RSS contos eroticos

Conto Erotico Vizinha novinha empregadinha (inocentizinha)

vou contar minha história, com todos os detalhes e sem mudar uma vírgula, só não direi a cidade pra não me complicar, basta dizer que aconteceu no interior da bahia.
tenho 25 anos e, aqui pertinho de casa, tem uma família, um casal e dois filhos, um muleque de uns 8 anos e a menina fez quatorze agora, tinha 13 quando tudo se iniciou.
sou agente de saúde em 90 casas do meu bairro, conheço todo mundo aqui por perto e por viver só com minha mãe, que trabalha das 8 às 16 horas, recebi a missão de arrumar alguém pra ajudar minha mãe em casa, já que ela chega cansada. acostumado a passar na chegar de suzane e ficar olhando suas roupas istigantes(casa que mais visito no mês), logo falei pra minha mãe que seria bom uma menina de perto pra ajudá-la. minha mãe então procurou a mãe da menina pra saber se ela deixava a manina ajudá-la, em troca de uma certa quantia, deixando bem claro que a menina ajudaria ela de seis até sete e meia da noite e que só precisaria vir aqui em casa quando ela estivesse. a mãe da menina prontamente aceitou, dizendo que me conhecia, conhecia minha mãe e que, esse dinheiro já ia servir pra ela pagar o cursinho de informática...
resumindo a história, minha mãe falou pra eu ter cuidado e nem olhar pra menina que é uma criança, claro que ela percebeu que sou de carne e osso e que aquele corpinho, pequeno, arredondado, com aqueles petinhos que parecem que jamais precisará de um sutiã, mexe com qualquer um.
assim foi, ela vinha a noite e eu no meu quarto na net, já num tinha chance na casa dela pq sua mãe sempre tava em casa e aqui tbm não. ela batia na porta pra varrer meu quarto e minha mãe de olho, eu deixava a porta totalmente aberta enquanto ela arrumava e ficava de costa na mesa do computador. a gente já tinha uma certa intimidade pois eu fazia a visita na casa dela, mas num era nada demais. depois de uns dias minha mãe foi relaxando e ela sempre me olhava com aquele olhar de curiosa. ela muito atenciosa começou a ajudar minha mãe no sábado a tarde a lavar roupas, começou a aparecer lá em casa em outros horários que minha mãe estava. já assistiamos tv juntos e falávamos algumas coisinhas mais interessantes. aí ela começou a fazer o curso de informática e como só ia duas vezes na semana, ela entrava numa lan house pra ler seus recados no orkut. um dia minha mãe falou pra ela: -ane, quando eduardo num tiver no computador, você pode entrar na internet, ler seus "e-mails" e evita de toda hora tá gastando dinheiro atoa. eu sempre teclava de porta fechada, quando ela num tava limpando meu quarto. assim, falei pra ela fazer o mesmo. quando eu estava cá, assistindo tv ou convesando com minha mãe ela ia e se trancava no meu quarto pra ver seus recados e emails. então tive uma idéia, minhas fotos que tirava na web, comecei a deixar no fácil, sempre estava sem camisa ou só de cueca. eu tinha certeza que ela olhava. um dia pra minha surpresa, fui na lixeira e ela tinha excluído umas fotos que ela teclava no seu msn, mas não esvaziou a lixeira, restaurei e fiquei doido, ela tirou um monte de fotos, com olhar sensual, com um braço tapando os seios. no dia seguinte ela chegou lá em casa e eu deixei de sacanagem uma foto dela de plano de fundo, sai e ela foi acessar, acho que morreu quando viu que tive acesso às suas fotos. sai e fui dar um rolé...nesse dia cheguei em casa ela não tava, queria ver a cara dela por causa da foto, no dia seguinte passei na casa dela e ela num saiu do quarto, fiquei achando que ela tava chateada pelo que fiz. a noite ela foi ajudar minha mãe, como a coroa já num tava mais vigiando tanto, falei com ela: -poxa su, suas fotos ficaram massa.
ela respondeu: morri de vergonha quando vi minha foto no computador, vc é louco, se sua mãe visse num ia deixar mais eu acessar daqui.
falei:-eu coloquei na hora que vc ia entrar, sabia que ela num ia ver...poxa te elogiu e vc nem agradece???
ela: -hum, sei você tá é mangando, ficaram horríveis!!!
eu falei: você tá maluca? suas fotos estão muito massa(os olhinhos dela, vibravam, uma mistura de vaidade e vergonha). quando vc tirar mais num apaga não, deixa pra eu ver depois.
ela nada respondeu, a velha ia entrando do quintal pra cozinha.
mais tarde, ela terminou o serviço e como de costume foi pro pc.
fiquei na sala morrendo de ansiedade. pra minha surpresa quando ela saiu nenhuma fot ficou pra eu ver.
