RSS contos eroticos

Conto Erotico A cadela tarada

Nada a fazer. frente a televisão em um domingo sozinho e pau duro o tempo todo. me masturbo lentamente, para não gozar depressa, lembro da sabrina. peludona, carinhosa e no cio, sozinha com o sultão. fui ao quintal e sultão bombando sabrina com força. aquilo me deu um tesão do caralho. diga se vcs nunca ficaram com tesão em ver cães treparem? enfim os dois se agarraram e depois de um tempo se soltam e sabrina com a boceta toda escorrendo, meu tesão aumentou. peguei o sultão o prendi na casinha. peguei a mangueira e fui dar um banho em sabrina. a lavei o pelo e as partes intimas, passei um shampoo nela toda e percebi que ela estava excitada. a enxuguei com um secador e a levei para dentro de casa. ela adorava ficar dentro de casa. ela se deitou no sofá e eu fiquei no chão. coloquei um filme porno e levei a mão ao seu cachimbo inchado. fazendo carinho e masturbando ela. senti um aroma fantástico e ela ficou toda relaxada. sua buceta de uma forma e um inchaço lindo. senti que ela foi se molhando e muito. enfiei meu dedo e ela começou a se inundar. senti então que era a hora. com meu melado, me levantei, passei o liquido que sabrina eliminava em meu pau e cheguei proximo a sua boca. ela lambia gostoso, bem de leve, e minha mão estava em sua buceta. a virei ainda sobre o sofá e encostei meu pau em sua cremosa bocetinha. sabrina era enorme e por proporção, tinha uma grande raxa. ela levantou seu rabo e fui lentamente penetrando-a, era apertado, mas ia entrando. coloquei tudo lá dentro e fiz do jeito dela, algumas bombadas e parei. maravilhosa a sensação. com meu pau alojodo lá no fundo, sentia a vágina de sabrina se contrair e coloquei meu pau para contrair também, sem bombar. ela cada vez is ficando mais cremosa e eu louco para bombar, mas não queria gozar só na base das contralções dela e minha. senti que ela estava se transformando em uma lagoa, e mais molhada ainda e mais, até que por fim um jato intenrno fez até escorrer para fora a gozo de sabrina, eu quase gozando, sentia escorrer em minha perna aquele liquido. não suportei mais e gozei, começando a bombar rapidamente. a enchi de porra, mas não era nem a metade do que ela havia gozado. foi maravilhoso, quando tirei meu cacete e vi sabrina se lamber na mistura entre meu esperma e seu liquido. deitamos e eu cochilei, nu, acordei com sabrina me lambendo, fizemos tudo de novo e durante o resto do dia. coitado do sultão, só latia desesperado.