RSS contos eroticos

Conto Erotico Tirei um cabacinho de 10 aninhos

Tirei um cabaço de 10 anos


eu tinha 14 anos e minha mãe tinha uma empregada que ia de tarde na nossa casa para fazer o serviço, eu sabia que ela tinha uma filha, mas nunca tinha levado lá em casa, mas na escola da menina houve uma grave dos professores e ela começou a ir junto com a mãe lá pra casa. quando vi a menina fiquei meio fascinado por ela, era muito bonitinha, apesar de ter só dez anos, era loirinha com o cabelo encaracolado e olhos azuis bem claros.logo que a conheci não deu nada, mas todas as tardes nos acabávamos ficando juntos vendo televisão e amenina era muito esperta, sempre tinha uma coisa pra contar ou pra comentar, não parava quieta e daí nos começamos a ficar amigo, mas até ai eu não pensava em fazer nada com ela, pois pra mim era uma criança, mas notava que seus peitinhos estavam começando a aparecer. um dia ela me deu um bilhetinho e disse que tinha feito pra mim e nele tava escrito que ela me achava bonito e queria ser minha namorada, não levei a sério, até achei graça, coisa de criança, mas no outro dia ela me perguntou se eu tinha lido o bilhete e eu disse que sim e ela perguntou o que eu achava e eu fiquei sem resposta, daí ela perguntou se podia me dar um beijo e eu disse que sim e ela me deu um beijo, mas só que eu dei o rosto pra ela beijar, então ela me disse que não era assim que ela queria, daí eu perguntei como era e ela me disse que queria me dar um beijo na boca, juro que fiquei sem saber o que dizer, acho que fiquei vermelho, mas deixei ela me dar um selinho na boca e ela ficou rindo e perguntou se podia dar outro. isto tudo tava rolando em uma área que tem em minha casa, que fica longe da sala e da cozinha, onde provavelmente minha mãe e a dela estavam, meio assustado e olhando pros lado eu disse que sim e ela veio e me deu outro beijo, eu estava sentado numa cadeira e ela de pé ao meu lado, a menina olhos,pra trás e foi até a porta que dava para o lado da casa como vendo se não vinha ninguém e daí veio em minha direção chegou na minha frente me deu um beijo na boca e se abraçou no meu pescoço, grudada em minha boca, me dando um beijo de gente grande, mas sem língua. depois que ela me largou eu fiquei olhando meio que surpreso pra ela e perguntei onde ela tinha aprendido aquilo e ela disse que era a primeira vez que fazia, eu estava meio assustado mas ao mesmo tempo estava me dando um puta tesão daquela bonequinha que tinha me beijado. ela me disse que gostava de mim e me achava bonito e queria namorar comigo, eu fiquei meio sem jeito, daí retomei o pensamento e comecei a pensar que outras coisas poderiam acontecer, daí resolvi investir mais naquela situação. perguntei pra ela se ela não sabia beijar de língua e ela disse que não, daí eu disse que ia ensinar pra ela, fiz sinal pra ela olhar a porta de novo, ela foi e voltou rindo, daí eu a abracei e dei um beijo de verdade, dizendo que ela tinha que deixar eu colocar a minha língua na boca dela e ela na minha, dei um beijo bem gostoso nela e ela logo aprendeu como era, me abraçou e correspondeu a o beijo a altura. nos afastamos meio assustados pois poderia vir alguém e não vermos. então disse pra ela que se ela quisesse poderia ser minha namorada, mas teria que ser escondido, ninguém poderia saber, senão iria dar problema e ela concordou. disse a ela para ela ficar ali que eu iria ver o que as nossas mães estavam fazendo e ela ficou sentada em uma cadeira e eu fui pra dentro de casa como se fosse na cozinha tomar água e vi que a minha mãe e a dela estava conversando a respeito da colocação de uma cortina, mas na sala que ficava do outro lado da casa e do jeito que estavam falando se voltassem ouviríamos as suas vozes, voltei logo pra minha loirinha e quando cheguei já a encontrei rindo com um sorriso maroto, travesso, voltei pra cadeira e sentei e a chamei, mas daí a coloquei no meu colo, sobre a minha perna e daí sim tasquei um beijo melhor ainda. mariana, era como se chamava, estava de chortinho e blusinha e não pude evitar de colocar a mão nas pernas dela e comecei a alisar, ela não dizia nada, só me apertava o meu pescoço. eu já tava com um baita tesão e com pau duro, fui puxando ela pro meu lado e colocando ela mais pra cima de mim. fui subindo a minha mão então foi dando aquela coisa de fazer o que viesse na cabeça, parecia que um diabinho tinha pousado no meu ombro dizendo pra eu ir em frente e não medir conseqüências levei a mão na bundinha dela e apertei, pensei que ela iria tirar minha mão ou sei lá o que, mas nada fez, me deu vontade de ir mais longe, esperei um pouco e resolvi ser tudo ou nada, a ajeitei sobre a minha perna direita, alisei mais um pouco suas perninhas e comecei a chegar perto de sua xoxotinha, hesitei um pouco mas eu tava muito louco de tesão e daí levei a mão e passei naquela xotinha minúscula, ela não fez nada, deixou como se nada tivesse acontecido, continuei passando a mão, até que a coloquei por dentro do shortinho dela e da calcinha, eu não acreditava no que tava fazendo, passei a mão naquela xotinha lisinha, sem nenhum cabelinho, afundei de leve o dedinho nela até que mariana chegou a dar um gemidinho, dei mais uma alisada naquela xotinha e tirei a mão, peguei uma mão dela de envolta do meu pescoço e levei até o meu pau, fazendo ela agarra-lo por cima da bermuda e ela agarrou e segurando a sua mãozinha fiz ela fazer movimentos como se tivesse me masturbando e ela fez direitinho. nisto notamos que as vozes se aproximavam e nos separamos, mariana sentou longe de mim e eu levantei a perna colocando sobre a cadeira pra disfarçar meu pau que tava duro e aparecendo na bermuda.