no outro dia, o mesmo ritual, só que dessa vez um monte de fotos ficaram lá. como só a gente mexia no pc, isso virou um hábito. comecei a falar coisas pra elas das fotos, comentar um olhar, uma posição, só que como tinha que tirar na web, ficava muito limitada. mesmo assim, me masturbava a noite toda com aquela delicia, ficava imaginando ela no meu quarto tirando aquelas fotos e isso me deixava doido.
até que, agora em setembro, era festa da igraja, são nove dias de missa. como minha mãe não podia ir pela manhã, resolveu ir a noite na terça-feira. deixou sú, terminando as coisas e foi. quando ela acabou, veio pro meu quarto, se trancou e ficou lá. eu já mal intencionado, fiquei vendo tv, dei uma olhada na minha rua tudo parado, todas as atenções voltadas pra novena. voltei em casa e bati na porta do meu quarto: sú, abre rapidinho, precisa pegar uma outra camisa, vou olhar a praça da igraja.
ela assustada, respondeu: pera aí!
percebi que ela estava tirando fotos semi-nua.
abriu a porta eu entrei e fiquei enrolando, pego uma camisa, outra, tiro a camisa e ela em frente ao pc, incomodada, aí pensei é agora ou nuca: sú, cadê tirou mais fotos hj?
ela: tirei mas num sairam legais não.
-deixa eu ver?
-não!!!! amanhã tiro umas boas e deixo aqui.
-insisti, mas ela nu deixou, aí sugeri que eu tirasse umas fotos dela, assim ficaria com as duas mãos livres, ela rejeitou logo. falei pra ela deixar de bobagem.
então, aceitou, tirei umas fotos dela, mas ela totalmente vestida. mudei de tática, pedindo pra ela bater uma fotos minhas, já que queria tirar umas deitado, mas o cabo da web não ia na cama, num tinha como tirar sozinho. ela começou tirar, aí tirei a camisa, depois abri um pouco o ziper e ela olhando com aquele olho curioso e assustado. de repente, ela largou a cam, fechou seu orkut e pulou fora do quarto, dizendo que ia embora pois, sua mãe ia perguntar o que ela ficou fazendo lá em casa só comigo. tentei impedir, mas não deu.
no outro dia, minha mãe ficou em casa. na quinta, ela resolveu ir de novo. quando sú terminou que veio, eu nem sai mas do quarto. perguntei pra ela pq saiu daquele jeito na terça, ela deu a mesma desculpa. aí, falei:
-que nada, vc ficou com medo de mim, vc acha que eu ia fazer o que com vc?
ela, falou que não, que jamais ela pensou que eu ia fazer nada com ela, é que ela tinha que ir mesmo. insisti, que ela tinha medo de mim. até que disse:
- você sempre tirou fotos sem blusa, te pedi pra tira uma foto sua e vc tirou vestida, isso é medo.
ela falou que não, só num tava afim de tira naquele dia. aí falei que se fosse verdade, queria ver ela deixar eu tirar uma foto dela sem blusa , com as mãos tapando os seios> aí, me confessou que tinha vergonha. falei pra ela tirar a blusa que eu ficaria de costa e só olharia quando ela tivesse pronta. ela tentou me enrolar, mas consegui convencê-la.
fiquei virado pro outro lado, quando olhei aquele ser quase que totalmente desprotegido em minha frente, meu pau latejou, fiquei louco, tinha tres semanas sem fuder, só na pueta.
comecei tirar foto dela, e num sei o que era pior e vergonha dela ou meu descontrole visível.
fui pedindo pra ela ir mudando de posição e ela foi se soltando, até que pedi que tirasse as mãos e soltasse o cabelo em cima dos seios. ela olhou pra mime ficou muda, falei pra ela que num tinha nada, ia ficar coberto do mesmo jeito, virei as costas pradeixá-la a vontade ela cobriu os seus seios de fada com os cabelos. comecei atira foto e fiquei mas descontrolado ainda, pensei comigo eu pego essa menina agora nem que seja forçado e eu vá pra cadeia depois.
fui de levee ajeitei um lado docabelo dela, ela sisplismente estagnou em minha frente, ficou parada, em choque.
peguei no rostinho dela e levei a mão atrás de seu pescoço, ela nesse momento já dava sinais de que num reagiria a mais nada, apesar da apreensão que sentia. fui aproximando minha boca daquela boca dela e quase gosei, só de pensar que eu estava com aquela coisinha gostosinha, só comigo emmeu quarto e sem blusa. chupei sua língua imaginando que era sua bucetinha. encostei ela em mim, e deixei ela tocar seu corpinho em meu pau. levemente, deitei aquela inocência de menina na minha cama e fui beijar seu pescoço. de início, ela num gemia de vergonha, mas, parecia uma cobrinha de tanto se contorcer. fui descendo lentamente em direção aos seus seios, e ela tremia de tesão e também um pouco assustada com tudo aquilo. comecei chupar seus seios e pra mim podia acabar ali, pois nenhum seio até hj supera aquelas laranjinhas dela. desci pra sua barriga e chupei seu umbigo, aí ela num resistiu e começou a chiar, eu nessa hora num guentei e ainda de short gozei. mas, num conseguia parar de bjar aquela barriguinha, aqueles petinhos. comecei a passar a mão abaixo de seu shortinho, próximo ao joelho. pulei a bucetinha e comecei morder suas coxas, ela gemia mais e eu já pensava se ela num já havia gozado também, de tanto que ela chiava. voltei pra seu umbigo e levei a mão no botão de seu short, ela começou achorar e a pedir que eu num fizesse aquilo, pois até aquele dia ela só tinha beijado e meninos de sua idade. falei pra ela que num tava fazendo nada, mas ela continuou a chorar. olhei pra ela ali indefesa e disse:
- sú, te prometo quenum vou transar com vc, num sou louco de me ferrar, só quero que esse momento seja marvilhoso pra vc, tá?
