadas a musculação e esporte. Um dia desses achei um mural bem interessante, ele é dividido por categorias, cidade, bairro, rua, idade, etc. Você preenche essas categorias e deixa seu e-mail para trocar com outras pessoas. Eu fiz uma pesquisa rápida e achei um monte de gente aqui da minha cidade, Porto Alegre. Adicionei um monte de gente, principalmente os que eram próximos ao meu bairro. Pouco me aceitaram. E pior, dos poucos, nenhuma mulher. Comecei a bater papo com um menino, ele me disse que se chamava Marcelo, e era alguns anos mais novo que eu. Começamos a conversar sobre várias coisas, perguntei se ele ia assistir ao novo filme do Batman, ele respondeu que sim, mas que não ia na estréia. Perguntei sobre a escola dele, sobre as garotas de lá, tudo numa boa, afinal eu sou hétero, não tava alí pra pensar em sacanagem, era um bate papo sem compromisso nenhum. Ele mora perto de casa, em outro bairro, mas bem próximo de casa. Continuamos conversando, fomos ficando mais colegas e ele foi confiando mais em mim. Falamos sobre várias coisas, passamos bem umas duas horas conversando, vestibular, futebol, escola, MMA, etc. Uma certa hora ele perguntou se eu tinha namorada, eu disse que não, que eu sou mais de balada, ficar com uma menina da escola, depois pegar outra, essas coisas. Perguntei se ele era BV, ele respondeu que não, que já tinha beijado uma menina na escola, mas que não tinha gostado muito. Achei estranho aquilo, continuei insistindo, tava desconfiado daquele menino. Perguntei se ele não gostava de menina, ele respondeu que não tinha certeza. Hiii!!! minha desconfiança era certeza, aquele muleque queimava, ou melhor, queria queimar. Perguntei se ele gostava de meninos, ele disse que também não tinha certeza, que já tinha olhado diferente pra alguns, mas também já tinha tido esse mesmo olhar para meninas. Perguntei se ele nunca tinha tido nada com nenhum menino, ele disse que não. Não sei o que me deu, mas aquele papo foi me deixando de pau duro, sério, nunca tinha pensado em comer um menino, mas aquela conversa me deixou com muita vontade. Pensei um pouco e me decidi, ia comer aquele muleque! Continuamos a conversar e eu perguntei se ele tinha vontade de dar o cu. Ele demorou a responder, acho que ficou com vergonha ou medo, sei lá. Quando respondeu, ele disse que não sabia se era mais vontade ou mais curiosidade, disse que já tinha ouvido alguns meninos gays da escola falando sobre isso, mas nunca tinha tido coragem de perguntar como era, mas tinha muita curiosidade. Na verdade ele não tinha feito nada ainda, nem pego em um pau. Perguntei se ele já tinha visto pelo menos um menino nu ao vivo, ele disse que quando era mais novo tomava banho junto com o primo, mais do que isso nada. Resolvi investir, ah, já tava alí no inferno mesmo, era hora de abraçar o capeta. Disse que se ele quisesse podia ajudar ele a matar a curiosidade. Novamente ele demorou a responder. Peguntou como eu ajudaria. Eu disse que podia comer ele, tirar a virgindade dele, ensinar algumas coisas. Ele perguntou quando podia ser. Respondi que se ele quisesse podia naquela tarde mesmo, perguntei se ele tava com alguém em casa. Ele disse que não, que os pais eram separadaos e que ele morava com a mãe, ela saia pra trabalhar de manhã e só voltava depois das 6 da tarde. Ainda eram 14, dava tempo de fazer bastante coisa. Perguntei se ele tava afim mesmo, que eu podia ir na casa dele, é bem perto da minha mesmo. Ele de novo demorou a responder. Sim, foi a resposta dele. Beleza, já tava com um puta tesão mesmo, já nem tava mais vendo onde aquilo ia parar. Mas deixei claro pra ele, eu só ia comer ele, não ia ter volta, não ia dar pra ele, que tava fazendo um favor pra ele. Ele concordou. Anotei o endereço certinho, coloquei um KY no bolso da minha calça e corri pra casa dele. O prédio dele é um desses pequenos, sem porteiro, você interfona e a pessoa vem abrir. Apertei no 302, uma voz meio infantil atendeu, me identifiquei, ele mandou eu esperar que ele já vinha abrir. Quando ele apareceu no portão eu pude ver pela primeira vez o dono do cuzinho que tava preste a comer. Marcelo é um menino, magro, mas não muito, normal, baxo, bem branquinho, cabelo tipo Justin Bieber, tava vestindo calça jeans e um casaco cinza. Ele abriu o portão meio desconfiado, meio com medo. Eu também tava meio assim, era muita loucura, que que eu tava fazendo ali me perguntei mais uma vez. Apertei a mão dele, ele me sorriu, nos apresentamos meio sem graça e entramos no prédio. Sumbimos as escadas, conversando, nem me lembro qual foi o papo, de tão nervoso que eu tava. Chegamos na porta do apartamento, ele tinha deixado a porta aberta. Ele pediu pra eu entrar, pensei mais uma vez que que eu tava fazendo alí?!? respirei fundo, tomei coragem e entrei. A casa dele era legal, tudo bem novo, bem arrumado, bem limpo, ficamos na sala um pouco, perguntei