assim foram passando os dias, cada vez que a gente estava sozinho em alguma peça da casa ou no pátio a gente se beijava, se tocava se acariciava. mariana tinha o hábito de às vezes vir com uns shortinhos bem curtinhos que me deixavam louco de tesão e u pensava “bem novinha e bem safadinha esta menina”. punheta já não adiantava mais, eram 3 ou 4 por dia só pensando naquela coisinha que me deixava louco e eu pensava que tinha que comer ela, azar do resto, eu não agüentava mais de tesão e achava que ela também tava a fim disto. um dia disse pra ela que quando pudesse eu iria levar ela no meu quarto pra ficarmos sozinhos e ela concordou, nos bolinamos um pouco ali e eu fui pro banheiro socar mais uma, pensando naquilo.

comecei então a tentar criar uma maneira de leva-la ao meu quarto sem que ninguém incomodasse, mas tava difícil. um dia minha avó veio de fora para passar uns dias na nossa casa e eu pensei que era mais uma pra me cuidar, mas tudo bem. um dia que deveria ficar na escola para fazer um trabalho na parte da tarde, acabei voltando para casa na hora normal, pois não ficamos para fazer o trabalho e trouxe na pasta uma fita pornô que um colega tinha levado para nos mostrar e me emprestou. quando cheguei em casa estavam só a minha avó e mariana, vendo tv, perguntei pela minha mãe e minha avó disse que acabara de sair com a mãe de mariana para escolherem cortinas novas para a casa. neste momento tocou um alarme dentro de mim, poderia ser esta a oportunidade que eu estava esperando. fui para a cozinha para almoçar, quando mariana veio para tomar um copo de suco, a puxei para o meu lado e já colocando a mão em sua xoxotinha lhe perguntei: quer ir comigo pro meu quarto depois? e ela deu uma risadinha e olhando em direção de sala respondeu que sim com a cabeça, olhei também pra lá e dei lhe um beijo bem gostoso e a coloquei sentada no m eu colo com o meu pau já duro, fazendo ela sentir em sua bundinha o meu pau. ela se levantou e voltou para a sala, depois de almoçar fui também e quando cheguei vi que minha avó estava cochilando no sofá. nisto ela abre os olhos e eu a perguntei se ela estava com sono e por que não ia dormir um pouco e nisto eu levantei e disse que ia para o meu quarto estudar um pouco, vovó levantou também e disse que iria se deitar e tirar uma sesta, olhei para mariana e fui em direção a escada, enquanto vovó ia em direção a outro quarto que tinha na parte de baixo. subi entrei no meu quarto e logo lembrei da fita na pasta e a coloquei no vídeo comecei a ver se era boa mesmo, passando bem rápido e vi que era uma fita daquelas que as mulheres fazem de tudo e logo pensei: vou chamar a mariana e mostrar para ela.