ela, com olhar assustado, nada respondeu. fui bem devagar e comecei a meter a língua entre a short dela e a pele, aí ela segurou meu cabelo e esticou, levei a mão na boca dela e pedi que mordesse, assim ela fez. com uma mão e a boca fiquei abrindo o botão, até consegui,tirei o short e ela ficou só de calcinha, uma calcinha de bob sponja, o que deixava claro quão inocente era. aí parei, deixei ela de calcinha e falei que num ia mas fazer nada além daquilo com ela. só que era só uma jogada, pedi que me beijasse, ela começou timidamente a beijar meu pescoço, eu forçava a cabeça dela pra baixo, mas ela resistia em passar de meu peito. depois de um tempo, ela mordeu minha barriga, eu já não sabia mais nem meu nome. peguei a mão dela e coloquei no meu pau, ela tentou tirar mas eu segurei e disse que aquilo num tirava pedaço, ela segurou por cima da bermuda, e eu ficava com minha mão em cima da dela ralando pra lá e pra cá. meti a mão dela dentro de minha roupa e botei pra segurar por cima da cueca. nessa hora ela já apertava meu pau sozinha e eu chupava seus seios maravilhosos e duros, bem durinhos. tirei minha bermuda e subi em cima dela só de cueca e ela só de calcinha, enquanto ela sussurava em meu ouvido:
-pára dudú, por favor!!! pára vai!
eu ficava mais doido ainda, peguei a calcinha dela e tirei de vez, juro, parecia que tinha lavado a calcinha na frente e não havia torcido a água. desci de vez e comecei a beijar aquel bucetinha linda, ela perdeu o juizo e começou a gritar baixinho, eu levei a lingua no grelinho, aí ela quase ranca minhas orelhas, gemia como gente grande , eu entre as pernas dela de boca, tirei minha cueca e virei ao contrário deixando meu pênis perto de sua cabeça, ela doida de tesão, gemendo, epgeui a mão dela e coloquei em meu cacete, ela quis voltar, mas segurei a mão dela e ela segurou meu pau, comecei a fazer o movimento com a mão dela no meu pau e depois ela ficou me masturbando. foi um dos melhores momentos, eu chupando aquela bucetinha, quase me afogando, ela batendu uma punheta em mim e levei o dedo na boca dela, ela começou morder e chupar meu dedo, quando vi que ela tava sem juizo total tirei meu dedo , só restou na frente dela meu pau. quando senti aquela boca tocar nele num guentei 30 segundos, gozei igual um jumento, mas meu pau não conseguiu amolecer, apesar da dor, pois ela apertava e chegou a dar uma mordida no início. aí aproveitei que meu pau tava duro ainda, subi em cima dela e comecei a ralar, sem camisinha e todo melado de esperma em sua xoxotinha, que mais parecia uma cachoeira de tão molhada. ela não me pediu mais pra parar, fiquei roscando até coloquei a cabecinha na portinha daquela xaninha de menina, e ela me segurou a cintura, como que conseguiria evitar que eu metesse, mas ela também queria. fui tentndo e meu pau doendo, num tinha entrado quase nada, mas sabia que se demorasse iria gozar de novo e num comeria aquele cabacinho, forcei um pouco mais ela me soltou uma mordida na cravícula que dei um grito e fui mais forte, ela parecia que ia morrer de dor. quando consegui colocar a metade do meu pau, comecei a fazer movimentos de entra e sai, bem de levinho, pois ela se contorcia de dor . quando ela soltou minha cravícula e mordeu minha oreklha num guentei e fui de vez, ela gritou e mordeu mais forte, o meu pau entrou quase todo, ela fungava como um touro em fim de tourada. gozei como um insandecido.
a gente já transou oito vezes depois disso, já chupei o cuzinho dela, tentei forçar duas vezes mas não consegui comer. hoje a grande dificuldade é que num transo com ela lá em cas e sim na cas de um colega, no dia que a gente marca ela finge que vai pra escola de manhã e eu dou uma fugida da minha área de trabalho e ficamos na cas de uma amiga minha. mas agora é fim de ano, e num quero que ela perca muita ula pois se ela perder de ano, podem desconfiar de alguma coisa.