se a mãe dele não ficava bolada dele ficar sozinho, um menino só de 13 anos, ele disse que não, que antes ela ficava, mas agora já não tinha mais tanto problema. Fomos direto pro quarto dele. Chegando lá ficou aquele silêncio estranho, sabe? Quebrei o gelo perguntando sobre o computador dele, ele me explicou que era um não sei o que lá, com não sei quanto de memória, com um HD disso e daquilo outro. Ele realmente gosta desse computador. Ficamos mais a vontade com essa conversa. Eu já tava mais calmo, resolvi então partir pra cima. Perguntei rindo “e aí? Vamo ao que interessa?” Ele gelou, pude ver no olhar dele. Continuei acalmando-o “vai ser legal, tu vai ver” Ele perguntou como a gnt começava. Sempre com tom de brincadeira, pra não assusta-lo, disse “acho bom a gente começar tirando a roupa” ele riu, eu ri. Pra incentivar tirei minha blusa, ele fez o mesmo, seu corpo sem camisa parecia com menos idade, parecia uns dois anos mais novo do que era, sem pêlo nenhum. Depois tirei minha calça, tava com uma cueca branca, meu pau já tava uma pedra - modéstia a parte ele é bem grande e grosso - Marcelo ficou olhando direto pro meu pau, de boca meio aberta, bem nervoso. Eu disse pra ele relaxar, ele tirou a calça também, seu pau que nem é tão grande também tava duro. Ele tava bem nervoso, pude perceber por causa de umas placas vermelhas pelo corpo dele, nas primeiras vezes que que transei também ficava muito nervoso, e isso sempre acontecia. Disse pra ele que ia começar a ensinar as coisas pra ele. Tirei a cueca, meu pau duro como pedra, latejando com seus 19cm pulou. Marcelo continuo de cueca. Ele perguntou “o que eu faço agora” respondi que ele ia fazer um boquete, ia chupar meu pau. Ele sentou na cama, eu me aproximei e disse pra ele botar na boca, mas tomar cuidado com os dentes, ele tinha que tomar cuidado pra não machucar. Ele fez bem direitinho, começou a chupar bem devagar e com cuidado, eu disse pra ele variar, não ficar só com o pau na boca, pra tirar um pouco, lamber a cabeça, lamber o saco, a virilha. Ele fez tudo bem certinho, o menino aprende rápido. Já tava com vontade de gozar, mas tinha que segurar, afinal ia comer o cuzinho dele. O boquete não foi o melhor que já me fizeram, mas foi bem bom. Pedir pra ele parar, que a gente ia fazer algo mais sério. Ele ficou me olhando com medo, disse pra ele tirar a cueca. Ele tinha poucos pentelhos, só um tufo em cima do pau, o resto do corpo tunha só uma penugem bem loirinha, seu pau não era muito grande. Nu assim ele parecia realmente ser bem mais novo mesmo. Disse pra ele virar de quatro que ia meter no cu dele. Ele obedeceu. Abri a bunda dele pra dar uma conferida no cuzinho dele, como ele era muito branco e novo o cu dele era bem rosadinho, bem lisinho, sem nenhum pêlo. Aí que eu fiquei com mais tesão. Disse pra ele ficar assim que eu ia pegar um negócio, fui no bolso da minha calça e peguei o KY, lambuzei meu pau, passei no cu dele, ele reclamou que era gelado, eu disse pra ele não se preocupar que aquilo era pra ajudar meu pau entrar. Avisei que ia colocar e encostei a cabeça na entrada do cuzinho dele, por instinto ele fechou o cu, disse pra ele relaxar que era mais fácil. Comecei a empurrar, pra entrar a cabeça foi uma dificuldade, o cu dele era bem apertado. Disse pra ele relaxar, ele respondeu que tava doendo muito, mas que tava bom, disse pra ele bater uma punheta nele mesmo, ele fez, disse que assim era mais gostoso do que quando ele fazia sozinho. Eu continuei empurrando, consegui meter metade do meu pau. Ele fazia muita cara de dor, tava bem difícil de entrar, mesmo com todo o KY que eu tinha passado. Resolvi empurrar com força, entrou tudo. Ele deu um grito de dor, mas disse pra não tirar. Comecei a socar então, primeiro bem devagar, depois com mais velocidade. Soquei bastante, como tava com muito tesão não me aguentei e gozei no cu dele. Que gozada gostosa, sério, um cu novinho bem apertado, rosado. Fiquei deitado sobre as costas dele um tempinho, tirei meu pau de dentro dele e fui ao banheiro me lavar. Quando voltei ele estava de cueca deitado de bruço na cama. Perguntei se ele tinha gostado, ele disse que sim, mas tava doendo, não dava nem pra ele sentar. Disse que era assim mesmo, depois melhorava. Perguntei se ele tinha aprendido tudo, ele riu e disse que tinha sido a melhor aula de todas. Vesti minha roupa e conversamos mais um pouco. Quando deu umas 17h eu disse que já ia embora, já tava quase na hora da mãe dele chegar. Ele me levou até lá no portão, nos apertamos as mãos e eu fui embora. Ainda somos amigos no msn, ele me chama de professor. Disse que perdeu o medo e que agora vai assumir que gosta mesmo é de meninos. Essa foi minha única experiência com um menino, gostei muito. Quem quiser entrar em contato é só me adicionar no msn diversao_18@hotmail.com
Não permitimos pedofilia neste site! Ajude-nos a identificar.