abri a porta do quarto e vi mariana lá em baixo sozinha, assoviei baixinho e quando ela olhou a chamei com a mão, ela sorriu, desligou a tv e subiu as escadas. quando entrou no meu quarto fechei aporta e fui logo a abraçando e beijando, fui até a janela e conferi que não vinha ninguém chegando, pois se alguém chegasse na casa eu veria dali, quanto a minha avó sabia que dormiria toda tarde. sentei na cama e coloquei mariana no meu colo e liguei a tv, logo começou a passar as cenas de sexo e a perguntei se ela já tinha visto aquilo, ela me disse que não. ficamos olhando enquanto eu passava a mão na sua xoxotinha. falei pra ela:
- quer fazer comigo igual que eles estão fazendo?
- quero
- vai fazer tudo igual?
- vou, eu gosto de ti.
passava uma cena de sexo normal, passei mais a fita até um ponto em faziam sexo oral, um homem chupava uma mulher e duas chupavam o pau dele.
- vamos fazer assim também?
- vamos
- igualzinho?
- hahan
- quer fazer agora?
- quero
meu pau já não cabia na cueca, eu era todo tesão, mesmo com 10 anos só aquela ninfetinha já tava com a bucetinha babando, molhadinha com o passar do meu dedo. baixei todo o shortinho que ela estava junto com a calcinha e consegui ver de perto aquela coisinha linda, lisinha, pequeninha, fechadinha. deitei mariana na cama com as pernas para baixo e me ajoelhei no chão, abri suas pernas encostei a língua naquela xaninha sem pelinhos, com os dedos fui abrindo aquela grutinha e comecei a lambe-la e penetrar minha língua o mais fundo que podia, eu não sabia bem como fazer aquilo, só tinha visto em filme mas fazia da melhor maneira possível, eu não acreditava que a razão de tantas punhetas estava ali na minha boca. chupei tudo que podia, mariana se retorcia e gemia de prazer, agarrava meus cabelos e levantava as perninhas como querendo que eu penetrasse mais ainda com a minha língua, depois disse pra ela que era minha vez, baixei minha bermuda e de pé coloquei o meu pau na altura do seu rostinho, ela que só tinha tocado nele sem ver, agora estava frente a frente com meu pau, peguei sua cabeça e aproximei dele, mariana abriu a boca e foi colocando ele na boca, e com o canto dos olhos olhava o filme pra ver se estava fazendo certo, chupou com vontade, segurei sua cabeça e comecei a fuder em sua boca, pensei em gozar, mas achei que não seria legal e ela poderia não gostar e estragar tudo, tirei o pau da sua boca e a fiz lamber meu saco, que com meus 14 anos ainda tava lisinho, sem pelo, eu só tinha um montinho de pentelho na base do pau, mais nada, mariana lambeu como gente grande, nisto começava na fita uma cena de sexo anal, um cara enfiava um cacete de tamanho descomunal no cu da mulher e ela nem tava ai, mostrei para mariana e lhe perguntei:
- tu sabias que dava pra fazer aquilo?
ela olhou curiosa, e perguntou
-ele ta botando na bunda dela?
-tá, ta enfiando o pau todinho na bunda da mulher...vamos fazer também?
-vamos
aquilo me deixou louco, não agüentava mais, tinha que comer aquela bonequinha que tava ali me chupando, olhando de cima eu via o inicio que era os peitinhos dela, mal estavam apontando para fora. afastei mariana e pedi pra ela se deitar na cama, ela deitou e abriu os braços pra mim deitei sobre ela e abri suas pernas com as minhas, ela ajudou e eu me acomodei sobre ela, mais nervoso e sem jeito impossível, estava ali, finalmente iria comer aquela xoxotinha lisinha que tanto gostava de alisar. pedi pra ela abrir e levantar as pernas, me encaixei e encostei meu pau na sua bucetinha, olhei sua boquinha e lhe dei um beijo gostoso e fui me aproximando, senti meu pau encostar na xaninha e comecei a empurrar, mas nada de entrar, tava muito fechadinha e isto que meu pau nem era muito grande, era normal pra minha idade, mas continuei tentando sem muito sucesso, então pedi pra ela abrir com os dedinhos a sua xotinha e colocar meu pau dentro dela, mariana levou os dedos até a bucetinha e abriu os lábios dela e direcionou a cabeça do meu pau pra dentro dela, fui empurrando e sentindo aquela coisinha quentinha e molhada, empurrei mais, não entrava, forcei e mariana fez uma carinha como se estivesse doendo, lhe perguntei:
-ta doendo?
-um pouquinho
-se tu ta afim de dar pra mim vai ter que agüentar um pouquinho
-ta bem
-abre mais ela que eu vou botando devagarzinho.
daí lembrei de um filme que o cara botou saliva pra comer o cu de uma mulher e resolvi fazer o mesmo, afastei um pouco, enchi minha mão de saliva a passei na cabeça do meu pau e o resto passei por dentro da bucetinha, cheguei perto, encostei meu pau e mariana ajudou abrindo mais as pernas e a xoxotinha com os dedos, encostei meu pau e deitei sobre ela forçando a cintura pra frente e senti que tava entrando, fiz um vai e vem rápido pra lubrificar mais um pouco e forcei mais, trancou, forcei mais e larguei meu peso e senti que entrei em mariana, ela soltou um grito e começou a gemer que eu fiquei com medo que tivesse acordado minha avó, tirei um pouco e forcei de novo e então sim penetrei meu pau todinho em mariana, tinha tirado aquele cabacinho, o primeiro da minha vida e com certeza o mais novinho de todos.
mariana se abraçou em mim e, com certeza nunca irei esquecer a feição de seu rosto naquele momento, de olhos fechados, com sua boquinha linda entreaberta e respirando ofegante. continuei os movimentos de vai e vem e não demorou muito gozei como nunca tinha gozado antes, a minha primeira gozada numa transa de verdade, eu estava gozando dentro daquela bucetinha que tinha virado razão de muitos sonhos e muitas gozadas na cueca. eu estava muito feliz naquele momento.

