RSS contos eroticos

Conto Erotico Retorno a Fazenda - Desfecho

No Sábado, eu aproveitei para me recuperar do estrago que Pegasus havia feito no meu cú, e fui para o riacho tomar banho, peguei um sol, e quando voltava para a fazenda passando pelo pasto, Pegasus, a me ver veio de encontro a mim, muito feliz, e com um baita tesão. Estávamos bem distante de tudo e de todos assim o puxei para a sombra de uma arvore, e assim poderia ficar de olho se alguém pudesse aparecer. Pegasus com seu pau super duro grunhia de tesão, e eu resolve o punhetar para aliviar seu tesão. Peguei seu pau e salivando com a boca o punhetava Pegasus, estava delirando, e logo gozou em minha boca, uma porra grossa e de cheiro muito forte, que impregnou seu cheiro de garanhão em mim. Tive que voltar ao riacho pra me lavar senão todos iriam saber o que houve. Lavei­me, mas o cheiro da porra de Pegasus não saia da minha roupa e nem das minhas narinas, eu estava visivelmente com muito tesão, meu pau doía tanto que mal coloquei a mão e iniciei a punheta gozei. Ao chegar à fazenda, coloquei minha roupa de molho num balde com agua sanitária e muito sabão, apara lavar. Minha cunhada vendo a roupa de molho pegou para lava­la enquanto eu estava no banho, quando sai e fui pendurar a toalha no varal vi minha choupa pendurada, e fiquei com medo de que ela tivesse percebido algo. Almoçamos todos juntos e ao terminar meu cunhado me chamou para ir com ele ao longo da propriedade que ele estava procurando uma novilha que não apareceu pela manhã, para ver se a encontrava. Saímos e assim que distanciamo­lo me disse que a sua esposa, ao lava minhas roupas achou muito estranho as manchas que tinha, mas ela não sabia o que era, e ele me perguntou se eu havia transado com Pegasus de novo e sem a sua participação, lhe disse que não que foi apenas uma punheta, pois estavam com muito tesão, e ele gozou na minha boca. Contei que tinha ido ao riacho e que na volta o encontrara e assim ocorreu. Meu cunhado então me levou ao riacho e sentados a sua margem debaixo da mangueira, tirou seu pau pra fora me pedindo para fazer o mesmo que fizera com Pegasus. O chupei com muito tesão e logo ele gozou um rio de porra na minha boca, e desta vez tomei cuidado para não manchar a minha roupa, terminada a chupeta, estávamos pensando como poderíamos preparar outra foda com Pegasus, pois ninguém poderia nem sonhar que aquilo estava ocorrendo. Então meu cunhado lembrou que como era domingo todos com exceção de sua esposa iriam à missa e ela ficava pra preparar o almoço, assim ele articulou que falaria pra ela que eu também iria, mas na verdade não eu me esconderia no quartinho de ferragens, e ele iria escovar o Pegasus, assim enquanto ela estaria ocupada com a comida eu seria comido pelo Pegasus mais uma vez, à noite preparei uma sacola com os apetrechos para a foda matinal, antes de todos saírem eu fui quietinho pro quartinho. Logo eles saíram, e escuto o cavalgar de Pegasus, meu pau endureceu na hora e meu cunhado veio ao meu encontro e disse que antes de Pegasus me foder ele queria­me foder, antes que ele me abrisse todo, então lhe pedi para foder como seria com Pegasus. Fiz como na sexta à noite ajoelhei no velho sofá, e ele me pegou por trás, fodeu sem demora e gozou bastante como sempre foi muito farto. Depois passou o anestésico no meu cú, e saiu, em alguns instantes ele me chamou pra fora e estava lubrificando o pau de Pegasus, com o gel lubrificante, me apoie num pequeno banquinho sob Pegasus e pincelei sua tora no meu cú. Pegasus ao perceber que era meu cú a lhe receber tratou de por logo pra dentro, e enterrou quase que totalmente dentro de mim, em poucos movimentos gozou e me encheu com sua porra deliciosa, farta e absurdamente quente, parecia leite fervido, nesse instante gozei com grande intensidade, depois como seu pau estava meio mole fiquei de quatro ao seu lado e enfiei demovo em meu cú o punhetava dento do meu cú, e depois de uns quinze minutos assim ele gozou outra vez. Estava muito cansado e já estava na hora do povo voltar da missa. Fui tomar um banho, e com as poucas forças que restava almocei com a família, depois fui dormir um pouco, com a desculpa de descansar para a viagem de volta. À noite me despedi de todos e fui embora, vez por outra meu cunhado inventa uma desculpa para ir a minha cidade, e fodemos bastante. Fim
Não permitimos pedofilia neste site! Ajude-nos a identificar.