fiquei ali abraçado naquela coisinha linda, pequenina, loirinha e safadinha, que tinha se entregada toda pra mim. mas meu tesão não passava, meu pau continuava duro, eu nunca senti tanto tesão na minha vida como naquele momento. sai de cima de mariana e vi que meu pau estava sujo de sangue, perguntei pra ela como estava, se estava doendo, ela me disse que não. o filme continuava a passar, me virei e beijei novamente aquela boquinha maravilhosa, passei a mão em sua bucetinha e perguntei se eu podia fazer de novo e, ela me disse que sim. meu pau não amolecia, apesar de ter gozado a pouco tempo, voltei para cima dela e novamente a penetrei, mariana me olhava bem nos olhos e deixava tudo acontecer, comecei o movimento de vai e vem e mariana parecia que cada vez gostava mais, olhei para a tv e vi que um homem comia uma mulher de quatro e pedi para mariana se virar, sai de cima dela ela virou aquela bundinha linda, branquinha para mim e eu pedi para levantar a bunda, nenhum de nós tinha experiência, parecia que era tudo difícil, complicado, mas estávamos tentando. fiquei de joelhos e puxei a bundinha de mariana para cima e me aproximei colocando meu pau no meio de suas pernas, olhei como a sua xaninha estava molhadinha, gosmenta da minha porra e sujinha de sangue, coloquei meu pau e penetrei mariana por trás, enquanto isto olhava na tv para ver como o homem fazia. senti que penetrei fundo na sua bucetinha e a puxei pelas ancas e comecei a fuder nela. não demorou muito para eu gozar de novo, outro gozo gostoso que nunca irei esquecer.

logo depois ficamos com medo que alguém aparecesse e resolvemos colocar a roupa e descermos. não sei se mariana gozou ou não, até acho que não, mas com certeza nós dois saímos muito satisfeitos do meu quarto naquela tarde.

não conseguimos outra oportunidade como aquela para ficarmos sozinho e podermos transar, só nos sobrou algumas passadas de mão e uma vez que mariana me chupou rapidamente quando entramos na garagem escondidos, mais nada. algum tempo depois a mãe de mariana saiu da nossa casa e não nos vimos mais, mas com certeza, nunca mais, enquanto eu existir não esquecerei aquela menininha safadinha que me mostrou como é bom fazer sexo.